segunda-feira, 5 de janeiro de 2009

Heróis do mal

Por que a esquerda, que se diz da paz, gosta tanto de terroristas palestinos e de guerrilheiros comunistas?

Imaginem por um momento que Irã, Síria, Hamas e Hezbollah se unissem e finalmente realizassem seu sonho de destruir Israel e expulsar os judeus. O que aconteceria? Provavelmente a transformação da região em um poço de iniqüidade, apedrejamento de mulheres, enforcamento de gays, miséria, atraso e intolerância religiosa. Isto é, todos os valores aos quais a esquerda diz se opor.

Será que os esquerdistas já pensaram que os terroristas muçulmanos do Hamas que eles apóiam querem uma teocracia religiosa (não é que Deus não existia?), torturam seus prisioneiros (ué, tortura não era crime?), fuzilam traidores (a esquerda não é contra a pena de morte?), não aceitam liberdade de expressão (a esquerda não é contra a censura?), matam gays (a esquerda não era pró-homossexuais?), apedrejam mulheres adúlteras (e o feminismo?), e o pior... proíbem o rock ocidental e as drogas (e agora, José?).

Os esquerdistas ainda idolatram Che Guevara. Mas qual o seu legado? O que é Cuba hoje? Um lugar miserável onde não há liberdade alguma e onde os gays podem ir presos.

Muitos contrapõe à lúgubre figura de Stalin aquela mais romântica de Trotsky: afinal ele era um intelectual, idealista, amigo de artistas, simpático e bon vivant, e foi assassinado justamente a mando do então ditador soviético.

No entanto, será que Trotsky no poder teria sido muito diferente de seu rival? Durante a Revolução Russa, Trotsky mandou matar mais de 2 mil pessoas na revolta de Kronstadt; sua principal crítica a Stalin não é que houvesse matado pouca gente, mas que não houvesse matado mais; seu conceito de "revolução permanente" mais parece uma apologia do terrorismo moderno.

Hoje um filme norte-americano de quatro horas (!) idoliza a figura do Che Guevara, que fuzilou pessoalmente centenas e foi cúmplice na morte de milhares. E os terroristas palestinos que matam civis continuam como sempre amados pela mídia e por manifestantes esquerdistas, hoje transformados em idiotas úteis do Islã.

Por que tais ídolos continuam vivos para tantos, mesmo quando o seu legado revela-se o mais amargo dos fracassos? (E por legado entenda-se, não apenas os mortos, como toda a devastação social, econômica e arquitetônica que causou e ainda causa, como pode ver qualquer um que visite Cuba ou o Leste Europeu ou qualquer país muçulmano).

Por que tanto amor à violência por gente que se diz a favor do diálogo? Os progressistas não eram contra as armas?

Eu poderia engendrar várias explicações sociológicas, freudianas ou até lacanianas, mas para que complicar coisas que, no fundo, são bastante simples?

O progressista gosta de heróis destrutivos porque seu objetivo é a destruição.

Para criar o Mundo Novo, primeiro é preciso destruir o Velho.

Além disso, o militante esquerdista não mede as coisas pelos seus resultados, mas pela sua intenção. O comunismo matou cem milhões, mas sua intenção era boa, e portanto está perdoado. Che matou, mas matou em nome de uma utopia - então, tudo bem. Os palestinos querem matar os judeus e destruir Israel, mas é uma luta contra o "imperialismo" e o "colonialismo", então, vamos nessa.

Por baixo do suposto pacifismo e do utopismo esquerdista encontram-se, na verdade, a paranóia, a inveja, o ressentimento, a raiva, a violência e a sede ininterrupta de sangue. Vergonha!

Manifestante esquerdista.

38 comentários:

Cláudio disse...

Tenho uma teoria para responder essa pergunta que venho tendo preguiça de transportar para o "papel" ultimamente. Como tudo hoje em dia se tornou disputa política (até mesmo teorias científicas!) eles se aproveitam do angelismo dos nossos dias para fazer proselitismo. Todo mundo hoje é tolerante, é multicultural, é sofisticado. Só que há um pingo de hipocrisia aí (boa leitura é o livro "Do As I say"). É fácil defender o Hamas quando se está protegido pelo "imperialista" sistema americano, por exemplo. É lindo fazer elogios a Cuba e depois voltar para sua mansão multimilionária em Los Angeles. É comovente bradar contra a pobreza em Paris quando seu Maserati está bem protegido. Resumindo: para obter simpatia e serem vistos como pessoas elevadas, muitos apóiam atrocidades das quais sabem que dificilmente serão vítimas (e que se fossem reagiriam brutalmente). É o efeito "benefício concentrado, custos diluídos". Ou num linguajar mais chulo, "apostar o cu dos outros é mole".

Pax disse...

Confesso que de outro lado gostaria de entender mais as mentes direitopatas. Há alguns pontos que não são claros pra mim. O principal talvez seja o que as leva a usar argumentação lógica tão infantilizada. Equiparam-se aos seus opositores no proselitismo barato, como se essa fosse a forma de vencer as batalhas quixotescas encontradas. Parecem pastores de igrejas evangelizadoras extremadas, desses que chutam imagens santificadas em programas de televisão, prometendo expulsar demônios instaurados em corpos empobrecidos pela burrice desde que estes paguem pelos serviços com o que não tem para abastecer as mesas de suas famílias. Quando não prometem as expulsões, indicam a existência: “Olhem lá Lúcifer instalado naquele infiel!”.

Sinceramente, não estou brincando, tenho esperança que meus interlocutores mais freqüentes, o enorme e desengonçado Mr X de 2,12 m de altura e o velho e bom Chesterton, um dia acordem o olhem para seus espelhos apercebendo-se que se igualam aos seus opositores mais imbecilizados. Algumas comparações possíveis – há muitas – são:

Mr X parece um Fábio Passos. Muito mais culto, mas tão prolixo quanto. Chesterton parece um HRP, também muito mais culto, aliás, anos luz de distância nos dois casos, mas mais prolixo ainda.

No fundo chego à conclusão que esse é um processo de retroalimentação religiosa antagônica. Uns precisam dos outros. Os outros são suas razões existenciais e para que não acabem é preciso descer até onde for para que não se extinga o motor vital.

Confesso que canso. Procuro aqui e acolá interlocutores, acho inteligências que parecem interessantes, bagagem cultural que merece debates, mas acabo achando infantilidades tão absurdas que me causa desânimo com frequência.

Stefano disse...

Ah, sim, Mr.X: traduzindo-se o comentário acima, vê-se que os esquerdistas também têm a odiosa mania de tentar - sem sucesso, porém - igualar suas práticas medonhas com as dos "direitopatas". Falou, falou, e não disse absolutamente nada.

Pax disse...

Stefano, você é desonesto. Não conta. Próximo!

Anônimo disse...

O tal Pax procura interlocutores tão inteligentes quanto ele mas não encontra. Mas que sujeito solitário. Para compensar a solidão, e já que tem tempo de sobra, passa os dias a dizer que os outros estão errados, embora nunca diga o que é o certo.

Nei

Edson Junior disse...

Chutar imagens santificadas não coisa de esquerdas? Jurava que sim.

Embora a Direita e seus opositores caiam muitas vezes na vala comum do proselitismo (que não é argumento), a Esquerda não é (preciso dizer 'historicamente'?) um tanto mais nociva?

Pax disse...

Destruir a capacidade ofensiva do Hamas é correto. Pelas leis internacionais qualquer nação tem o direito de se defender ao ser atacada. Quando se trata de terror, de um grupo que mira alvos civis em suas ações, mais ainda.

Não permitir que jornalistas cubram o conflito in loco não me parece correto.

Trabalhar para a criação do Estado Palestino, assim como seu desenvolvimento econômico, como queriam Iitzhak Rabin e Shimon Perez me parece um caminho producente.

E você Nei? Quais são seus pontos de vista? Já que você tem tanto tempo quanto eu...

Stefano disse...

Falou, falou, e não disse absolutamente nada. Na impossibilidade de responder HONESTAMENTE aos argumentos do nosso blogueiro-anfitrião, o comentarista prefere bocejar seu enfado, seu cansaçozinho intelectual...é o velho coitadismo dos esquerdistas. E o desonesto sou eu...

walker disse...

Pax, eu concordo com o que voce escreveu aí.
"Subscrevo embaixo", como dizem alguns.
Só que, para seguir essa singela sugestão, me parece que antes o Hamas tem que ser destruído.
Se bem me lembro, essa era a agenda das negociações entre Israel e a AP.

Nei

Mr X disse...

A diferença é que ao contrário dos religiosos eu não tenho esperança de converter ninguém, nem cobro dízimo. Apenas registro...

No mais, nada contra o pessoal que defende, sei lá, a "social democracia nos moldes da Suécia", como nosso amigo Pax. Tem seus problemas e está tão em crise como tudo, mas, tudo bem - a princípio é um sistema que se mantém sobre a mesma base da sociedade capitalista tradicional etc e tal. Meu problema é com os revolucionários (ver artigos de Olavo sobre a "mentalidade revolucionária"), os utópicos, o pessoal que quer destruir o "sistema" e construir um novo no lugar à sua própria imagem e semelhança, o pessoal que defende terrorista em nome da "paz".

Atenção: nesse sentido, ser "revolucionário" não é apenas ser comunista, hoje há outras formas de tentativa de destruir a civilização tradicional ocidental, tem o islã, tem malucões neonazistas, tem ecologistas ultra-radicais que pregam a esterilização em massa, tem o movimento progressista internacional que quer aborto, eutanásia, casamento gay, imigração ilimitada, e uma série de objetivos que, no fundo, visam apenas a destruição do mundo tradicional "branco cristão" e o controle cada vez maior do Estado sobre as vidas individuais, ainda que talvez não sejam comunistas no sentido tradicional, isto é, controle dos meios de produção, ditadura do proletariado. Hoje a desculpa é outra, mas o objetivo é o mesmo: PODER ILIMITADO.

Ficou meio confuso o texto, né? Hum, depois explico melhor, tou com pressa. A culpa é sua, Pax.

Abs.

Mr X disse...

Ninguém vai comentar a mocinha da foto, tão bonitinha?

Anônimo disse...

Bonitinha é a do post anterior.

Nei

Mr X disse...

Hehe. :-)

O Claudio acima tem razão numa coisa, a maioria dos progressistas na verdade não são revolucionários de verdade, são "revolucionários de araque" que apoiam Hamas, Chavez, Fidel etc, mas vivem bem tranquilos no ocidente e jamais abandonarão sua casa confortável para ir viver em Cuba, Gaza ou Venezuela.

Chomsky não é louco de abandonar seu emprego no MIT por um na Universidade Islâmica do Cairo. Sean Penn não vai virar ator em telenovelas venezolanas.

O problema é o seguinte: um dia a casa cai. Eles vivem na suposição de que o Ocidente é indestrutível, mas na verdade é mais frágil do que pensam (aliás, graças a seus esforços). Quando os atentados terroristas começarem a acontecer no seu quintal, ou quando algum Chávez da vida desapropriar o seu Maserati, pode acreditar que eles vão mudar de opinião rapidinho. Mas será tarde.

Pax disse...

Stefano,

De uma vez por todas: Você pegou um texto meu, alterou e recolocou como se eu tivesse escrito para poder tecer sua crítica imbecil. Lembra?

Basta, não precisa mais que isso, quem é desonesto assim é desonesto de forma geral. Não há o que remediar. É uma questão atávica tua, ao que tudo indica. Uma pena.

Anônimo disse...

Não, não, não...

O apoio esquerdista aos muçulmanos não é igual o apoio esquerdista ao cadáver de Che Guevara.

Che é o messias deles (o Deus é Marx), e os muçulmanos não entram nesse quadro de devoção.

O que acontece é o tal do relativismo cultural. A grande maioria dos esquerdas que "entendem" de relativismo apóiam o Hamas e os muçulmanos radicais. Afinal, não devemos impor nossa cultura aos outros povos. Matar é errado aqui no ocidente, mas lá pode não ser. É relativo.

Ou seja, não adianta esfregar na cara da esquerda que o Hamas apedreja, amputa e mata. Eles já sabem disso, e concordam com isso.

Não sou cristão, então não defendo uma "cruzada" pra cima do Oriente Médio. Mas a cultura ocidental É mais evoluída e deveria SIM ser considerado o padrão da humanidade. E pra que isso aconteça nem é necessário o uso da força. É só aquela história que todo liberal já tá cansado de contar: leis mais severas e menos Estado na vida alheia.

Didi Iashin disse...

O Sean Penn não vai ser ator em novela venezuelana porque, pelo menos, aquelas tê seu bom humor, coisa que esse cara está longe de saber o que é.
Quanto aos outros ...
Comunismo no olho dos outros é paraíso socialista. Vide os "hidrófobos" chico buarque e l.f.veríssimo, com seus apartamentos em Paris. Por que não em Caracas, Havana (a parte do povão) ...
Esses caras me cansam.

Anônimo disse...

Anônimo acima,

Discordo um pouco, Lao Tse e Confúcio eram tão geniais quanto Sócrates e Platão.

Pax disse...

Ops, escorreguei, fui eu quem escreveu acima.

marcelo augusto disse...

A história política e econômica do século XX tem nos mostrado que aqueles que são considerados os capitalistas selvagens e gananciosos por dinheiro não passam de meros bêbes chorões se comparados às figuras que declaravam odiar o lucro e o capital, tais como os assassinos que são Stálin, Hitler e Lênin. Esses três, em menos de 30 anos, mataram, perseguiram, torturaram e expulsaram aproximadamente 100 milhões de pessoas, sem contar o incalculável sofrimento que causaram à boa parte da humanidade. E eles falavam em nome da liberdade, do povo, do proletariado, da revolução e afins.

Mr X disse...

O Pax me deu uma idéia, decidi virar uma religião mesmo. Agora os fiéis (leitores) podem colaborar com o dízimo. Não se preocupem, é para ajudar as criancinhas da África.

Ah, e como gostei das fotos de soldadas, virou também default do blog, em vez do velho banner.

E também dá pra assinar o blog. Essas as mudanças, por ora.

Pax disse...

Amém.

Prometo pecar abundantemente.

Mr X disse...

Cuidado Pax,
Os pecadores serão punidos severamente.

Pax disse...

Mas eu tenho dinheiro pra pagar minha absolvição.

Padre que é padre, é comprável.

Pax disse...

Pastor,

Em nome do messias, quanto tá saindo aquela coroinha do post abaixo? Pode mandar limpinha e de banho tomado em nome da fé do senhor?

Amém, rogai por nós.

Stefano disse...

Alterei o quê, sujeito? Você que estava suspirando pelos cantos seu enfado para com os mortais inguinorantes e seus argumentos cansativos...Larga do meu pé, chulé!

Chesterton disse...

Pax, você escolheu o lado errado, sabe disso, mas tem medo de admitir.

Chesterton disse...

Sua menina é linda, mas a minha (do post anterior) é mais bonita. E tem essa daqui que tb é uma "buniteza".

http://narizgelado.apostos.com/

Anônimo disse...

Esse Pax é uma mala. Ô mané chato, sô. E que textinho mocorongo...

marcelo augusto disse...

Excelentes mudanças! Sobretudo quanto ao banner de apoio a Israel. :)

marcelo augusto disse...

Leiam isto aqui.

Deveriam informar a eles sobre o que é a Realpolitik.

Chesterton disse...

Pelo menos esse pessoal não é hipócrita, quer a destruição de Israel e o diz. Tem que combinar com os generais israelenses, mas acho que não vai dar muito resultado.
Viva Israel.

Mr X disse...

Acho que o Barack Obama vai decepcionar todo esse pessoal delirante aí...

O cara pode ser tudo, mas não é doido, afinal agora é o seu que estará na reta.

Viva Israel.

Anônimo disse...

O Pax tem razão. É ruim ficar na base de argumentos infantilizados, priorizando o adjetivo em vez do substantivo.
Sei que vou levar pedrada. Fazer o quê?
Madeleine

Pax disse...

O que eu escrevi:

"O Reinaldo Azevedo, segundo minhas fontes, por exemplo, pode ser um direitopata histérico mas não é desonesto, até onde sei eu e sabem minhas fontes."

O que o desonesto canalha colocou:

"Quanto ao R.A. ser um "direitista histérico segundo algumas fontes", bem, a frase se auto explica."

Desista, você não é honesto, e nunca vai ser. Mude de nick, finja alhures. Ou assuma.

Tiros, flexas, e palavras, são perigosas, nunca voltam depois de desferidos.

chesterton disse...

Reinaldo Azevedo é APENAS o maior jornalista brasileiro. Desde o primeira Leitura, que comprei no baixo Leblon seu primeiro numero, o acompanho.

Mr X disse...

No blog do Reinaldo, comentários são moderados (o que é inevitável dada a popularidade do blog).

No blog do Idelber, comentários eram moderados (e ele jamais publica os meus comentários, grr), mas hoje optou por não colocar mais espaço para comentários.

Pessoalmente não gosto de blogs com comentários moderados pois tira a imediatez do diálogo. Se só vai aparecer horas depois, é um pouco inútil (no meu ponto de vista).

Aqui todo mundo tem o direito de discordar. Basta não ofender.

Daniel F. Silva disse...

Por que será que Idelber Avelar se recusa a abrir espaço para comentários nas mensagens sobre Israel-palestinos, hein? Não li uma única explicação dele sobre isso, ele vive se esquivando. Será medo de ser contestado?

Mr X disse...

Será medo de ser contestado?

Com certeza.