sábado, 17 de janeiro de 2009

Milagre, sorte, ou perícia do piloto?



Apos chocar-se com passaros, o aviao aterrisou no rio gelado, sem nenhuma vitima e nenhum ferido grave. Como foi possivel?
Milagre: prova da existencia de Deus
Sorte: tudo no mundo nao passa de caos
Pericia do piloto: treinamento e sangue-frio
Todas as alternativas
  
pollcode.com free polls

17 comentários:

Pax disse...

A pergunta tá mal formulada. Na minha opinião teve sorte e perícia. Mas é uma opinião. Sempre é bom esperar as investigações.

Mas, pra provocar, suponha que você aceite a mão de Deus. Então o que Ele fez nos outros casos? Procrastinou? Ou tinham comunistas radicais islâmicos dentro dos outros aviões que Ele pensou: "Ah, tudo bem que morram alguns cristãos neoliberais, mas pego aqueles safados nessa!"

Cada coisa que o desengonçado inventa.

Chesterton disse...

90% pericia, 10% sorte.

Chesterton disse...

Mr X, coloca um botão na pagina de comentarios para retornar ao corpo principal do blog

chesterton disse...

outros, enfim, não tem nada na cabeça

http://www.youtube.com/watch?v=pIPvs_sJMXM&feature=PlayList&p=E4FD61EAC0384208&index=78

Chesterton disse...

http://www.youtube.com/watch?v=RjTu0jhqqPE&feature=related

cool

Kct disse...

Marquei todas as opções! ;0)

Pax disse...

Chesterton, velho e bom Chesterton,

O primeiro vídeo, do Citation, o piloto ainda está lá dentro tentando levar o avião para a margem? Ou o cara esqueceu de apertar o botão OFF?

Pax disse...

Ow, o mestre Kct por aqui. Agora sim, começou a melhorar a coisa.

Stefano disse...

A propósito de milagres, sorte (e historinha pra boi dormir), o tal do Protógenes disse em seu, hm, blog, que sofreu um atentado: foi obrigado a fazer outro teste psicotécnico, coitado! Isso não se faz!

Pax disse...

Vamos lá, acabo de falar com meu amigo piloto pelo telefone.

Um avião desses pode decolar com uma só das turbinas se tiver passado da V1, velocidade em que levanta a biquilha. É o tal do ponto Go / No Go. A partir daí ele já tem força aerodinâmica pra subir mesmo que com um só dos motores, e o piloto compensa no leme a força de um lado só. Antes desse ponto é No Go, abortar mesmo. E esse ponto é variável, f (x,y,z) - x=temperatura, y= peso do avião e z=densidade do ar. O co-piloto é quem fica com essa missão, tem uma máquina de cálculo, ele pega os dados e fica monitoranto a V1. Quando chega nela avisa em voz alta: "V1". A partir daí o piloto tem mais é que sentar o pau, continuar com motor total. Em todas decolagens o motor é total. Recentemente houve uma publicação da FAA mostrando que 80 a 90% dos pilotos que tentaram abortar depois da V1 causaram sérios acidentes. Deveriam ter prosseguido e não o fizeram.

Nesse caso os dois motores pararam, segundo as informações. Mas o avião já estava a 3.000 pés, mais ou menos 1 km de altura. E esses jatos, ou qualquer avião, plana. Pode ter uma razão de planeio pequena, mas plana. O bom piloto tentou retornar, mas ao fazer a curva perdeu altura. Perde-se mais altura mesmo fazendo curva que planando reto. Aí o cara viu que não ia dar mesmo e escolheu o rio para pouso, acertadamente, senão seria um desastre de grandes proporções, também em terra.

Pousar na água não é simples de todo, nem um pouco. Pensei que fosse melhor colocar o rabo primeiro na água, mas não, pois o bico daria uma pandada forte na sequência. O melhor é equilibrar o avião e tentar que as duas turbinas encostem na água ao mesmo tempo. Naquele caso dos terroristas,se vocês se lembrarem, o piloto entrou com uma asa primeiro, o avião deu um cavalo de pau e quebrou todo, morreram muitos. Nesse agora o cara foi bem sucedido, conseguiu entrar certinho na água e o avião ficou inteiro.

Ainda estão investigando, claro, uma das turbinas se desprendeu da asa e foi ao fundo. Somente analisando as duas é que se poderá dizer se foi realmente uma revoada de pássaros que bateu nas duas turbinas.

Pax disse...

Chesterton, velho e bom Chesterton,

Mandei o video do Citation pra esse meu amigo. Ele me respondeu.

Aqui o resumo do acidente:

According to the Cessna 525A Landing Distance Chart, an airplane with a landing weight of 11,000 pounds required 2,930 feet of landing distance, in a no wind situation. With a 10 knot tailwind, which was the approx wind at the time of the accident, the airplane required 3,500 feet of landing distance. Runway 11 at Bader Field is a 2,948 foot-long, 100 foot-wide, asphalt runway. Bader Field is normally closed to jet traffic.

PROBABLE CAUSE: "The pilot's improper decision to plan a flight to a runway of insufficient length, his improper in-flight decision to land on that inadequate runway with a tailwind, and his failure to obtain the proper touchdown point. A factor in the accident was the tailwind condition."

Sources: NTSB
--------------------------------

Ou seja, o cara tentou pousar com vento de cauda numa pista curta.

E esqueceu de desligar as turbinas e a força elétrica geral.

Aqui o relatório oficial da NTSB

http://www.ntsb.gov/ntsb/brief2.asp?ev_id=20050526X00676&ntsbno=NYC05LA085&akey=1

chesterton disse...

hilário

Fabio Marton disse...

Foi o piloto. O capitão Chesley Sullenberger rondou a cabine duas vezes pra se certificar que não tinha sobrado ninguém dentro.

Chesterton disse...

http://www.youtube.com/watch?v=ZWC2XJYgcJU&feature=related

olhem este, acontecia muito no garimpo, o cara saia abarrotado de ouro e gente, gasolina, farinha, não tinha pista para rolagem e se estabacava no mato. O mais curioso é que tem que se jogar nas árvores altas , e não nos lugares desbastados, pois os tocos de árvores debaixo da relva agem como agulhas.

Chesterton disse...

http://www.youtube.com/watch?v=FEYGjlWTV-4&feature=related

esse aqui? Vá ter sorte assim na.....

Gerson B disse...

Sorte + habilidade.

Mr X disse...

Tem este aqui também, de 1996, avião que foi seqüestrado, tem imagem do avião caindo na água. Aqui a aterrisagem não foi tão perfeita:

http://www.youtube.com/watch?v=tZyDrpeWoBw&feature=related

E tem este outro caso de 1956 (aqui todos se salvaram também):

http://www.youtube.com/watch?v=fkR4F3_fEUQ