quarta-feira, 21 de janeiro de 2009

Maniqueísmo ou morte

A esquerda é uma doença mental. Um de seus sintomas é a incapacidade de perceber óbvias contradições. Leiam por exemplo este horrendo site esquerdista que comemora a liberação de Cesare Battisti, celebrando sua luta ao mesmo tempo em que afirma que ele era inocente. O assassino condenado e membro de um grupo chamado Proletários Armados pelo Comunismo vira um mero "escritor e ativista" que "não quis participar luta armada". Hã? Se não queria participar da luta armada, porque ingressou em um grupo que tinha Armados no nome?!?

A mesma coisa se vê no apoio dos ignóbeis esquerdistas ao Hamas. Por um lado os esquerdistas dizem que eles podem atirar foguetes e realizar atentados, afinal trata-se de uma resistência legítima. Por outro lado, afirmam que são apenas foguetinhos caseiros, "meros rojões", e que de qualquer modo quem quebrou o cessar-fogo primeiro foi Israel. Percebem? É a mesma técnica, por um lado estimulam a luta armada, pelo outro repetem que apenas estão interessados na paz. (Nem um pio agora sobre o fato que Hamas está torturando e matando dezenas de palestinos).

E, no entanto, a esquerda venceu. A esquerda, espécie de atrofiamento do cérebro que mantém seu portador em estado de perpétua adolescência, é a ideologia em voga, e ninguém a segura. A esquerda viceja nas redações e nas universidades. A esquerda está no poder na América Latina e, hoje, de certa forma, até na América do Norte com Obama, muito embora ele vá decepcionar seus mais radicais admiradores esquerdistas (Obama não é burro e sabe que é furada dar uma de revolucionário sendo o presidente americano). Mas o problema não é Obama, são os seus eleitores, é a mídia que o elegeu, é o zeitgeist. A esquerda está no ar.

Um dos mantras da esquerda é que "não podemos julgar ninguém". Insistem com a suposta imparcialidade. Falsa, é claro: defendem sempre que podem terroristas, guerrilheiros, criminosos, minorias, imigrantes, países estrangeiros - todos aqueles não associados com a cultura predominante branca-greco-judaico-cristã que, na boa, já nem é tão mais predominante assim.

Ainda assim, mantém o discurso da imparcialidade. Não é mais que isso, discurso - é claro que eles estão do lado dos Battistis, do Hamas, das FARC. Mas os não-esquerdistas, acreditando que tal imparcialidade seja sincera, passam a repetir as suas nulidades. Hesitam em escolher um lado. Dizem que é preciso acabar com o "ciclo de violência". Que é preciso que "cessem as hostilidades de ambos os lados". Que Hamas e Israel, que FARC e governo colombiano devem negociar de igual para igual. Que Irã e EUA têm o mesmo direito a armas nucleares e que devem dialogar de igual para igual. Que a cultura islâmica é igual à cultura ocidental e deve ser igualmente aceita. Que - nas palavras de Obama - os EUA são um país igualmente "cristão e muçulmano, judeu e hindu e ateu". Que todas as culturas são iguais, que todos os países, inimigos ou não, são irmãos.

Não. Lamentavelmente, não é assim. É hora de escolher lados, não fingir uma imparcialidade inexistente. É Esquerda contra Direita. Hamas contra Israel. FARC contra Colômbia. Terroristas contra Soldados. Fundamentalistas islâmicos contra Ocidente. Al-Qaeda contra EUA. Revolucionários contra Estado de Direito. Totalitários contra Libertários. Yin contra Yang. O Mal contra o Bem.

E você de que lado está?


21 comentários:

Anônimo disse...

O caso do Cesare Battisti não é o primeiro. Lembrei-me do caso de Achille Lollo, outro comunista homicida que recebeu refúgio no Brasil, em 93 (governo Itamar).
Esse sujeito provocou a morte por queimaduras de 2 pessoas num atentado que cometeu na Itália.
Hoje é figura de proa no PSOL de Heloísa Helena.
http://www.midiasemmascara.org/?p=5009

Nei

Mr X disse...

Como disse o Fábio, que saudades do Ronald Biggs... ;-) Quando eramos apenas o paraíso de criminosos sem ideologia!

Anônimo disse...

Dei uma lida na caixa de comentários do tal site. Deu perfeitamente pra entender porque os gajos defendem os Hamas da vida:terror em estado bruto.
Ou melhor, a animalidade dando s cartas.

Madeleine

J.Wollvsttaven disse...

Caro Mr. X,

Quando puderes, visite este link http://bodegacultural.blogspot.com/

O autor (um dos debeis mentais já citados), desfila algumas destas perolas:


"Se Obama fosse fazer diferente visitaria Cuba e abraçaria Fidel. Fidel nunca foi inimigo da América, e sim, inimigo de suas políticas imperialistas contra o seu povo.

Se Obama quisesse, visitaria a Palestina e dialogaria com o Hamas e com o Fatah, e perguntaria aos palestinos se estão contentes com as políticas externas da América para com eles.

Se ainda quisesse, Obama enfrentaria o terrorismo com diálogo, pois terroristas são pessoas indignadas e que não se dobram à escravidão -- assim como os afrodescendentes, os índios e outras etnias que os brancos tentaram escravizar. Diálogo que foi negado ao longo dos anos por pessoas totalitárias, intransigentes, déspotas, cegas e movidas pelo ódio. Não se vence "terrorista" enquanto existir desigualdade, injustiça e escravidão.

Em todo caso, desejo-lhe boa sorte, Obama. E nunca esqueça suas raízes, seus antepassados escravizados e injustiçados pelas minorias brancas."

Nemerson Lavoura disse...

O zeitgeist é de esquerda porque o comunismo morreu. Pode parecer paradoxal, mas é isso mesmo: como não há mais risco de que haja um novo comunismo soviético ou maoísta, "a Zelite" econômica pode cair de boca no esquerdismo estatocrata - um carguinho para aquele esquerdista ali, um financiamentozinho público para o grande empresário aqui, e está forjada uma bela aliança de interesses...

|3run0 disse...

X, eu concordo que neste tipo de questão é preciso tomar um lado, mas acho que muitas vezes você escolhe a dicotomia errada ;)

sol-moras-segabinaze disse...

Concordo contigo, Mr. X. Linkei o seu blog lá no meu. Abraço

Chesterton disse...

Esqueceu, Mr, dos eleitores sofisticados, que tambem tem algo de gay.

Gerson B disse...

No geral concordo, mas sugiro que você retire da sua lista de exemplos o Yin contra Yang. Essa conceituação não combina com o maniqueismo, traz a ideia de complementaridade entre opostos.

Apenas um taoista incomodado.

marcelo augusto disse...

Olá!

O Idelber publicou um comentário meu e o respondeu.

Aqui vai o comentário e a resposta dele:

Meu Comentário:

Olá, Professor Idelber.

Uma singela questão: Por quais motivos o senhor escreveu que os foguetes Qassam não passam de meros "rojões"?

Outra pergunta: Por quais razões não foi possível aos leitores do "Biscoito Fino e a Massa" comentarem os posts sobre o recente conflito entre israelenses e palestinos?

Obrigado!

Marcelo Augusto


Resposta:

Caro Marcelo Augusto:

1. Para fazer gracinha com os que chamam os Qassam de "mísseis".

2. Porque me informo sobre o assunto há 25 anos, conheço cada recoveco dos sofismas usados para defender as chacinas israelenses em "debates" sobre o tema na internet, não estava interessado em "debater" o assunto com ninguém, precisava trabalhar em alta velocidade documentando uma chacina, e porque o acontecido não foi um "conflito". Alguma outra dúvida?


Claro, está no formato light. Se fosse a versão full, ele não teria publicado.

Mr X disse...

Marcelo Augusto,

Traduzindo o Idelber do esquerdes pro portugues:

1. Pena que os Qassams matem muito pouco.

2. Ha 25 anos digiro e vomito propaganda arabe e nao quero discutir com ninguem que me faca duvidar por um instante sequer dos slogans que decorei, precisava trabalhar rapidamente para manter a minha reputacao de pacifista bonzinho amante das minorias oprimidas mundo afora.

Mr X disse...

Gerson B,

Tem razao. Entendo pouco de taoismo, mas, Yin e Yang sao opostos e complementares, e pode-se dizer tambem que esquerda e direita, mal e bem, etc, tambem sao opostos e complementares ja que um nao existe sem o outro.

Bruno,
Existem dois tipos de pessoas, as que dividem as pessoas em dois tipos, e as que nao. ;-)

Diogo disse...

Na verdade existem três tipos de pessoas: as que sabem contar, e as que não sabem.

Diogo disse...

Aliás, vai me dizer que você acreditou no discurso do Obama?

Ele próprio já escolheu seu lado, senão teria se candidato a presidência do Quênia.

marcelo augusto disse...

Interessante vídeo que mostra terroristas do Hamas preparando um rojão... ops... quero dizer, foguete Qassam: aqui.

Um dos terroristas que prepara o rojão... opa!, quero dizer, foguete Qassam diz que o estrume/adubo (manure) tem que ser importado do território do inimigo sionista -- o adubo/estrume (manure) é utilizado para extrair o nitrato de potássio, que serve como propelente para o rojão... ah caramba!, foguete Qassam.

Que interessante: O Hamas e todas as outras "autoridades" que já estiveram sob o comando dos palestinos até hoje não conseguiram reunir as condições necessárias e suficientes para que estrume/adubo (manure) seja fabricado exatamente no... território palestino! Até para fabricar as próprias armas os terroristas do Hamas necessitam de Israel! Não é irônico?!?

Curioso: O terrorista do Hamas utiliza açúcar na mistura do propelente do foguete Qassam. Claro, se o Idelber visse essa cena (do terrorista adicionando açúcar na mistura), ele diria que não há mal nenhum, afinal de contas, terroristas também gostam de doces! Rojões caramelados!

Após terminarem de construir o foguete Qassam, os terroristas agradecem a Allah e, em seguida, partem para lançá-lo contra o território israelense.

O final é interessante! :)

P.S.: Situação interessante: O Hamas e as demais autoridades palestinas não conseguem sequer proporcionar serviços básicos à sua população, como escolas (lembram da escola mantida pela ONU em Gaza e que foi bombardeada por ser utilizada pelo Hamas para abrigar terroristas?), água encanada, hospitais (não é/era raro ver palestinos se tratando em hospitais israelenses) e escolas (há palestinos freqüentando instituições de ensino em Israel), mas para produzir Qassams, ah!, isso não falta! Fora os demais acessórios que eles devem comprar -- estrume/adubo (manure). Enquanto isso, o cidadão médio palestino vê a sua geladeira vazia.

marcelo augusto disse...

Traduzi meu comentário anterior para que ficasse de acordo com as Normas de Publicação do Idelber. Vejam:

Olá, Professor Idelber.

Muito obrigado pelo esclarecimento sobre a postagem que comentei anteriormente.

Sobre os rojões Qassam, encontrei um interessante vídeo que mostra os militantes nacionalista-militares do Hamas preparando um. Neste link.

Um dos militantes nacionalista-militares do Hamas afirma que o estrume/adubo (manure), utilizado para extrair o nitrato de potássio (que servirá de propelente para o rojão), tem que ser importado do território do inimigo sionista.

Interessante: O Hamas e todas as outras autoridades que já comandaram os palestinos até hoje não conseguiram reunir as condições necessárias e suficientes para que estrume/adubo (manure) seja fabricado exatamente no... território palestino. É irônico que os militantes nacionalista-militares do Hamas necessitem de Israel para fabricar algumas de suas armas. Pelo menos é isso que eu pude depreender do vídeo e do relato do militante nacionalista-militar do Hamas.

Curioso: No vídeo, um militante nacionalista-militar do Hamas utiliza açúcar na mistura do propelente do foguete Qassam. Sério, por um momento pensei que ele fosse preparar um doce ou coisa do tipo.

Após terminarem de construir o Qassam, os militantes nacionalista-militares do Hamas agradecem a Allah e, em seguida, partem para lançá-lo contra o território israelense.

Professor Idelber, o senhor classificaria isso como terrorismo no sentido estrito?

Se alguém aqui souber, por gentileza, eu gostaria de saber: Quanto custa (em dólares) para fabricar, por completo, um Qassam?

Vou chutar: U$ 200,00. Usando esse preço como referência e levando em consideração que no ano passado -- segundo o vídeo afirmou -- foram lançados 1200 Qassams, então houve um gasto total de U$ 240.000,00 apenas com Qassams. Quantos livros não poderiam ter sido comprados com esse dinheiro? Daria para encher de comida um monte de geladeiras.

Obrigado.

Marcelo Augusto

Igor T. disse...

Fato: você não pode ter democracia sem direita e esquerda. Precisamos desse equilíbrio. Sobre os maniqueísmos, não acho que seja uma luta entre a esquerda e a direita, mas entre a verdade e a mentira. Ambos podem estar mentindo e falsificando informações, mas quem está do lado do Hamas e das FARC está na esquerda. Ainda assim, viadagem ou não, Há esquerdas e esquerdas. E precisamos da boa esquerda para haver democracia.

Igor T. disse...

Ah, sim! Escri sobre isso aqui:
http://moscaazul.wordpress.com/2009/01/18/a-esquerda-morreu-mesmo/

|3run0 disse...

X, existem dois tipos de pessoa no mundo: Aquelas que terminam suas frases e aquelas

Há também 10 tipos de pessoas no mundo: aquelas que sabem binário, e aquelas que não sabem. :)

Mr X disse...

Marcelo Augusto,

Só uma observação sobre a implicância do Idelber com o termo "míssil". De acordo com o dicionário, míssil é qualquer objeto arremessado como arma. Até uma pedra pode ser um "míssil", por exemplo.

No sentido mais, ahn, estrito de uso militar, temos mísseis balísticos e mísseis guiados ou teleguiados. O Qassam seria um míssil balístico, pois não pode ter sua trajetória modificada durante o vôo. É um míssil "burro". Mas é um míssil. Mas podemos chamar de foguete, também.

Anônimo disse...

ESSE BLOG NÃO É MUITO DIFERENTE DOS ESTERKISTAS..MESMO FILHOTE DA MAÇONADA..