quarta-feira, 25 de março de 2009

Ainda sobre religiões e ateísmo

Na discussão do post sobre a Bioética Racional do Peter Singer, um anônimo falou o seguinte:

MrX, eu concordo com o Kbção quando diz que "há uma moral agnóstica que contrapõe,..etc". Chama-se moral do Kbção e deve ser ótima mas tem um problema: é humana. Esse é o problema das morais agnósticas..."vareiam" do Kbção(para o bem) ao tolo do Singer(para o mal). Já a minha moral que não é minha, pertençe ao Deus de Abraão de Isaque e de Jacó e não tem sombra de variação. Posso partir que ela permaneçerá igual para os meus filhos.

Então dei-me conta de uma coisa, a razão pela qual o ateísmo puro e simples não pode substituir as religiões, por mais esforço que façam Dawkins, Hitchens e cia. A moral agnóstica muda de indivíduo para indivíduo, ou no máximo de geração para geração e, portanto, não permanece no tempo. A religião permanece.

Além disso, a moral agnóstica é obra do homem e, portanto, falível e passível de ser desrespeitada por qualquer um que não concorde. A moral religiosa é obra de Deus. Bem, mesmo que você não acredite em Deus, o argumento se mantém: ao apelar a um ser ou uma ordem superior, a moral religiosa coloca-se acima do homem e sua falibilidade e incompetência, coisa que é negada pelo relativismo dos ateus e especialmente dos esquerdistas, que não acreditam em um "bem maior", portanto medem o bem de acordo com seus próprios mesquinhos ideais. Ou, como explica Lawrence Auster:

Having gotten rid of the traditional, religious-based idea of the moral good, liberals embrace the liberal idea of the moral good, which is compassion, equality, diversity, inclusion, stopping global warming, etc. Unlike believing in the traditional moral good, believing in the liberal moral good does not involve hypocrisy, because for a person to be good in the liberal sense no actual moral behavior, with its inevitable failures, is required: the person merely needs to affirm that he believes in compassion, equality, diversity, inclusion, and stopping global warming. By signing on to liberalism, one is simply and truly good. This is the source of liberals' inordinate self-esteem. Believing in a liberal good that is not higher than the self but identical to the self, liberals feel themselves to be perfectly good, even as they look with contempt and hatred at conservatives who hypocritically affirm, and seek to impose on society, some false higher good that they themselves don't follow.

Embora possa se adaptar, a religião muda devagar, e raramente conforme a moda do momento. Vejam o caso das camisinhas do Papa. A esquerda chia porque o Papa recomenda abstinência e fidelidade, ou seja, coisa que a Igreja recomenda há mais de dois mil anos...

É claro que nada impediria que o Kbeção, a partir de sua moral individual, criasse uma religião própria, digamos, o Kbecismo. Aí esta poderia ser transmitida de geração para geração, com seus ritos e regras, hinos e métodos.

O homem é um animal moral, e tem necessidade de regras morais que permaneçam no tempo. Eis porque as religiões permanecem.

Ou será que é Deus que escreve certo por linhas tortas?

24 comentários:

Fabio Marton disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Fabio Marton disse...

Você realmente acredita que gente como Frank e Rosemary West seriam contidos pelo medo do inferno?

Isso quando a religião permitira a eles poderiam se dizerem endemoniados e tornarem-se vítimas. Ou, ao contrário, evitar ir para o inferno simplesmente pendindo desculpas.

O Deus cristão, afinal, perdoa tudo, só não perdoa que falem mal dele, a tal blasfêmia contra o Espírito Santo.

Olha que legal: Espírito Santo pomba desconjuntada. Pronto, para Deus, eu sou pior que o casal West.

Nunca deixa de me fascinar o cristianismo...

Fabio disse...

Fred West.

Pax disse...

Todos os 10 mandamentos são falhos.

Discuto um por um se quiser. Já fiz isso com gente muito inteligente.

Então, isto posto, o post é ruim. Acusar a ética e moral do ateismo versus a "ética e moral" dos religiosos é um tiro fora d´água danado.

Errou. Assuma.

Diogo. disse...

Para ver o ridículo que pode chegar essa discussão de ateísmo X religião, basta pegarmos o exemplo de uma enfermeira na Inglaterra.

Ela foi afastada dois meses do trabalho, porque REZOU para reconfortar uma paciente de 79 anos, que convalescia no leito do hospital.

O motivo alegado é que isso poderia ofender outras pessoas.

Isso é o cúmulo da patrulha ignorante e imbecil.

Mr X disse...

Não falo no contexto individual, mas no contexto social. Ei, eu ainda não tive a minha Revelação, ainda estou esperando pacientemente, na estrada de Damasco. ;-)

Essa história da enfermeira que rezou foi realmente absurda, aliás até acho que já postei sobre isso. Enfim.

Abs.

Bispo Macedo disse...

Continue assim irmão X. Não dê ouvidos a esses seguidores do demo. No devido tempo a recompensa virá. E o ombudsman no fogo queimará!

Pax disse...

Canário! A Santa Inquisição está atrás de mim agora?

Serei queimado nas fogueiras dos infiéis pecadores renegadores da força? Não: eu tenho a força! (ganhei uma espada de luz quando criança e me convenci disso, tenho também escudo e tudo mais)

Pois é, em essência, é isso mesmo. Mas o Mr X teima e teima. Não quer crescer. Direito dele.

Que a paz, então, esteja convosco, irmão de fé, camarada companheiro. Amém, oxalá, saravá e o que mais mandar nesse reino que desentendo.

ps.: quando possívem depositar o dízimo em atraso, com multa de 2% e mora de 0,3% ao dia, em nome de ...

Mr X disse...

Ha ha ha.

Mas quem tá cobrando dízimo sou eu. Depositem, é só clicar no banner ao lado.

Anônimo disse...

X, dizer que uma moral agnóstica seria necessariamente flúida é desconhecer milênios de filosofia moral. Dizer ainda que a moral religiosa seria imutável por vir de deus (seja lá o que isso for na cabeça dos crentes...) revela uma completa ignorâcia das mudanças que ela sofreu através dos tempos. As religiões são criação dos homens. A idéia de deus, idem. Já parou pra pensar em quantos deuses a humanidade acredita? E em quantas morais diferentes essas crenças geram?

Kbção

Anônimo disse...

Todas as religiões foram fundadas, basicamente,pelo inegável e irresistível(inato diriam alguns) pendor humano para construir preceitos morais, MAS NEM TODA MORAL SE ESCORA NA IDÉIA DE TRANSCENDÊNCIA OU DA EXISTÊNCIA DE DEUS,TAMPOUCO AS MORAIS RELIGIOSAS SÃO MAIS RÍGIDAS OU PERENES.

Abraço

Kbção

Anônimo disse...

Todas as religiões foram fundadas, basicamente,pelo inegável e irresistível(inato diriam alguns) pendor humano para construir preceitos morais, MAS NEM TODA MORAL SE ESCORA NA IDÉIA DE TRANSCENDÊNCIA OU DA EXISTÊNCIA DE DEUS,TAMPOUCO AS MORAIS RELIGIOSAS SÃO MAIS RÍGIDAS OU PERENES.

Abraço

Kbção

Chesterton disse...

Entre os fundamentos do kabecismo e os 10 mandamentos do Pax, melhor ir trabalhar....

Anônimo disse...

Chest, se o Kbcismo existisse um dia, um de seus principais fundamentos seria justamente mandar os crentes ao trabalho, em vez de perder tempo conjecturando sobre o que haveria no post-mortem e sobre como obter a salvação... ;)

Kbção

Anônimo disse...

Antes que a carolice smerdiakoviana do X apareça pra dizer que o chamamento ao trabalho do Kbcismo, por ser obra de ateus, seria um convite à putaria e à esbórnia em geral, digo-lhes que a acepção da palavra, para o Kbcista, significa ocupar o espírito com algo produtivo, mantendo-o a salvo de enganações...


Teólogo do Kbcismo

Pax disse...

Chesterton, velho e bom Chesterton,

Não corra da raia!

- Não matarás: ok, o que você faria se estivesse na frente do Hitler em 1939 e soubesse o que ele faria mais pra frente, você tendo uma PPK na mão e ninguém por perto?

Quer continuar ou já basta?

Gunnar disse...

Mr X

Você é que nem o Reinaldão nesse assunto.

Em qualquer outro assunto, é sempre "o indivíduo", "cada um por si", "consciência (e culpa) individual", etc. Bem coerente com o alardeado cunho individualista da cartilha direitista-conservadora.

Mas quando se trata de RELIGIÃO e DESCRIMINAÇÃO DA MACONHA, tudo vira "a sociedade", "o social" , o "bem geral", etc... aí o coletivismo toma as rédeas.

Diogo. disse...

Pax, acho que sua pegunta não procede.

É muito simplismo imputar ao Hitler a alcunha de Anjo do Mal, Anticristo e etc.

Hitler foi o fruto de uma época conturbada da história européia: se não fosse ele poderia ter sido outro, e ninguém garante que se ele não tivesse existido, ou fosse assassinado, a coisa seria diferente.

O mesmo vale para Stalin, e até Churchil, que não era flor que se cheire também não.

Mr X disse...

Fabio,
Em outras épocas, Fred e Rose West teriam sido queimados na fogueira à primeira vítima.

Churchil não tem comparação possível com Hitler e Stalin.

Vocês me convenceram, vou converter-me ao Kbecismo. Epa! Tem que circumcisar? Xi...

Chesterton disse...

Pax, e ainda por cima vocë me manda estudar? Esta questão está resolvida em termos teológicos há muito tempo.
E ainda por cima sua questão está muito mal formulada, envolve premonição, advinhação, pré-ciência, instinto vingador, enfim, em 1939 com uma PPK na mão eu não mataria ninguem.
Vocë só quer matar que já está morto.....

Pax disse...

Bom Diogo

Churchill = Stalin e Hitler?

Báh, me inclua fora.

E sugiro a leitura de um dos melhores livros que já li:

Memórias da Segunda Guerra Mundial, Volume 1 e 2, são umas 1.200 páginas somadas, do Winston S Churchill, que, aliás, lhe rendeu um Oscar.

Pax disse...

Chesterton,

Em 1939 Hitler já tinha feito atrocidades suficientes para que, se eu estivesse na situação proposta acima, lhe mandasse um caroço de azeitona bem no meio dos olhos e saísse feliz da vida atrás das minhas 72 virgens.

Vá estudar, Chesterton, velho e bom Chesterton.

Aproveita a dica acima e compra os dois livros. Não se arrependerás e não queimarás no fogo do inferno.

Vá, vá logo. Estudar.

Anônimo disse...

Um dos maiores problemas das religiões, todas elas, é a forma como procuram estimular o agir moral. Todas trabalham com o cabresto da culpa e com mecanismos de punição e recompensa post-mortem. Kant, um dos ícones da filosofia moral, mesmo sendo religioso, com seu imperatio categórico, encontro a chave da questão: aquele que age moralmente apenas por medo das leis, continua agindo imoralmente. O dilema smerdiakoviano embute, veladamente, uma moral covarde e utilitarista do ponto de vista individual. Ajo moralmente por medo da punição do todo-poderoso. Faço o bem para obter a salvação eterna...Nesse ponto a moral religiosa é muito, mas muito mesmo, inferior a qualquer moral laica, como aliás é a do filósofo alemão.

Anônimo disse...

"Esse é o problema das morais agnósticas...'vareiam' do Kbção(para o bem) ao tolo do Singer(para o mal). Já a minha moral que não é minha, pertençe ao Deus de Abraão de Isaque e de Jacó e não tem sombra de variação. Posso partir que ela permaneçerá igual para os meus filhos."
Sei, não tem sombra de variação... Como se a moral religiosa não variasse de seita para seita (os cristãos-em sua maioria- não seguem mais as leis alimentares dos judeus, apesar de os dois grupos reivindicarem o monopólio do mesmo Deus) e de acordo com os tempos. Os cristãos ainda queimam hereges, os judeus ainda açoitam quem duvide de sua fé (Paulo de Tarso foi vítima deste elevado costume religioso umas tantas vezes por conta de sua pregação)... A desonestidade dos defensores do Fundamentalismo é ainda maior do que a cara-de-pau de Lula.