segunda-feira, 26 de janeiro de 2009

Mr X, o monstro

Um leitor, citando Nietzche, me chama de "monstro", aparentemente pelo fato que cito um autor que critica fortemente a imigração islâmica nos países ocidentais. Ele acredita que os discrimino. Pode ser. Por outro lado, o leitor não menciona que os muçulmanos também discriminam contra nós. Em certas partes da Arábia Saudita, só entra muçulmano. Bíblia não entra. Et cétera.

Apesar de acreditar, ao menos em teoria, na liberdade de culto e tudo isso, confesso que, por puro preconceito, não vejo mesmo com demasiados bons olhos a imigração de milhões de muçulmanos nos países ocidentais; alguns, vá lá; mas milhões, nem mesmo entendo. Por que a Europa está importando tantos muçulmanos, quando a maioria da população - certo ou errado - os rejeita? Há planos para construir mesquitas gigantes em grandes capitais européias. A maioria da população é contrária. Mas as mesquitas vão ser construída mesmo assim. Tem dinheiro saudita, dontchanow. E não faltam fiéis, ao contrário das igrejas cristãs que vêem seus bancos cada vez mais vazios. Então, de um jeito torto, faz sentido. A Europa está apenas trocando de religião.

(Alguns comparam a situação dos imigrantes muçulmanos hoje com os judeus ontem. Mas os judeus não eram imigrantes de outros países, pois não tinham país próprio; além disso, durante os vários séculos em que estiveram na Europa, raramente viveram com plenos direitos. Foram expulsos daqui e dali; mesmo quando aceitos, viviam em guetos ou com direitos limitados.)

Mas o multiculturalismo não tem coisas boas? Tem, acho que já falei disso outra vez.

Mas o multiculturalismo é uma coisa bastante nova na Europa, se não contarmos o Império Romano que, a seu modo, era multicultural. Já a América sempre foi uma nação de imigrantes, isso é verdade. Obama disse: "Esta é uma nação de cristãos e muçulmanos, judeus, hindus e ateus."

Nesse caso, acredito que Obama esteja errado. Nação é uma coisa, religião outra. Embora fundada sob princípios secularistas, o povo americano era formado em sua imensa maioria por cristãos, e sua sociedade formou-se com base em ideais cristãos. Os muçulmanos não fazem parte da América original, seu único papel foi o de vendedores de escravos para as colônias. Para pior, eles agora ainda foram promovidos ao segundo lugar no discurso, quando normalmente, por afinidade, se falaria em "cristãos e judeus" e depois todo o resto.

Mas esse é tema para outro post. Falemos de monstros. Somos monstros por combater monstros?

Recentemente, houve uma série de bizarras decapitações. (Nenhuma foi realizada por muçulmanos, embora possa-se sugerir que as imagens de reféns sendo decapitados no Iraque tenham influído na psiquê popular.) A primeira, por um desequilibrado em um ônibus no Canadá, que decapitou um passageiro aleatório. A segunda, na Inglaterra, por um imigrante aparentemente filipino que decapitou um vizinho inglês que reclamava do barulho que ele fazia. A terceira, semana passada, nos EUA, por um estudante chinês que decapitou uma estudante também chinesa, não se sabe se por ciúmes, rejeição ou por mero delírio psicótico.

Neste último caso, o pavoroso crime ocorreu em um café da universidade. Havia, diz-nos a notícia, sete testemunhas. O espantoso é o seguinte: aparentemente, ninguém fez nada. Atacar o indivíduo com uma cadeira que fosse? Jogar água quente no seu rosto? Nada, zero. Todos fugiram, algum chamou a polícia. Entendo que não seja simples atacar um psicopata armado com uma faca, mas: é essa mesma a situação da Europa. Não enfrenta os radicais islâmicos porque tem medo de sua reação. Porque é muito difícil enfrentar um psicopata armado com uma faca. É como disse Yeats: "the best lack all conviction while the worst are full of passionate intensity".

Ou como disse Edmund Burke: "A única coisa necessária para o triunfo do mal é que os homens bons fiquem parados sem fazer nada."

Mr X é um monstro por não acreditar que todos necessariamente querem paz e amor? Por julgar os culpados junto aos inocentes? Por acreditar que a luta contra o fundamentalismo islâmico eventualmente requererá violência do lado "cristão" também? Por ser a favor da guerra e contra a liberdade de imigração? Logo o Mr X, que também é um imigrante? Por condenar todo um grupo religioso formado por milhões de pessoas em nome de uma pequena minoria violenta e radical? Logo o Mr X, que se dizia libertário? Por ser xenófobo e não aceitar o multiculturalismo como bem maior da sociedade atual? Por ser islamofóbico? Logo o Mr X, que tanto critica o antisemitismo? Por criticar a igualdade entre os povos e as culturas? Por generalizar e misturar alhos com bugalhos? Logo você, Mr X?

Talvez sim. Talvez Mr X seja um monstro. Mau, Mr X, mau.

34 comentários:

Gerson B disse...

Daonde você tirou o "Mr X"?

No mais, como semipagão e ocidental moderno, tambem acho que deveria haver reciprocidade no trato com o islã. Só deveriam ser construidas mesquitas quando eles permitissem a construção de templos de outras religiões em seis paises e houvesse liberdade de culto lá.

Gerson B disse...

Putz, vi no Google que tem vários filmes com "Mr X" no título. Foi desse filme ai no post, o nick? Não lembro dele. Ou foi do "The Amazing Mr X"? Tinha essa frase aqui antes, não?

Rodrigo disse...

Não Queijão, você não é um monstro não. Você é só mais um daqueles cretinos que precisam sair por aí perseguindo um povo para servir de bode expiatório para suas próprias frustrações. 70 anos atrás na Europa os culpados de tudo eram os judeus, hoje são os muçulmanos. Sem falar no que a tua corja faz com negros e nordestinos aqui no Brasil.
Agora falar dos governos ditatoriais que o Ocidente apóia, Arábia Saudita inclusive, para vender petróleo batatinho nem um pio né Queijão. De todas as tentativas de implantar a democracia e um estado laico que foram sabotadas pelo ocidente nada também.
Se o que te incomoda é que eles tenham direito de cultuar quem eles quiserem, seu problema é com a democracia seu escroto...

Anônimo disse...

os monstros degolam os monstros que degolam os monstros que degolam os monstros

Anônimo disse...

O Rodrigo aí concluiu que é tudo uma questão de liberdade de culto.
Onde esse cara aprendeu a ler?
Pior que não é um problema de interpretação de texto, mas sim de deformação de caráter.

Nei

Anônimo disse...

a cobra morde o rabo da cobra que morde seu rabo

Intolerante disse...

Mister éks pode até ser um monstro, mas esse tal de "rudrigo" é uma besta quadrada.

Anônimo disse...

o X está muito sensível.

Pax disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Fabio Marton disse...

Équis, algo me diz que você está dois uísques atrasado.

Anônimo disse...

é o x da questão do X em questão cuja questão dos monstros que mordem o rabo das cobras que mordem os montros que jogam cobras em outros monstros quer entender.

criam-se corvos pelos caminhos

ps.: quase acabei com o jogo dos sete monstros, esqueci de colcoar anônimo. Apaguei rapidinho.

Antonio disse...

Vc não é um monstro, X.

É apenas alguém que perdeu contato com a realidade.

Pena. Nossos debates de antigamente no PD eram bons.

Abraço,

ACT

Anônimo disse...

essa doeu...

Mr X disse...

ACT,

Ou seja, nao da pra criticar a imigracao muculmana ou a imigracao em geral, e' isso? Por que se deve aceitar a imigracao ilimitada de pessoas do pais A ao pais B? E ingenuidade ou nao aceitar que as migracoes provocam mudancas na sociedade, as vezes positivas, mas as vezes negativas tambem?


Vou la tomar meus dois uisques. Ou tres.

Mr X disse...

Dito isso, acho que alguns dos pontos que voce levantou no comentario do post anterior sao validos. NAO E' TUDO CULPA DA IMIGRACAO ISLAMICA: de fato, esta e' so' um efeito colateral ou sintoma de outros probelmas maiores e anteriores.

Anônimo disse...

Saco esses comentários pretensamente "patronizing" (perdoem a aliteração), tipo "você já foi melhor, Mr. X". Prefiro os comentários imbecis do Rodrigo aí em cima.

Mr. Y

Pangloss disse...

Quando alguém lhe diz: "você já foi melhor", isto quer dizer, "sinto falta do tempo em que eu ainda tinha esperanças de fazê-lo pensar do meu modo".

Anônimo disse...

questões monstruosas:

há monstros menos monstros?

os monstros menos monstros consideram os monstros mais monstros?

Chesterton disse...

Na Suecia a coisa tá pegando

http://yahel.wordpress.com/2009/01/27/malmo-suecia-la-policia-ataca-a-las-victimas/

E o Leite de Pato tem ideia interessantes sobre o assunto

http://novoleitedepato.blogspot.com/2009/01/terceira-guerra-mundial-um-exerccio-de.html

Anônimo disse...

mostruosas questões do monstro monstruoso

monstro pensa?
reflete?
muda?

monstro vira menos monstro
monstro menor
monstro com menos monstruosidade?

monstro respeitado pela comunidade?
é uma monstruosa realidade?

monstruosa questão

Mr X disse...

Gerson B,

Nem lembro mais de onde tirei o Mr X, pra dizer a verdade. Tem um filme chamado "The amazing Mr X" sim, aliás o título era o logo original do blogue aqui. O cartaz que ilustra este post é de um filme falso, que não existe de verdade.

Mr X disse...

Anônimo,
Dava pra fazer um rap com isso aí... :-)

Stefano disse...

Gerson B, é por aí. Já deixei aqui minha sugestão de trocarmos o infame "multiculturalismo" pela infalível "reciprocidade".

Sobre o post: valeu, Mr.X....Uma boa resposta para mais um chilique de um esquerdista cretino. É só o que eles fazem.

Mr X disse...

Por ondas anda o ombudsman Pax? :-/

Mr X disse...

Por ondas anda o ombudsman Pax? :-/

Antonio disse...

X, claro que a questão da imigração é problemática, sobretudo na Europa.

Mas a maneira através da qual vc expõe o problema, além de simplificadora (como vc próprio admite), é equivocada. Não ajuda um milímetro a avançar a compreensão do problema. Ao contrário, só faz reforçar a ignorância e o preconceito.

A simplificação -- retirar as coisas de sua complexidade real, reduzindo-as a caricaturas -- é um dos principais combustíveis do processo de estereotipagem, de criação de pré-conceitos.


abs,

ACT

ps - aos desavisados: eu já debati muito com o X no blog do Pedro Doria, e numa boa. Mas o X que eu conheci lá faz tempo não era radical assim, e o radicalismo é um dos maiores entraves à conversa.

Anônimo disse...

essa doeu...

Mr X disse...

ACT,

Ainda não entendi qual é o radicalismo de que você me acusa.

Deixando de lado o tráfico de drogas e outras coisas que realmente não tem diretamente a ver com a imigração - a ameaça de liberdade de expressão contra o Geert Wilders, por exemplo. Ou as bombas em Madri e Londres. Tais não existiriam se não houvesse uma grande quantidade de muçulmanos nesses países. Já disse mil vezes que nada tenho contra os muçulmanos, a pergunta é: por que estão nos países ocidentais? Porque buscam melhor qualidade de vida do que tem nos seus países muçulmanos. Então, para que querem replicar o mesmo sistema que claramente não funcionou?

É uma questão complicada mesmo. Depois faço um post melhor sobre o assunto. Tudo o que queria era indicar um autor que tem opiniões polêmicas sobre o assunto, é tudo. Leu o Takuan?

Demaisão disse...

legal, eu gostei. eu sou esquerdista, pró-palestina e gosto de vc. mister x é mal, igual o pica-pau.abraço

Antonio disse...

X, não se faça de bobo, que de bobo vc não tem nada. Sabes muito bem pq eu te chamo de radical.

E, por favor, dizer que não haveria bombas em Londres ou Madri se não fosse alto número de imigrantes... Quê isso, companheiro? Certamente que o alto número de imigrantes facilita as coisas, por causa do anonimato. Mas uma população muçulmana significativamente menor não impediria uma ação terrorista. Basta meia dúzia de malucos dispostos a ver o circo pegar fogo.

Mais uma vez, vc simplifica a questão ao nível do ridículo -- "se não houvessem tantos muçulmanos aqui, não teríamos bombas nos metrôs e trens".

Permita-me refrasear seu argumento, e lhe dar alguma coerência. O correto seria dizer: "se não houvesse muçulmanos residindo na Europa, aí talvez -- TALVEZ -- não tivéssemos atentados terroristas".

E aí? Qual a solução? Expulsa todo mundo -- gente que está lá há gerações, muitos absolutamente integrados aos costumes e leis locais? Confina em guetos, e depois coloca um muro em volta?

Então não me venha com chorumelas.

Abs,

ACT

ps 1 - não li o Takuan.
ps 2 - Vc tem alguma razão quando fala da recusa de alguns imigrantes muçulmanos a se adaptarem aos costumes europeus. Isso é problemático. Mas sou da opinião que o que vale é a letra de lei -- se a constiuição do país diz que poligamia é crime e o sujeito tem 4 esposas alegando ser uma dádiva de Alá ou qq outra coisa que o valha, o malandro tem que ir em cana. Ponto.

Mr X disse...

ACT,

1 - Leia o Takuan. Se me acha radical, não quero nem pensar o que vai achar dele, eh eh. Mas é uma leitura interessante. O cara está muito longe de ser um racista, aliás ele é meio-judeu.

2 - O problema é justamente o oposto, quanto mais aumenta o número de muçulmanos, mais vão mudando as leis, para acomodá-los. A POLIGAMIA JÁ É LEGAL NA PRÁTICA PARA MUÇULMANOS NA INGLATERRA.

Mr X disse...

Mau igual ao pica-pau? Essa sim doeu. :-(

;-)

Jonas Binelli disse...

Tenho um amigo no Uruguai que mora com duas mulheres, e todo mundo sabe. Ou seja, lá também a poligamia, na prática, é liberado. Será influência islâmica?

Mr X disse...

Uns com duas mulheres, outros só com uma ou até nenhuma, isso é injustiça social. :-/

Mas falando sério, poligamia é só quando casa de papel passado, amante não conta.