quarta-feira, 25 de março de 2009

Assassinos de crianças

Vários dos meus leitores não acreditam em Deus; será que no entanto acreditam no Diabo? Às vezes parece-me que ele existe, especialmente ao ler sobre assuntos tão macabros que custa a crer que sejam inspirados por meras mentes humanas. Ou, pensando melhor, talvez não custe muito não...

Há poucos posts coloquei um vídeo que relata o caso dos chamados "moor murders", em que um casal nos anos 60 torturou e matou várias crianças e adolescentes, inspirados, aparentemente, pela leitura de obras do Marquês de Sade. Foi chocante por ser o primeiro caso famoso do gênero na Inglaterra, mas não seria o único. De fato, em poucos anos ocorreriam crimes que deixariam Myra e Ian no chinelo: nos anos 90, Fred e Rose West, um outro casal de assassinos, seqüestrou, algemou, estuprou, torturou e matou entre 12 e 20 crianças e adolescentes, inclusive duas de suas próprias filhas, como conta aqui Theodore Dalrymple.

Uma das coisas que mais nos horroriza é, sem dúvida, o assassinato de crianças e adolescentes, especialmente quando este tem motivos sexuais.

Há uma pergunta que não quer calar: estariam ocorrendo mais crimes de assassinos pervertidos hoje do que em outras épocas? Embora tais crimes tenham ocorrido desde sempre, a aparência pareceria indicar que sim - afinal, as pessoas da minha geração e anteriores ainda brincavam sozinhas na rua até à noite, sem a preocupação dos pais, o que hoje é quase impensável (embora isso possa meramente significar que o pânico aumentou, mas não necessariamente o número de crimes). No entanto, mais significativamente, também algumas pesquisas mostram que o número de assassinatos seriais de crianças e adolescentes aumentou de 1960 para cá. Se isso for realmente verdade, seria interessante tentar descobrir as razões. Levantemos algumas hipóteses:

1) Liberalização dos costumes:
Tal começou a se radicalizar a partir dos anos 60. Quando sadomasoquismo, voyeurismo, travestismo, zoofilia e qualquer tipo de comportamento sexual alternativo é considerado tão normal como qualquer outro, quanto falta para considerar a pedofilia como outra mera variante da sexualidade humana que não deve ser julgada por ninguém?

(Evidentemente, não quero aqui dizer que comportamentos sexuais "alternativos" mas que não fazem mal a terceiros sejam equivalentes à pedofilia ou o estupro e assassinato; mas acredito que vários psicopatas estupradores estejam convencidos que seus casos se enquadram na categoria de sexualidade incompreendida.)

2) Leniência maior da lei:
Também uma herança dos benditos anos 60. Graças aos progressistas, que vêem os assassinos muitas vezes como meras vítimas do sistema, ou então como pessoas incompreendidas desrespeitadas em seus "direitos humanos", ou então entendem que a prisão deveria "reabilitar" e não "punir", crimes muitas vezes hediondos terminam tendo penas leves (aqui no Brasil já temos a progressão de pena para crimes hediondos). Muitos pseudointelectuais sentem mais pena do criminoso do que de suas vítimas.

Uma das coisas mais assustadoras é como, tantas vezes, assassinos seriais de crianças e adolescentes deixaram de ser presos ou foram liberados rapidamente após crimes violentos. Quase sempre, a impunidade apenas estimulou a ousadia do criminoso. Algumas pessoas não entendem a lógica dos assassinos, mas, no cálculo do psicopata, é muito simples. Como Theodore Dalrymple cita, o casal West foi liberado com uma mera fiança de 75 dólares após o seqüestro e estupro de uma moça. A partir daí, para evitar que as novas vítimas os denunciassem, passaram a matar as suas vítimas sexuais. Em um outro caso recente, ainda na Inglaterra, um homem que fora condenado duas vezes por estupro, foi liberado após poucos anos de prisão. Uma semana depois de sair, seqüestrou e matou uma garota de 16 anos. Hoje as autoridades inglesas já pensam em liberá-lo de novo... (É impressionante o número de criminosos sexuais que são liberados após poucos anos de prisão e voltam, naturalmente, a estuprar e matar).

No Brasil, isso é regra. Fábio Marton comenta o recente caso da menina de 13 anos estuprada por cinco, com a Justiça impedindo a prisão dos criminosos. (E cita ainda o caso do americano John Gacy, o palhaço assassino pedófilo, que matou 33 meninos e adolescentes. Também ele só não foi preso porque a polícia muitas vezes decidiu não investigar as acusações e liberou-o sem maiores preocupações.)

3) Sexualização precoce das crianças:
Ninguém pode negar que esta ocorre cada vez mais, e que muitas vezes é culpa dos mesmos bem-intencionados que dizem querer combatê-la. Como devemos considerar, por exemplo, esta notícia, que mostra que meninas de 11 anos de idade podem pedir a "pílula do dia seguinte" na própria escola por mensagem de texto de celular? O que é isso se não o incentivo ao sexo infantil? Que a idéia seja vendida pelas autoridades como uma forma de combate à gravidez adolescente só pode ser considerado como uma piada de mau gosto. (Sim, no Brasil de Lula também há idéias parecidas - aliás, neste país, de letras de música popular a apresentadoras de programas infantis a programas de educação sexual, somos campeões em sexualização infantil).

Todos esses motivos, no entanto, são insuficientes. Há algo de profundamente aterrador no abuso e morte de crianças e adolescentes, que nenhuma psicologia ou sociologia poderá explicar.

Acredito que as pessoas que abusam sexualmente e matam crianças e adolescentes poderiam perfeitamente ser condenadas à morte. A razão é simples: uma sociedade saudável deve ter empatia com as vítimas, não com os assassinos. E deve deixar claro que tal comportamento é inaceitável, sejam quais forem as circunstâncias.

Mas talvez vivamos em uma sociedade doente.

4 comentários:

Didi Iashin disse...

Mr. X,
NA MOSCA!!!
Acho que o que se faz com adultos, com o devido consentimento, é da alçada de cada um. Quando inclui crianças, meu, eu tenho vontade de ESGANAR!

Anônimo disse...

Excelente post, MrX.
Eu sou ateu, e portanto nao creio nem em Deus nem no diabo, mas existem o Bem e o mal, que podem ser categorizados como manifestaçoes divinas ou diabolicas.

O Comunismo sem dúvida é uma teoria que que se encaixa na área diabólica, é a expressão do mal na filosofia e na politica.

É o que Huascar Terra do Valle demonstra nesse divertido artigo Intitulado "AS origens satânicas do comunismo" : http://www.parlata.com.br/artigo.php?id_geral=1269

Mr X disse...

Agora que "pequeno furto" não é mais legalmente crime no Brasil, e estupro de meninas de 13 anos não requerem prisão imediata dos envolvidos mesmo havendo vídeo dos atos, quanto falta para o roubo, o assassinato, o estupro e a pedofilia virarem não só direito como obrigação moral de todo brasileiro?

Anônimo disse...

No Brasil cidadão honesto já é considerado um otário, breve o sujeito que nao traçar uma menina de 12 aninhos também vai ser.
O que vão pensar de mim, que gosto mesmo é de mulher de 40?