segunda-feira, 22 de dezembro de 2008

De boas intenções a África está cheia

O Zimbábue talvez seja o país mais fodido da face da Terra. Como se não bastasse a inflação que faz o governo imprimir notas de 500.000.000 de dólares zimbabuanos que não compram nem um pão (até porque não tem pão), agora milhares de pessoas estão morrendo de cólera sem que ninguém faça nada.

Enquanto isso o ditador Mugabe bebe champanhe, tortura opositores e diz que não sai do poder nem a pau. Do ótimo blog do Guterman (que, eu não sabia, parece ter voltado à ativa):

O presidente do Zimbábue, Robert Mugabe – aquele que Chávez chamou de “guerreiro da liberdade”, presenteando-o em 2004 com uma réplica da espada de Bolívar –, resumiu nesta sexta-feira o que o país significa para ele: “O Zimbábue é meu”.

Em meio a uma violenta epidemia de cólera e a uma forte pressão internacional para deixar o poder, Mugabe disse a correligionários que não será intimidado. “Eu nunca, nunca, nunca me renderei”, discursou.

Para Mugabe, o número de mortos pela cólera – mais de mil, segundo a ONU – é “um monte de mentiras”, uma invenção do Ocidente para recolonizar o Zimbábue. “O Zimbábue pertence a nós, e não aos britânicos.”

A epidemia de cólera é apenas a última das más notícias para o Zimbábue, país que atravessa uma catástrofe econômica sem precedentes graças ao “guerreiro da liberdade”. A inflação está na casa do trilhão, e a fome já obriga milhares de zimbabuanos a buscar melhor sorte em outros países.

Mas isso não envergonha Mugabe. Na reunião de seu partido, o presidente e seus 5.000 correligionários puderam degustar 124 bois, 81 cabras e 18 porcos durante os quatro dias do encontro. Isso dá 40 pessoas por boi, sem falar do resto da carne e dos acompanhamentos.
O que muita gente esquece agora é que Mugabe é um ditador socialista, que começou - quem diria! - expropriando as terras dos fazendeiros "brancos opressores". Por conta dessa sua "luta pela igualdade", foi elogiado pelos esquerdistas mundo afora. Em 1986 até foi homenageado pela Universidade de Massachussets como um "campeão dos direitos humanos" e celebrado por ter "criado a fundação para a harmonia entre brancos e negros". (Este ano a universidade revogou a homenagem, uma medida algo tardia).

Entre os que apoiaram Mugabe desde o nascedouro estão políticos conhecidos como Jimmy Carter (onde há algo de podre, esta pessoa nefasta sempre aparece - aliás, foi ele quem "certificou" a eleição de Mugabe em 1980, assim como mais recentemente "certificou" aquela do Chávez), o corrupto Kofi Annan e até São Mandela, cujo legado hoje talvez devesse ser reexaminado.

São os esquerdistas cegos? Na sua sanha por "corrigir as injustiças passadas", não percebem que acabam criando mais miséria e destruição do que Átila o Huno. No Zimbábue de hoje, nem a grama cresce.

Agora o esquema parece estar se repetindo na África do Sul, ainda que de um modo menos violento. Em vez da expropriação forçada, o país criou uma Comissão de Restituição de Direitos de Terras, a qual basicamente examina pedidos de pessoas da população negra que acreditam ter direito a terras que são hoje propriedade de brancos. Uma vez qualificado o pedido, o governo compra a terra de grandes proprietários brancos para criar pequenas propriedades para fazendeiros negros. Tudo muito bacana, certo?

Mais ou menos. Segundo o próprio governo admite, as pequenas propriedades são "economicamente ineficientes" e produzem muito menos do que as grandes propriedades tradicionais. Além disso, há muita corrupção envolvida no esquema. Assim, muitos fazendeiros brancos descontentes estão emigrando para outros países, o que curiosamente piora a economia sul-africana. No ano passado a África do Sul deixou de ser um exportador agrícola e passou a ser importador.

O governo, no entanto, continua com o esquema, pois é um modo de "reparar injustiças passadas". Assim, em nome da igualdade racial, cria a fome para todos. "A agricultura praticamente parou. Em alguns anos isto vai virar o Zimbábue", diz um dos fazendeiros.

Boas intenções com resultados desastrosos (os quais depois são colocados na conta do "colonialismo", "capitalismo" ou "opressão branca"). É a melhor definição para o progressismo.

Por outro lado, o Zimbábue é o país com maior número de bilionários da face da Terra.

12 comentários:

Pax disse...

O blog do Guterman é realmente muito bom.

Consegui concordar com alguma coisa com o desengonçado Mr X.

Chesterton disse...

não tem jeito maneira, melhor deixar que se explodam.

Mr X disse...

Uêba. A lavagem cerebral está dando resultados. Já iniciamos a concordar. Um pouco mais e o Pax odiará os comunistas e os islamistas tanto quanto eu.

* * *

Que se explodam? Desde que não seja literalmente...

Pax disse...

hã?

pirou? bem, disso já sei.

quem tá curando você sou eu pô!

mas confesso o sucesso ainda vai longe

:-)

Pax disse...

Cara, disse alhures, digo de novo. Um dos teus leitores teve a manha de ir num dos meu blogs pra abrir a descarga e jogar tudo que tem no cérebro lá.

Só que a gente pega o IP, cruza, descobre etc e tal. Ainda mais tendo bons amigos aqui e acolá. Então fica o aviso ao intelectual de privada pra evitar esse tipo de atitude.

Sinto ter que dizer... mas sim, veio daqui.

Mr X disse...

Ué. Quem foi? E principalmente, disse o que?

Foi no blog de putaria ou no da filhadaputica (corrupção)?

Didi Iashin disse...

Isso só me faz acreditar naquela piadinha do jornal Krokodil, da extinta - mas não morta - União Soviética:

- O que aconteceria se a URSS tomasse conta do Deserto do Sahara?
Nos primeiros cinquenta anos, nada. No 51º ano, haveria uma atroz falta de areia.
Mr. X, tenha um feliz Natal!!!

Gerson B disse...

Hã? Blog da putaria? Onde? Onde?

Gerson B disse...

Já vi. Mas não achei de putaria, é de poesia.

O de corrupção não encontrei.

Anônimo disse...

Alguém sabe o que aconteceu com o blog Generación Y ? Faz vários dias e não consigo conectar.

Mr X disse...

Olá. Pois é, não sei. Tá fora do ar. Preocupante o negócio. :-/

Mr X disse...

O blog da Yoni voltou ao ar. :-)