quinta-feira, 19 de junho de 2008

Tráfico escravo das Arábias

Negros tratados como seres inferiores e chamados de "animais". Milhares vendidos como escravos. Outros milhares castrados brutalmente para impedir sua reprodução. Milhões de mortos na perseguição ao longo dos anos.

Estamos falando do tráfico escravo ocidental para as Américas, certo?

Errado. Estamos falando do tráfico e uso de escravos realizado pelos muçulmanos na África, que começou no século VII e terminou... Bem, não terminou ainda. No Sudão ainda há escravos negros. (Como o escravo foragido Simon Deng, entrevistado aqui.)

Por que o mundo esquece ou finge esquecer a escravidão realizada pelos árabes? Trecho da entrevista com Tidiane N'Diaye, antropólogo senegalês:

Very numerous are those who would like to see the Arab-Muslim slave trade forever veiled in oblivion, often in the name of a certain religious, or even ideological solidarity. It is in fact a virtual pact signed and sealed between the descendants of the victims and those of the executioners, that leads to this denial. Because in this sort of "Stockholm syndrome African-style," all of these fine people agree to place everything on the shoulders of the West. The selective silence surrounding the Arab-Muslim crimes against black peoples and this effort to minimize it, so as to better point the projectors solely at the transatlantic trade, is a cement being used to bring about a fusion of Arabs and Negro-African peoples - who have long been "fellow victims" of Western colonialism.



8 comentários:

Edu disse...

Cara, mto legal seu blog, tá de parabéns!

Sabe o que eu acho mais interessante nesse tópico?! Um senegalês, de um país assolado pela miséria, com uma série de conflitos e problemas sociais dando pitaco em outro país, assim, na moral!

Eu acho excelente, com a tecnologia e quantidade de informações disponíveis hoje, a possibilidade de nos misturarmos como humanos e conhecermos culturas diferentes ao clicar de um mouse, mas é inconformante o quanto essa mesma tecnologia e quantidade de informações nos tira o foco de nossas prioridades e nossos próprios problemas!

Pax disse...

É duro. Aqui consigo me aliar ao Mr X, finalmente.

Alias, Mr, procure e verás que me vinguei de você. Com muito pompa. No local certo encontrarás tua identidade e verdade revelada.

Gunnar disse...

Cara, pára de ler / ouvir o Olavão.

Claro que a questão dos escravizados africanos por africanos é relevante, urgente, gritante, claro que é um absurdo ignorá-la, etc.

Porém, o que chama a atenção na maneira como o Olavão (e você, por imitação) aborda(m) o tema é uma quase explícita tentativa de usar esse tópico para justificar o escravismo de africanos por ocidentais...

Laranjas e maçãs. O que tem a ver o c* com a calça?

Mr X disse...

Hã?

O texto nada tem a ver com o Olavão. Retirado de um blog e do Pajamas Media...

Ninguém quer justificar o escravismo realizado por ocidentais, ao contrário, criticar toda forma de escravidão.

Inclusive a que existe hoje no ocidente, a das escravas brancas sexuais.

chest disse...

criticar sim a hipocrisia do mundo não ocidental, já que se não foram os brancos a inventar a escravidão, foram eles a pribi-la em primeiro lugar...

Gunnar disse...

Well, posso estar equivocado a seu respeito, mas quando Olavão fala soa claramente como uma justificativa para o escravismo ocidental.

chest disse...

Gunnar, nada é para justificar, mas antes de reparar injustiças históricas, se deveria reparar injustiças que estão ocorrendo agora.
E se é para reparar injustiças históricas, você vai coçar o bolso tambem.

Mr X disse...

"Se todos recebêssemos o que merecemos, quem escaparia do chicote?" (W. Shakespeare)