segunda-feira, 8 de dezembro de 2008

Vã filosofia

Parece que nosso amigo Bernardes escreveu um post comentando o último artigo deste blog. Pediria que algum leitor leia e resuma pra mim, pois é muito longo e chato pra caray. (Alguém deveria ensiná-lo a usar parágrafos.)

Comento só o final do texto, pois percebi ele tenta ridicularizar a minha dedução de que ele seria "estudante de Filosofia ou História" e não de Letras ou Biologia:
Ao final do seu comentário o rapaz ainda apela mais uma vez para a arma olaviana, sentencia que não sou estudante de Letras e de Biologia porque acentuei erradamente a palavra "pupila/púpila". (...) Constatação brilhante, a altura da interpretação que ele promove ao longo do texto. [Atenção Léo, à altura é com crase, mas não vou usar isso contra você].
Além de distorcer, o que ele não informa é que eu estava absolutamente correto na minha intuição Sherlock-Holmesiana. De acordo com seu próprio perfil no Blogger, o rapaz tem 27 anos e é formado em Filosofia pela Universidade Federal da Bahia... (Ah, e como suspeitei é fã do Nassif e do nosso já conhecido Idelber... Essas figurinhas são tão fáceis de catalogar...)

Ainda bem que não tive o azar de estudar Filosofia, ou jamais poderia afirmar uma conclusão dessas sem citar Lakatos e Wittgenstein pelo menos três vezes.

18 comentários:

Chesterton disse...

você pede demais, próximo assunto.

Pax disse...

O Idelber é muito bom. Vocês é que não chegaram lá ainda.

Mr X disse...

AH pelamordobomdeus Pax... Idelbleargh? :-/

marcelo augusto disse...

Qual o problema em ler um determinado autor?

Mr X disse...

Qual autor? O Lakatos ou o Idelber? :-/

Aliás, não tinha um iogurte que vinha com "Lakatos bacilos vivos"?

Nemerson Lavoura disse...

"O Idelber é muito bom"!? Hummm, já entendi...

Agora, a sério: eu já fiz uma faculdade de História (IFCS-UFRJ)- sim, ninguém é perfeito... - e sei reconhecer bem o fenômeno: o rapaz não tem nada na cabeça, mas já está treinando aquele discurso acadêmico-embromatório da área de humanas que, quando plenamente desenvolvido, é capaz de fazer os incautos acharem que por trás do palavrório sem sentido há alguma idéia inteligente escondida.

Continue treinando que você chega lá, Bernardes. Por enquanto ainda dá para perceber que tem cérebro de galinha, mas se você insistir no adestramento ainda chega a professor titular de fiofólosofia numa universidade qualquer.

Pax disse...

Ow, Nemerson Lavoura e tudo, tô ficando importante.

Tô aqui ouvindo o ídolo de vocês, o Olavão, dizendo que a eleição de Obama foi uma imposição ditatorial.

Fantástico. Vocês realmente têm uma capacidade enorme. Fico admirado.

Chesterton disse...

Quem disse foi o Xonski.

Olha aqui outro tipinho levando uma na testa:

A marcha dos boçais 3 – Co-seno ou cosseno?
Num daqueles posts sobre uma escola aí, tomada pelos petralhotóarios babões, manda ver o sujeitinho:

“CO-SENO? vai você para a escola titio rei!”
Publicar Recusar (Anônimo) 17:10

Sei lá o que alguns professores andam a fazer por aí. Nas páginas 852 e 853 do Dicionário Houaiss, está claro que “cosseno” é a forma não preferencial de “co-seno”. Logo, bestalhão, a preferencial é “co-seno”, como escrevi.

Sei, o dicionário é só um documento... O que importa é a vontade do povo...


Por Reinaldo Azevedo

Chesterton disse...

é o que eu digo sempre, a culpa é do subjetivismo epistemológico.

Chesterton disse...

Pax, como vocês sabem sou cirurgião. Então imagina que eu, dentro do corpo do sujeito, por barbeiragem (existem casos de cortar o nervo de propósito) corto um nervo e deixo o cara com um défict. Aí o cara me processa e eu chego ao juiz:
- Conta aí, açougueiro, como foi que aconteceu.
- bem, a realidade não existe, na verdade nós somos apenas fruto de uma construção epistemológica que determina pela palavra que eu deveria cortar o nervo neurolinguistico...

Você sabe, mas finge não saber, que eu seria internado na hora num hospício, certo?

Pax disse...

Báh Chesterton, um de cada vez por favor. Já tô cá ouvindo o Olavão e você me aparece com o Reinaldo?

Agora entendo melhor o problema de vocês. Tô pensando em alguma conduta psicanalítica pra cura, calma, dêem-me mais um tempo.

Quero evitar a desistência que seria enviar vocês pra Igreja Universal ou pros Alcoólicos Anônimos. Mas realmente o problema é maior que eu pensava. Esperança meninos, esperança. Vou ajuda-los sim.

Pax disse...

Não entendi nada da tua proposição acima. Explique melhor.

Mr X disse...

Chest,
Já que você é médico, me diz aí, no contexto abaixo é "constrição" ou "contração" da pupila?

três critérios fixavam os limites da vida, sendo, pois, referências irrefutáveis à verificação de condições de vida e morte. São eles os seguintes: 1. presença de pulsação arterial, atestando o funcionamento do coração 2. constrição da púpila 3. flexibilidade muscular, em contraposição a rigidez cadavérica.

Pelo que vi, "constrição" é diminuição do diâmetro, portanto não seria indicação de vida, mas talvez de morte. Embora pareça que ele está embaralhando as duas coisas. Enfim, vida, morte, pra esse pessoal aí é tudo a mesma coisa, só palavras. ;-)

Chesterton disse...

aqui ele acertou (deve ter copiado de algum lugar), pois o que se vê é o reflexo à luz. Toca luz no olho, ele fecha, isso é bom, pois o reflexo funciona.

Pax disse...

Xi, Mr X, agora você vai lá e pede desculpas pro cara. É o mínimo.

Quem manda escrever sobre o que não sabe.

"deve ter copiado de algum lugar"...

que feio né Chesterton?

:-)

Mr X disse...

Hahaha. :-)

Diogo disse...

Hum, que meiguice vocês todos.

Quando é a próxima reunião da Academia Brasileira de Blogs?

E Mr X, pare de caçar um Nassif para chamar de seu, é tudo que o retinto rapaz quer.

Siga a carreira solo, que esta mais divertida.

Chesterton disse...

Pax, aquele babaca erra, Mr X no máximo comete um equívoco.