quarta-feira, 11 de março de 2009

Islã moderado

Na Arábia Saudita, uma velhinha de 75 anos foi condenada a 40 chicotadas, quatro meses de prisão e expulsão definitiva do país árabe. Motivo? Recebeu em sua casa a visita de dois homens que não eram seus parentes diretos.

No Egito, muçulmanos queimaram vivo um jovem cristão, mataram seu pai a facadas e ainda tentaram matar seu irmão, que está no hospital. O motivo de tudo isso? O rumor de que ele estaria tendo uma relação com uma garota muçulmana.

No Paquistão, uma turba de muçulmanos enfurecidos atacou famílias cristãs resultando em 16 feridos e uma mulher cristã de 45 anos morta a pauladas. O motivo? Um cristão (não relacionado de modo algum com as vítimas) teria tido a ousadia de prestar queixa na delegacia contra dois muçulmanos que acusava de roubo e tentativa de estupro.

E olha que esses são os muçulmanos moderados, quer dizer, muçulmanos comuns que não pertencem a nenhum grupo terrorista radical.

Vamos falar sério? Não há hoje em dia religião mais racista, misógina, violenta, supremacista e discriminatória do que o Islã. Não há grupo mais perseguido do que os cristãos em terras muçulmanas. E, no entanto, por algum motivo que desconheço, a mídia quase sempre trata os muçulmanos como coitadinhos, vítimas incompreendidas do ocidente imperialista cristão, quando não dos "sionistas".

Enquanto isso, Obama promete dialogar com os "talibãs moderados". E os talibãs se ofendem: moderados, nós?

Nem sei se essas barbaridades todas provém do Corão ou meramente da cultura tribal preexistente ao Islã. Não sei, e não importa. Não existem "muçulmanos moderados" - existem muçulmanos laicos, é tudo. Muçulmanos só no nome, como grande parte dos católicos no Brasil.

Podemos ficar tentando por anos buscando o "Islã moderado", é uma quimera tão inútil quanto a busca pelo Santo Graal. E, de qualquer modo, para que serve? Que os muçulmanos tenham uma "cultura" diversa, tudo bem, é direito deles. Mas ela lá, e nós aqui. O que não se entende é porque os países ocidentais deveriam importá-los e dar-lhes ainda direitos especiais, direitos que os cristãos jamais terão em seus miseráveis países.

5 comentários:

Fabio Marton disse...

Olha, pelo que eu li no livro Acidentes de Trabalho, de Rory Stewart, a teocracia aparece como uma forma de superar a cultura tribal. Isto é, uma coisa não tem nada que ver com a outra, o tribalismo é antagônico ao Islã radical. O Taliban une todas as tribos em torno do Islã, enquanto os senhores da guerra "leigos" apoiados pela coalizão são os tribais.

Stefano disse...

A mídia politicamente cretina deveria adotar, por coerência, os termos assassino-moderado, pedófilo-moderado, supremacista-moderado, selvagem-moderado (Jihad-moderada também anda muito em voga).

Didi Iashin disse...

Eu ainda acho que é mais fácil achar o Graal do que achar i Islã moderado.
Isso é conversa mole para boi dormir , pararátchimbum ...

Fernando Richter disse...

Ué, o Pax não comentou este? Por quê?

Anônimo disse...

NO final todas as religiões são meios de pessoas fracassadas de se esconderen das sua fragilidades através de grupos de loucos, não importa qual seja Islã, Catolicismo, Judaismo seja qual for umm bando de loucos fanaticos que impedem o crescimento e a evolução humana pelo fato e suas tradições idiotas e sem importancia que no final todas se jugam certas e acusadas de perseguição sendo elas as mais pragmáticas e racisats , vc já viu falar de um judeu que acha um criatão legal, vc ja ouviu falar de um muçulmano achar judeu legal, deveria ser extinguida toda essa cultura que cria divisão entre as raças. e todos os seguidores mortos tando os do judaismo , islamismo , catolicismo seja o que for,essas religiões são a causa de todo mal que existe neste planeta infestado de loucos religiosos sejam qual seguimento for , todos loucos idiotas.