sábado, 20 de dezembro de 2008

O futuro do socialismo

Agradeço aos que participaram da nossa pesquisa exclusiva (ver post abaixo). Fiquei aliviado em saber que a maioria é de "direita normal" e "direita tacanha", com alguns poucos de "esquerda" e "centro". É que visitando novamente o blog do Pedro Dória, descobri que há uma pá de gente que ainda acredita no Comunismo. Com comentários do tipo:
Eu não só acredito, como vejo o socialismo avançando lento mas inexoravelmente no mundo todo.

O futuro realmente será socialista.

Mas não acredito na eliminação do Estado, talvez num futuro distante, um Estado universal e a supressão dos países, como já está acontecendo na Europa.

De fato, o socialismo - entendido como um Estado cada vez maior e mais presente na vida do indivíduo - de certa forma está avançando no mundo todo, e está aí o Obama que não me deixa mentir. Mas isso não é nada bom, ao contrário do que pensa nosso infeliz amigo, que conflui socialismo com a "eliminação do Estado", talvez ainda acreditando na velha teoria comunista de que, quando finalmente se chegar a último estágio da "evolução social", o Estado poderá ser abolido, pois todos viveriam felizes e em harmonia e este não seria mais necessário... (Esta parte da promessa socialista sempre me lembra esses emails nigerianos de alguém que promete depositar alguns milhões na sua conta. Socialismo é 171.)

Enfim, confesso que às vezes me preocupo. Não obstante o total fracasso da experiência socialista - cem milhões de mortos! - ainda há quem queira repetir. Acho que o Olavo de Carvalho tem razão: a mentalidade revolucionária é uma forma de incapacidade intelectual, um retardamento mental auto-imposto. Não é que quem acredite no "socialismo" apenas tenha uma idéia política diferente da minha ou da sua; não - é realmente um celerado, uma pessoa que tem a mente torta e não consegue compreender nem os fatos básicos da vida:
A mentalidade revolucionária é uma incapacidade adquirida, é uma privação de autoconsciência e de percepção. Por isso mesmo, é inútil discutir o "conteúdo" das idéias revolucionárias. Elas estão erradas na própria base perceptiva que as origina. Discutir com esse tipo de doente é reforçar a ilusão psicótica de que ele é normal.
É por isso que eu não discuto mais com os "socialistas"do blog do Pedro Doria, pois descobri que seria como tentar dialogar com insanos em um asilo que acreditam ser Napoleão.

Se alguém aqui nos seus áureos tempos de estudante já viveu compartindo uma casa com outras pessoas, sabe o complicado que é: sempre tem alguém não vai pagar a sua parte da conta da luz ou aluguel; alguém que vai brigar com outro alguém; alguém vai roubar a comida de outro alguém; alguém que vai chegar bêbado e fazer barulho todas as noites, etc. Pois bem, nossos amigos socialistas, que mal conseguiriam gerir uma pensão estudantil, acreditam que poderiam coordenar uma sociedade de milhões de pessoas com grande eficiência, com todos vivendo em igualdade e harmonia e paz, tudo graças a um "novo sistema mais justo".

A crise dos subprimes americana que os socialistas de plantão estão chamando agora de "crise do capitalismo", na verdade é uma crise causada justamente pelo inchaço do Estado, que se meteu onde não devia, obrigando os bancos por demagogia a emprestar dinheiro a membros de "minorias", que naturalmente não podiam pagar.

O estudo ainda aponta que o crescente welfare-state poderia ser também em parte responsável pela cada vez mais baixa taxa de natalidade nos países ocidentais:
In the old days, it was understood clearly what manhood was: start a family, provide for it, defend it if necessary, yourself. With all of those things now outsourced to the state, what is the point of life? Does this not lead to a certain kind of slow creeping nihilism? And if there’s no point, why make a large family? This is the ultimate legacy of the baby boomers in Europe and to a lesser extent in the US. They overturned all known traditions in the 1960s, then started the accelerated the central power of the state in the decades since. And now we see the results.
O grande problema é que, quanto mais o Estado causa problemas, mais as pessoas - agora transformadas em viciadas - querem que o Estado as ajude. O Estado, não: as pessoas que trabalham e pagam via imposto os auxílios e a casa própria dos que não trabalham. Até que um dia o dinheiro ou a paciência dos que pagam a farra acaba.

7 comentários:

Chesterton disse...

O bom é que a realidade dos fatos sempre chega, i.e., a grana acaba. Os sindocalistas de Detroit que tem montes de regalias que custam 2 mil dolares por veiculo fabricado vão cair na real com a quebradeira das empresas. se forem salvas, a ilusão dura mais um pouco. Mas pouco.
Reinaldão cita Chesterton em seu texto na Veja dessa semana, o Pompe na última página fala do valor zero das palavras do Lula. Enfim, é só sentar e rir do ridículo dessa gente.

Mr X disse...

Money, money, money... O Obama tá prometendo um pacotão de "estímulo". Com que grana? Não sei.

Gunnar disse...

Se esquerdismo é socialismo, e socialismo é aumento da máquina estatal, como pode, então, o anarquismo ser considerado de esquerda?

Boechat disse...

Perdoe-me pela franqueza, mas esta é a primeira postagem que realmente não gostei. Senti a superficialidade típica daqueles que estão "por cima", que olham sempre do topo, e caem invariavelmente na generalização. Bom, talvez seja a juventude que me cegue, porque não consigo acreditar que as tais idéias revolucionárias venham de "mongolóides". Não sou socialista justamente porque não concordo com alguns dos seus pilares, mas não posso deixar de dar crédito àquelas pessoas que realmente fazem algo almejando o bem de todos, por mais utópicas que as idéias possam parecer. E até onde sei, foram os estudantes socialistas que promoveram as principais mudanças na história recente deste país.

Sinceramente, não acredito e nem quero acreditar que você seja um dos expectadores, pois é isso que eu acho que eles são, apenas expectadores que só agem quando algo os afeta diretamente.

Marton disse...

Se o mundo não adquirir um sentimento ao menos social democrata para as futuras gerações, certamente não haverá mundo.A mentalidade baseada nas concepções socialistas deste a sua evolução em relação ao comunismo, irá se aprimorar para uma concepção mais evoluída. O estado não precisa ser eliminado, mas sim, cumprir com sua função de estado. O estado não precisa estar inchado para sua função socialista. Países sociais democratas são o grande exemplo da evolução necessária para sua implantação a nível mundial. O mundo será provavelmente nos próximos 100 ou 200 anos uma grande maquina social democrata,pois como dito, o planeta não irá suportar o modelo atualmente em uso, pois não terá reservas suficientes para tal demanda.

Marton disse...

Se o mundo não adquirir um sentimento ao menos social democrata para as futuras gerações, certamente não haverá mundo.A mentalidade baseada nas concepções socialistas deste a sua evolução em relação ao comunismo, irá se aprimorar para uma concepção mais evoluída. O estado não precisa ser eliminado, mas sim, cumprir com sua função de estado. O estado não precisa estar inchado para sua função socialista. Países sociais democratas são o grande exemplo da evolução necessária para sua implantação a nível mundial. O mundo será provavelmente nos próximos 100 ou 200 anos uma grande maquina social democrata,pois como dito, o planeta não irá suportar o modelo atualmente em uso, pois não terá reservas suficientes para tal demanda.

Marton disse...

Se o mundo não adquirir um sentimento ao menos social democrata para as futuras gerações, certamente não haverá mundo.A mentalidade baseada nas concepções socialistas deste a sua evolução em relação ao comunismo, irá se aprimorar para uma concepção mais evoluída. O estado não precisa ser eliminado, mas sim, cumprir com sua função de estado. O estado não precisa estar inchado para sua função socialista. Países sociais democratas são o grande exemplo da evolução necessária para sua implantação a nível mundial. O mundo será provavelmente nos próximos 100 ou 200 anos uma grande maquina social democrata,pois como dito, o planeta não irá suportar o modelo atualmente em uso, pois não terá reservas suficientes para tal demanda.