domingo, 21 de dezembro de 2008

A guerra contra o Natal

Vejo que temos um número respeitável de ateus que lêem o blog (ver pesquisa abaixo). Espero que não se ofendam se eu desejar a todos um Feliz Natal.

Aqui nos EUA está acontecendo uma coisa engraçada. Vários ateus militantes e a brigada do Politicamente Correto fazem pressão para acabar com qualquer tipo de celebração natalina. Mensagens de "Feliz Natal" são substituídas pelo neutro e sem graça "Happy Holidays". Presépios e até árvores de Natal em lugares públicos são retirados pelas autoridades a mando de ONGs, sob a desculpa de "não misturar Estado e Igreja". Em alguns casos, os ateus exigem o direito de colocar em público sua "mensagem de Natal alternativa", afirmando que não existem deuses e, pasmem, nem mesmo Papai Noel. Recomendam que se celebre o solstício de inverno...

O que me parece tudo isso? Francamente, a boa e velha inveja. Não podendo celebrar o Natal, e não tendo sido convidados para nenhuma festa por serem tão chatos, querem acabar com a alegria dos outros.

O que pode haver de "ofensivo" em deixar que os outros celebrem publicamente aquilo que gostam? Ninguém é obrigado a participar ou mesmo a olhar. Se eu passo por uma loja ou restaurante judeu decorado com motivos do Hannukká, por acaso deveria me ofender? Deveria eu pedir que eles coloquem também uma árvore de Natal ou quem sabe um despacho de macumba ao lado da menorá? E os muçulmanos que comemoram o Ramadã, deveria eu sentir-me ofendido pelo seu jejum e obrigá-los a comer ao menos um pão com manteiga?

Os velhos comunistas, acreditando que a "religião é o ópio do povo" (o que transformaria o pensamento comunista no LSD ou na heroína injetável do povo), também quiseram acabar com os símbolos religiosos; curiosamente, os substituíam por estátuas de Marx, Lenin e Stalin feitos à imagem dos velhos ícones religiosos, ainda que muito mais feios.

Mais do que nada, isso mostra a vocação destrutiva de todos esses "militantes progressistas" que supostamente querem o nosso bem. Não é que queiram dar aos gay o direito de casar, querem é acabar com a alegria dos que ainda acreditam no casamento tradicional. Não é que queiram dar "direitos iguais" a negros, latinos, índios e mamelucos: querem mesmo é discriminar brancos e cristãos. Não querem "não ofender ninguém"; ao contrário, a idéia é justamente ofender todos aqueles que ainda acreditam no Natal ou na religião tradicional.

(Aliás, estou aguardando ansioso o post do Idelber explicando freudianamente esta data que "comemora a exploração capitalista de pobres elfos no Pólo Norte".)

Feliz Natal a todos. E Feliz Hannuká aos leitores judeus. E - tá bom! - Feliz Solstício aos ateus.

A visão que os progressistas têm do Natal...


Atualização: Proponho um concurso: quem consegue achar o texto anti-natalino mais patético? Achei um bacana aqui:
De todos los espíritus, el navideño es el más cruel, el menos tolerable: un espíritu burlón, hastiado de la vida, como un enano borracho que sólo puede expresar la maldad constitutiva del Occidente cristiano. La Navidad es el trance más extraño, sobre todo porque funciona al amparo de la melodía hipócrita Noche de paz, noche de amor. A partir del 8 de diciembre, cuando las costumbres dicen que hay que armar el arbolito navideño, el espíritu terrorista de la celebración obligatoria domina nuestras conciencias.

* * *
Outra opção para os ateus: Festivus.

37 comentários:

Chesterton disse...

ateismo militante é religião.

Nemerson Lavoura disse...

Pois este ateu aqui deseja um Bom Natal para todos vocês.

Walker disse...

Caro Mr. X, sou de direita e ateu, mas deploro a militância anti-religiosa.

Trato meu ateísmo como uma questão meramente pessoal, que não diz respeito a mais ninguém.

Apesar de ateu, sou defensor ferrenho dos valores da civilização judaico-cristã, a qual nos legou um mundo feito de tolerância, progresso e liberdade.

Parabéns pelo seu trabalho neste blog, continue firme nesta luta.

Felipe disse...

Eu também sou ateu e me sinto indiferente quanto ao Natal. Recebo presente, dou presente e até como na ceia. Não me importo. Até casaria, com Igreja e tudo, se fosse tão apaixonado assim pela noiva. Não é como se eu fosse me queimar com a água benta - é apenas água, ora.

São práticas tão pacíficas que nem faz sentido ser contra.

Anônimo disse...

Eu também lhe desejo um feliz Natal em homenagem ao Filho do Deus de Abraão de Isaque e de Jacó.

Didi Iashin disse...

Mr. X, você pegou tudo: é pura inveja.
São esses caras que fazem quiche de chuchu com tofu, café de cevada e adoram ver filmes ucranianos os que querem acabar com a festa do Santa Claus, do peru, deCristo (CLARO!) e do bom e velho Merry Christmas. Season's Greetings me dá urticária!
Argh!!

Mr X disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Pax disse...

Achei um canalha, ateu, comunista, contra o Natal.

Melhor mandarmos a BlackWater pra lá imediatamente.

http://www.youtube.com/watch?v=WcJh7itUrzM&NR=1

Mr X disse...

:-)

Mr X disse...

Nada contra os ateus, hein? Só contra os chatos que incomodam quem quer celebrar o Natal.

marcelo augusto disse...

Porra! Natal é muito bacana!! Sobretudo a parte da comida, logicamente! Neste caso, vale à pena retornar à fase oral. :)

Que idiotice isso aqui:

Mas é visível a melancolia mal mascarada que cerca a data. Há uma regressão à fase oral que fica ali, tão claramente pedindo uma leitura freudiana que você tende a rechaçá-la, por óbvia demais: o excesso de comida como denegação e sublimação de uma sociedade fundada no genocídio e na escravidão.[..]

What the fuck, man??!?!?

Mas que porra! Será que não podemos matar uns perus e prepará-los para serem devorados em família?

Melancolia mascarada? Regressão à fase oral? Leitura freudiana???

PUTZ!! Leitura freudiana!!!!! Vão dizer o quê? Que o peru é o super-ego masculino de uma fantasia sexual inconsciente nascida da insegurança gerada pela fase oral????

Nos ideais de liberdade, autonomia, livre mercado e democracia também, é evidente. Mas esses ideais só surgem no terreno material já arado pelo genocídio e pela escravidão.

Parece algo saído do Manual do Guerrilheiro de DCE.

Feliz Natal é o que este mero animal efêmero deseja a todos os colegas de blog! :)

HO HO HO!!!!!

P.S: Celebrar o Solstício de Inverno é atitude pagã! :)

Algo vergonhoso para um ateu.

Colafina disse...

O Natal é uma época depressiva para mim. Se pudesse, desapareceria por uns dias, escondido em algum lugar de difícil acesso e perto de muita natureza! Como o Felipe no comentário ali em cima, sou indiferente a ritos religiosos. Apesar de não ver o menor sentido no ritual do batismo, e não ser católico, meus três filhos foram batizados na Igreja Católica. É apenas um ritual, e desde que não causem ou incitem o mal e a discórdia entre as pessoas, não vale a pena se indispor com a família. Respeitando-se mutuamente, que todos manifestem suas crenças da forma que achar mais conveniente!

Kct disse...

hahahaha Ótimo texto Mr X! Concordo com o Chesterton. Esses caras têm religião e não sabem.
Mas gostei do 'Feliz Solstício'!!!
Então, Feliz Solstício de Inverno para todos do hemisfério norte e de verão para todos nós aqui de baixo!

Fabio Marton disse...

Bem, se você quer abordar a rica, exótica e ancestral tradição de nós ateus, apenas diga: Feliz Ano Novo.

Nos Estados Unidos, parece que você é tão pária por ser ateu e não ser um democrata afetado quanto por ser negro e não ser democrata afetado, "contra tudo que está aí".

Puta merda, celebrar solstício é coisa de ateu desde quando? É tão ridículo quando ser vegetariano e ficar comendo "carne de soja". Ser ateu deveria ser justamente a viril atitude de recusar qualquer tipo de mistificação imaginária da natureza, da vida e da morte. Os ateus americanos são tão flosô que querem se sentir vítimas e imitar os gays e ganhar um nome simpático, "bright". Nahhh...

Mr X disse...

Mas o Ano Novo também é uma convenção, baseada em um calendário que se conta a partir do nascimento de Jesus... Portanto...

Quanto aos "brights", acho que isso foi invenção do Dawkins, que é britânico. Igual, acho que não pegou... Esse negócio de "brights" é meio "gay" mesmo.

Chesterton disse...

Sou capaz de apostar uma grana que esses ateus daqui vão acabar se convertendo mais dia menos dia. Na verdade, a dúvida sobre a existência do criador não torna ninguém ateu, é normal, comum.
Leiam sempre Chesterton para ter uma idéia clara de como seria o mundo sem cristianismo e então decidam-se com serenidade.
Há um criador ou somos apenas fruto de coincidências cósmicas? Há um fim ou navegamos por aí sem rumo?
Feliz Natal a todos. Aos que crêem, e sabidamente são mais felizes, aos que têm dúvidas como eu e aos tristes ateus.

Nemerson Lavoura disse...

Hummm, essa esperança na "conversão dos ateus" é que é meio chata... Não podemos ficar cada um na sua?
No mais, assino embaixo do que escreveu o Fabio.

Gerson B disse...

Meus feriados religiosos são os que a natureza manda. Um belo por-do-sol, uma linda Lua Cheia, um arco-iris deslumbrante, ou uma paisagem. Coisas assim fazem um dia especial.

Este pagão aqui deseja a todos um Feliz 25 de dezembro. Escolham o que ele representa.

Felipe disse...

"Aos que crêem, e sabidamente são mais felizes, aos que têm dúvidas como eu e aos tristes ateus."

Se esse "feliz" e "triste" foi no sentido que eu entendi, sinto te decepcionar. Um católico se vê feliz e acha o ateu é triste. O ateu se vê feliz e acha o católico triste.

Se Cristo é a bondade máxima, e só alcançamos a felicidade quando nos entregamos à Ele, não faz sentido "aquele renegado" ser feliz. Ele só pode ser triste.

Se Cristo é uma ilusão, "aquele iludido" está desperdiçando o bom da vida e perdendo tempo em rituais inúteis. Um iludido se acha feliz, mas não é.

Fabio Marton disse...

Bem, Feliz Natal, então. Esses caras não tiveram infância.

Do calendário, ele já tinha uma forma bem parecida desde Júlio César, mas por que cargas d'água convenções pagãs seriam mais adequadas a um ateu que as cristãs? Não seria por acaso mais próximo do ateísmo, isto é, zero deus, uma religião com um deus só do que outra com doze (ou mais)?

Quanto a Dawkins, é um paspalho que não puxa só a "causa" atéia para o lado da patologia polticiamente correta, como também é um militante vegan que considera a vaca como sua irmã, sem explicar por que a batata não seria. Enfim, alguém em busca de uma religião leiga, o pior tipo de ateu que existe e que sabemos muito bem o mal que fez no século 20.

No dia em que ficar claro que ateu é vítima e merece eufemismo, eu me converto.

Fabio Marton disse...

Aliás, veja o tanto de espantalhos politicamente corretos nessa imagem e note que a questão nem é ser ateu, mas um moonbat esquerdista - não há nela um símbolo cristão, presépio, cruz, nada. É um troço bem puritano até - o que diabos tem cigarro a ver com o Natal, mesmo Natal pervertido? Está lá apenas por ser um pecado a mais, um "pecado capitalista" (hahaha).

Enfim, poderia perfeitamente ser obra de um cristão de esquerda reclamando natal ter perdido o sentido religioso ter se contaminado com o pecado capitalista. Como o Papa...

Chesterton disse...

Não é esperança, é quase uma certeza, assim como os rios vão para o mar. Para convencer ateus aqui um link que vai abalar

http://www.youtube.com/watch?v=iPeVIuRjUi4

Chesterton disse...

As vezes me acho cristão pela companhia...onde mais se fez isso?

http://www.youtube.com/watch?v=SsTJU27a1uc&feature=related

Chesterton disse...

Algumas vezes nos sentimos tentados a negar tudo que recebemos de nossos antepassados, que nossos pais são caretas, nossos avós demodês, etc. Mas que herança! Para destruir é necessário que algo exista para ser destruído. Sim, o que um jovem rebelde muçulmano pode destruir? Que exemplo de cultura superior pode destruir para fazer sua cultura udigudi - e dela retomar a essência? Já pensaram que o modo que agimos está ligado a essa herança intelectual (filosofia, religião, artes) de 2.500 anos, e que a cada tentativa de destruí-la, ela se mostra mais necessária?

Fabio Marton disse...

Ah, Chest, esse Bach era um tremendo de um ateu no armário. Só isso explica que o safado continuasse sendo tão bom quanto quando não pensava em Jesus:
http://www.youtube.com/watch?v=xVxwuirUX-M&feature=related
Heresia!

Ou... Bach é a prova da infinita misericórida de Deus - ou que Ele não exista. Só assim pra entender como, depois de Bach, as carpideiras de Aparecida ou a Bispa Sônia não caiam para trás comidas pelos vermes.

Ou... Bach é a forma que Ele inventou de compensar o protestantismo, adiantado, pela ausência de catedrais renascentistas, pelas igrejas de lona e pelos pastores televisivos.

Fabio Marton disse...

Até o fundamento do Islã, toda a história do atual mundo islâmico estava lá, grudadinha com a história da Europa - basta pensar no Egito. Não fosse o Islã, egípcios, árabes, turcos e persas seriam membros do mundo ocidental - ou, por conta do cisma ortodoxo, seriam no mínimo parentes próximos, como os gregos, sérvios e russos.

Talvez a saída seja mostrar isso a eles.

Chesterton disse...

Bom, você está reticente, então vou chamar a cavalaria.
rs

http://www.youtube.com/watch?v=YFlH9nPn6Wo&feature=PlayList&p=83574E41D0FD541E&index=10

Chesterton disse...

vai de um jeito ou de outro

http://www.youtube.com/watch?v=SvlLlljgAmM

Chesterton disse...

e depois da missa tem baile

http://www.youtube.com/watch?v=q4jCsq2aFe0&feature=related

|3run0 disse...

Bom, o Natal está sendo comemorado publicamente em Bagdá pela primeira vez desde 2003. O que provavelmente via deixar todas as pessoas certas irritadas...

Stefano disse...

Excelente post. Ateu militante - e "ativista" - é o pior tipo de fanático religioso.
Feliz Natal!

Mr X disse...

Bom Festivus a todos!

:-))))

Gunnar disse...

Vale lembrar que é a época de ano com maior índice de suicídios.

Fora isso, como bom ateu, não participo de nenhuma igreja ateísta e não vejo muito sentido nessa militância anti-natalina.

Assim como não vejo sentido no Natal.

Apesar disso, meu sentimento em relação é um tipo de indiferença, que apenas tende para uma aversão amarga na medida em que ele invade meu dia-a-dia.

Acho um porre as festas de família forçadas, acho um porre a corrida por presentes (eu não compro nem a pau), a hipocrisia dessa coisa toda de paz e amor (por que não ter paz e amor no resto do ano?), acho um porre a decoração verde e vermelha, acho um porre o Papai Noel (peça de marketing da Coca-Cola), e todo o resto.

Mas quem gosta, que se lambuze.

Chesterton disse...

é, o vermelho e branco poderia ser substituido por azul-preto e branco, tem razão.

Mr X disse...

Dá-lhe Inteeeer!!!!!

Admita disse...

Tristes palavras preconceituosas sobre a politica laica.

Mr X disse...

Nao é "politica laica", marxismo è religiao, ateismo militante tambem. Sao os novos deuses...

Abs!