quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

Superstições contemporâneas

O Olavo de Carvalho, filósofo tão vilipendiado ultimamente, até que escreve coisas interessantes de vez em quando, mesmo para os que não seguem sua ideologia política ou estão pouco interessados nas eleições americanas. Leiam por exemplo este parágrafo:
A partir do momento em que o universo cultural passou a girar em torno da tecnologia e das ciências naturais, com a exclusão concomitante de outras perspectivas possíveis, era inevitável que o imaginário das multidões fosse se limitando, cada vez mais, aos elementos que pudessem ser expressos em termos da ação tecnológica e dos conhecimentos científicos disponíveis. Gradativamente, tudo o que escape desses dois parâmetros vai perdendo força simbolizante e acaba sendo reduzido à condição de "produto cultural" ou "crença", sem mais nenhum poder de preensão sobre a realidade. O empobrecimento do imaginário é ainda agravado pela crescente devoção pública ao poder da ciência e da tecnologia, depositárias de todas as esperanças e detentoras, por isso mesmo, de toda autoridade. Isso não quer dizer que as dimensões supramateriais desapareçam de todo, mas elas só se tornam acessíveis ao imaginário popular quando traduzidas em termos de simbologia tecnológica e científica. Daí a moda da ficção científica, dos extraterrestres e dos deuses astronautas. Mas é claro que essa tradução não é uma verdadeira abertura para as dimensões espirituais, e sim apenas a sua redução caricatural à linguagem do imediato e do banal.

Antigamente, o populacho acreditava em bruxas, duendes, anjos e demônios, dilúvios universais. Hoje em dia, graças ao cientificismo de nossa época, as alucinações adquiriram um caráter supostamente mais "científico" - e portanto, para os padrões de nossa época, mais "realista". Assim em vez de bruxas temos seres paranormais em laboratórios secretos da CIA; em vez de duendes temos ETs; em vez de dilúvios mandados por deuses para punir a cobiça humana, temos um "aquecimento global" enviado pela própria Terra para punir a cobiça humana, etc... Por baixo do ligeiro verniz "científico", podemos reconhecer as mesmas fantasias e medos de sempre.

E chegamos então ao pânico com o "criacionismo" e seu possível ensino nas escolas, pânico que chegou até ao Brasil e está contaminando todos os ateus e agnósticos do Oiapoque ao Massachussets. Ora, mas qual o problema afinal?

Confesso que acho um pouco exagerada toda essa preocupação com o seu possível ensino. Como se o ensino de ciências nas escolas fosse grande coisa, como se a maior parte das pessoas soubesse tudo de ciência e o criacionismo estivesse por arruinar tudo e nos fazer voltar à Idade das Trevas...

Quantas pessoas entendem realmente a teoria da seleção natural e da evolução, em todos os seus detalhes? Nem eu posso dizer que seja uma delas. E a quem isso faz diferença na vida cotidiana, fora a quem vai fazer pesquisa na área biológica ou genética? E essas pessoas certamente não vão aprender "criacionismo" na faculdade de ciências.

Então, não vejo como um problema assim tão grave a perspectiva que o criacionismo possa ser ensinado nas escolas. Já há tanta besteira anti-científica sendo ensinada ou passada por outros meios, inclusive a televisão. De fato, mesmo não sendo este ensinado nas escolas, muitas pessoas acreditam no criacionismo, e sua vida não é melhor ou pior por causa disso. Não acredito que com o seu ensino escolar a proporção mudaria muito mais.

Além disso, o Gênesis é meu livro preferido da Bíblia. Vejam que bacana este começo:

1 No princípio criou Deus os céus e a terra.
2 E a terra era sem forma e vazia; e havia trevas sobre a face do abismo; e o Espírito de Deus se movia sobre a face das águas.
3 E disse Deus: Faça-se a luz; e fez-se a luz.

Não é preciso levar ao pé da letra, é claro. Ou mesmo acreditar. Não pretendo estimular o obscurantismo entre os meus poucos leitores. Mas certamente o criacionismo é mais fácil de entender do que a teoria de Darwin e seus seguidores, por mais correta que esta seja, e isso talvez explique sua permanência. Afinal, todos acreditamos em algo que não pode ser provado: até Dawkins acredita em deuses astronautas.

30 comentários:

Chesterton disse...

O Genesis é o Big-Bang.

Pax disse...

O Big Bang é o Big Bang.

Mr X disse...

E o Bang-Bang?

chesterton disse...

Pax, esse teu ateísmo militante parece islamismo.
E o relativo do irmão da Marina?

Fabio Marton disse...

Ensinar Adão e Eva em aula de história, literatura ou ensino religioso eu até defendo: bem acacianamente, é um mito-fundador da cultura ocidental.

Mas, em aula de ciências, fazer de conta há um mísero biólogo no mundo olhando pra uma lombriga e falando: "É tão complicada que... Aleluia!". Bem, ai num dá.

Fernando Richter disse...

Tirando Deus (Ops!), acho que o Genesis nos traz um retrato razoável sobre a formação do planeta. A terra era sem forma e vazia mesmo. O planeta não era uma bolinha achatada nos pólos. A água - como até hoje - ocupa a maior parte do planeta. Possui até algumas informações geológicas com alguma precisao. Vieram plantas, animais e, por fim, o homem. Não há nenhuma informação destrambelhada neste sentido. Ou há e eu não percebi? Não quero dizer com isso que se deva ensinar Criacionismo em Biologia. Mas se o redator do Genesis chutou isso tudo, foi bem chutado pra cacete...

chesterton disse...

Fabio Marton, você não conhece biólogos.

Pax disse...

Que relativismo do irmão da Marina é esse que você fala, velho e bom Chesterton?

As vezes parece que é um jogo de charadas.

Não sou proselitista com meu ateísmo não. Ele é meu e ninguém tasca. Não estou pedindo pra vocês serem ateus ou qualquer coisa.

Porém peço pra me deixarem comer minhas costelas assadas em paz sem pensar que estou fazendo qualquer antropofagia.

Pax disse...

Pra não deixar o Mr X sem resposta, tadinho, em tratamento a gente não pode descuidar... rejeição pode potencializar o problema.

Bang Bang você pergunta pros titios Bush e Rumsfeld. Mas, ó, viu, não fica conversando muito com eles não que são má companhia.

Fabio Marton disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Fabio Marton disse...

Tá certo, Chest, eu quis dizer "cientista pra valer". Que isso do baixo clero é como médico, acredita em iridologia, homeopatia, pajelança, medicina cubana.

E Pax, você é um bogus, stalker ou o irmão gêmeo bonzinho do Mirchis? Assim fico meio confuso.

Pax disse...

E o que é um bogus, um stalker ou um Mirchis? Se for joguinho de computador acho que você perguntou pro cara errado...

Mr X disse...

Nao tenho medo do criacionismo, mas nisto discordo ate' dos blogs direitistas por ai. O Nemerson acha que e' "macumba criacionista". Se bem que ate' o Papa aceitou Darwin, ate' o Bush aceitou a evolucao, nao leram uima das ultimas entrevistas dele? Depois coloco o link.

De qualquer modo acho divertido que nossa epoca tenha supersticoes de carater cientifico. Para o Dawkins, o Deus da Biblia e' uma alucinacao. Mas basta substituir Deus por um ET, dando um carater mais "cientifico" a coisa (e porque seria mais cientifico, se a existencia de ETs e' tao questionavel quanto a existencia de Deus?) e ele passa a achar possivel... E quem criou o ET Designer? Voltamos ao mesmo circulo vicioso...

Acho que certos misterios sao irrespondiveis mesmo. Ou talvez algum dia poderemos descobrir?

Quem somos? De onde viemos? Para onde vamos? E, principalmente, quem paga a passagem?

Pax disse...

Nem precisa muito esforço:

Quem somos? Homo Sapiens - nunca te contaram isso nãp?

De onde viemos? Das bactérias hipertérmicas. Acredite, teu bistataratetraheptahexanonavô era uma bactéria bonitinha e quentinha.

Pra onde vamos: bem, espero que dê tempo de achar um outro planeta agradável por aí. Mas vai demorar um pouco.

Quem paga a passagem? Cada um por si meu amigo. Se não tiver dinheiro é bom se acostumar a respirar CO2.

Próxima?

chesterton disse...

Porra, Pax, o Antonio Cicero é irmão da cantora Marina.

Chesterton disse...

Fabio, uma porrada de médicos e biólogos são crentes, católicos fervorosos. E em geral são os melhores. As religiões cristãs não são oposição a ciência. (quer dizer, tem umas protestantes que são, mas são exceções que confirmam a regra.

chesterton disse...

Aqui tem um furo, nunca ninguem me explicou nem nunca vi um organismo mutar para um ser superior. Por exemplo, bactérias sofrem mutações que modificam a resistência que a presentam a antibióticos, isto é visto, registrado, repetido, mas uma bactéria casar com a outyra e formar um ser diferente? NUNCA VI NEM RECEBI EXPLICAÇÂO.

chesterton disse...

http://www.intellectualconservative.com/article4387.html

Fabio Marton disse...

Chest, olhe para as algas e as esponjas: são meras colônias de microalgas e protozoários supercrescidas.

Nem a expansão do universo (vulgo Big Bang), nem a deriva dos continentes, nem a gravitação newtoniana ou, depois, a teoria da relatividade podem ser provadas ou desaprovadas com experiências.

O que não quer dizer que sejam meros artigos de fé arbitrária. Elas explicam fatos observados, exatamente como a evolução, e exatamente como a evolução poderiam ser descartadas mediante outras observações, ainda que não em laboratório. Assim como o éter interestrelar foi desaprovado muito antes de alguém ir ao espaço ver se ele estava lá.

Popper foi muito restritivo a esse respeito.

Pax disse...

E o que tem o Antonio Cicero? Relativo?

O cara é bem legal, conheço.

Chesterton disse...

Eisntein provou sua teoria da gravitação da luz ( ?) com testes qiue foram confirmados por outros.

Colonias são por definição um conjunto de indivíduos....tem uma colonia de fungos que está no subsolo de vários países da Europa, e o DNA deles é o mesmo quilometros, dezenas e centenas de quilometros de distancia. Não serve como evolução.

Pax, comentei o artigo dele e você não respondeu.

Mr X disse...

Bacana o artigo que o Chest indicou. Darwin estava errado?

Fabio Marton disse...

Alto lá, minha gente, olha a malícia.

Se eu entendo bem o propósito do artigo, vindo de onde vem, o que devemos fazer é rejeitar a teoria da evolução porque ela não se encaixa no critério popperiano de validação... E no lugar aceitar o design inteligente, já que esse sim é muito mais validável e provável/desaprovável por experiências...

Mr X disse...

Mas... Se Deus não existe, quem criou o mundo em sete dias? :-/

Mr X disse...

Ops, foram seis. No sétimo Ele descansou.

Pax disse...

Esse artigo que o Chesterton, velho e bom Chesterton, colocou é lixo.

Isso aqui é argumento?

"Darwinians can do no more than say that things might have occurred as they hypothesize. Evolution is a scientistic doctrine that must be accepted entirely on faith." ???

Ok, pro Olavo de Carvalho deve ser.

E aí o vocês vão atrás como boas ovelhas doutrinadas.

Aviso: Dr Bacamarte avisa que a Casa Verde está cheia!

Pax disse...

Ok, eu estava errado o tempo todo. Acabo de descobrir.

http://www.explosm.net/db/files/Comics/Matt/omnipotent-beings-correcting-their-mistakes.png

Pax disse...

E descobri mais ainda, os designios divinos é que comandam o nascimento das espécies.

Aqui temos a prova incontestável de como surgiram os javalis

http://i35.tinypic.com/2wcnuwp.jpg

Chesterton disse...

Na verdade o artigo não mostra que Darwin estava errado, mostra 2 coisas.
1. Darwin não estava fazendo ciência
2. Ciência não é a única maneira de se obter conhecimento.

Diogo disse...

Caro X.

Até entendi o ponto de vista do Olavo, continuo não gostando dele,sem nunca ter lido nada de sua obra.

Ele me parece, apenas, mais um "cuspidor de fogo" que foi descoberto pela sua platéia e não pode/quer mais desapontá-la.[ok, temos exemplos assim em todas matizes ideológicas].

Mas tudo bem, cada um ganha o pão como pode.

Voltando a hipótese do parágrafo, sugiro, URGENTEMENTE, que você presenteie o próprio com a coleção de DVDs do Harry Potter.