quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

Demofobia

Já falei da questão da educação sexual para crianças nas escolas, e de como a acho inútil e até contraproducente (dados indicam que só aumenta grzvidez adolescente e DSTs).

Mas o que achei mais interessante neste embate aqui do Reinaldo Azevedo com um funcionário petista foi o seguinte trecho:

Petista: Caso esses argumentos ainda não te tragam luz, vá pregar abstinência sexual para alunos de alguma escola pública do Capão Redondo, quem sabe você não nos surpreende!?

Reinaldo: De novo, a demofobia. Segundo entendo, a abstinência poderia ter alguma chance de sucesso em Higienópolis ou no Alto de Pinheiros (bairros ricos de São Paulo), mas não no pobre Capão Rendondo.... Huuummmm... Pobre é assim mesmo, né? Quando não tem o que fazer, ou canta rap ou fornica — no Nordeste, as rendeiras e as lavadeiras cantam músicas folclóricas... Olhem a gente horrível, equivocada, ignorante, que cuida da educação sexual das nossas crianças.

De fato, nota-se na esquerda muitas vezes uma coisa que a princípio pareceria ilógica, isto é, o absoluto desprezo dos líderes esquerdistas pelo povo e pelas classes populares.

Mas tal desprezo, na verdade, não deveria surpreender. O povo, para a esquerda, é apenas uma massa de manobra. Um grupo amorfo que precisa de uma elite esquerdista para conduzi-lo ao bom caminho. É um pessoal tão burro que não sabe nem sabe o que é melhor para si: tanto que precisa de um governo iluminado que o controle e que lhe explique até como transar.

E outra coisa: o povo em geral é mais conservador do que as elites. Desconfio que, ao contrário do que diz o funcionário petista, um programa que promovesse seriamente a abstinência teria mais sucesso em Capão Redondo do que nos Jardins.

12 comentários:

Pandora disse...

X,
Interessante ponto de vista.
Mas acho a abstinência difícil em qualquer meio...

De qualquer forma, ainda acho a educação sexual necessária, se adequada, informativa e livre de preconceitos ou tendências religiosas. Exagerei? Será que assim ela existe?

FM disse...

Isso de demofobia/demagogia é um assunto interessante.

Nos EUA, a esquerda é abertamente demófoba, highbrow, nortista - eles odeiam o John "Hillbilly" Doe médio, enquanto a direita diz encarnar exatamente os valores desse hipotético americano-mais-americano-que-você. Tanto a esquerda populista dos sindicatos quanto a direita elitista do libertarianismo são mais ou menos rechaçadas.

Aqui no Brasi, creio que a maior chave para entender essa mistura volátil de populismo nacionalista e esquerda marxista foi o momento em que Vargas e Prestes se reconciliaram, fundando uma esquerda que pode ser de ultra-direita, ou vice-versa.

Sendo assim, isso de "demofobia" eu vejo a coisa de outra forma: se você acredita no indivíduo como entidade autônoma, você vai imputar a esse indivíduo, seja pobre, azul ou cientologista, o potencial de decidir e também a responsabilidade por essas decisões.

Se você encara o mundo por uma ótica de grupos, coletivista, essa massa desengonçada que é o povo tem em conjunto um interesse monolítico, que você sabe qual é e precisa, assim, ser "esclarecida", "desmanipulada" das idéias contrárias a seus próprios interesses que "azelite" lhes inculcaram.

Mr X disse...

Quem é que mantém a abstinência hoje no Brasil, quem são os únicos (únicas... Não acho que seja o caso dos homens) que ainda casam virgens? As evangélicas de classe baixa e média-baixa.

O único modo de controlar o sexo é através da religião, será que não?

Mas, mais do que tendências religiosas, acho preocupante a politização da educação sexual. Isto é, o que se ensina mesmo é o ponto de vista da esquerda sobre homossexualismo, aborto, promiscuidade, sexo adolescente etc. É aula de doutrinação social, não de biologia.

E não sou moralista não, mas acho uma coisa meio patética isso de garotas de doze anos "aprenderem a colocar camisinha" em um pênis de borracha. Mais difícil é explicar outras coisas, mas isso não é a escola, mas sim provavelmente a família que deveria ensinar... Enfim. Apenas propondo uma discussão.

Mr X disse...

FM,

Mas o raciocínio da esquerda é sempre por grupos, não por indivíduos. "Os negros", "os índios", "os latinos", etc. Não um indivíduo com suas características próprias independente da cor da pele ou origem ou formação. E isso explica porque os negros republicanos não são considerados negros de verdade.

É o pensamento coletivista...

FM disse...

Yup, mais uma vez estamos concordando achando que estamos discordando. Vi mais dos seus textos sobre o Islã, se tiver a curiosidade, veja os meus qualquer hora: é por aí mesmo. Eu, que estou bem mais para Ayn Rand que Ann Coulter, não me entendo muito com os demais "libertários" nesse ponto.

Chesterton disse...

Os líderes de esquerda tremem de medo que seus eleitores se emancipem. Eles sabem que o esquerdismo é problema de adolescente e que cura assim que o sujeito deixa a adolescência. Por isso pretende manter o povo pobre desprovido de esclarecimentos. Não acho que eles sejam subestimados, mas sim mantidos neste estado de exasperação por essas campanhas estatais.

marcelo augusto disse...

"Quem é que mantém a abstinência hoje no Brasil, quem são os únicos (únicas... Não acho que seja o caso dos homens) que ainda casam virgens? As evangélicas de classe baixa e média-baixa."

Será que alguma delas é ninfomaníaca?

Nham, nham, nham... :)

Pax disse...

Errado,

As evangélicas casam grávidas. Todas que conheço de uma comunidade classe baixa. TODAS.

Diz-se por lá: é crente mas é quente.

Vá estudar Mr X. Vá viver um pouco e deixe de acreditar em tudo que escrevem por aí. Essa é uma bola fora total.

gunter jr disse...

O povo, para a esquerda, é apenas uma massa de manobra.

so rindo.

como disse FHC , por aqui nao existe ideologia o que existe mesmo e briga de poder, seja direita esquerda de cima ou de baixo o negocio e o mesmo e o povo tem sempre o mesmo lugar: sempre massa de manobra.

Mr X disse...

Po Pax, assim vc acaba com todas as minhas ilusões.. :-((( Eu sonhava em casar com uma virgem.... :-((((

;-)

Chesterton disse...

Ele mesmo, Reinaldo, salienta que a sexualidade envolve a maior escolha moral do ser humano. Quando eu era pobre, dizia:-sou pobre mas sou limpinho.

Diogo disse...

Reinaldo? Por favor, não estrague seu blog.

No mais, interessante o ponto de vista no último parágrafo, sobre o conservadorismo da periferia.

No resto, apenas troque esquerdista por direitista, e verá que tudo poder-se-ia encaixar perfeitamente.

Acho até que esse discurso já foi usado por algum chegueravista.