terça-feira, 1 de julho de 2008

A ditadura do politicamente correto

Na Suécia, um garotinho decidiu não convidar à sua festa de aniversário dois coleguinhas que não eram lá muito seus amigos, não entregando a eles convites de aniversário. Foi acusado de discriminação pela professora e os convites para a festa foram confiscados. O tema foi parar, acreditem, no parlamento sueco, o qual graças à conhecida eficácia dos deputados de todo o mundo, dará uma resolução final ao tema em setembro.

Na Holanda, fumar maconha nos bares pode, mas fumar cigarro é terminantemente proibido.

Na Inglaterra, uma muçulmana não passou numa entrevista de emprego para um salão de cabeleireiro, alegou discriminação e ganhou 4 mil libras.

No Canadá, um editor cristão foi multado por ter se recusado a imprimir imagens pornogáficas e pedófilas.

Na Austrália, um livreiro que proibiu um cliente de fumar maconha no seu estabelecimento foi processado.

Eu acreditava que o Olavo de Carvalho estava ficando meio paranóico quando falava sobre as elites globalistas que estão tomando o poder. Hoje acredito que ele está certo.

Um fenômeno global desse tipo, em que idéias idiotas ou contraditórias são universalmente promovidas, e os que se negam a aceitá-las são punidos, não pode ser mera coincidência.

Maconha bom, cigarro ruim. Aborto bom, pena de morte ruim. Palestinos bons, israelenses maus. Socialismo bom, capitalismo ruim. Gays bons, cristãos maus. União Européia bom, soberania nacional ruim. Armas nas mãos de guerrilheiros e terroristas sim, nas mãos de civis, não.

Essas não são idéias que surgem espontaneamente na cabeça das pessoas. São promulgadas e difundidas insistentemente pela mídia, fundações, ONGs, instituições.

E ai de você se discordar.

Vivemos em tempos cada vez menos livres.

A ditadura do politicamente correto é uma poderosa arma na mão de grupos que a utilizam para obter cada vez mais poder.

Temam, amigos, pelo vosso Mr X. Em breve ele poderá ser fuzilado ou mandado para um campo de reeducação por manter um blog com opiniões contra-corrente e por não ter convidado à sua festinha de aniversário nem comunistas, nem maconheiros, nem muçulmanos, nem gays, nem feministas, nem índios, nem chineses, nem negros, nem lésbicas nem putas. (Festinha chata, eu sei. Mas cada um é livre de fazer o que quiser. Ou será que não?)


Comerciais do tempo em que não existiam essas frescuras.

7 comentários:

Daniel F. Silva disse...

Assino embaixo.

chest disse...

tenho a impressão de que isso vai rapidamente se virar contra os autores das "medidas"....

Anônimo disse...

porque nao lesbicas e feministas?

Simone de Beuvoir Fridman

Mr X disse...

São chatas. :-P

Gunnar disse...

Hm... concordo 87,26%.

Sim, de fato, vivemos a ditadura do politicamente correto.


Entretanto, há que se separar algumas coisas.

Em países de primeiro mundo, a legislação referente às drogas só está evoluindo. Nada mais racional do que concluir que droga é droga, seja ela cigarro, maconha, alcóol ou cocaína. Nada mais racional do que fazer legislações que, por um lado, permitam o consumo (particular e por conta e risco) cada vez mais autônomo de quaisquer droga, e por outro lado, surjam regulamentações cada vez mais proporcionais ao DANO SOCIAL causado pela droga.

Claro, é absurdo proibir uma fumaça e permitir a outra. Mais coerente seria liberar de vez a maconha (assim como é com o cigarro) para consumo, no entanto, proibir que se faça fumaça (seja ela cinza ou verde) em QUALQUER lugar fechado ou mesmo público (aí vai do bom-senso do legislador).

Ademais, não acho que exista essa dicotomia "X é bom, Y é mau" muito menos uma competição "X em detrimento de Y" na questão das drogas.

Pra terminar: nada é pior do que o alcool, um verdadeiro flagelo no Brasil. Nos EUA, país exemplo mundial de liberdade e democracia, a venda de alcool é infinitamente mais restrita e controlada do que aqui, motorista alcoolizado vai PRA CADEIA, beber na rua não pode, carregar alcool no carro não pode, vender para menor de idade não pode. E as pessoas respeitam isso. E não estão reclamando de "falta de liberdade". É apenas coerência, afinal, alcool é uma droga.

O Brasil é hipócrita. Bebe-se em todas as idades, em quantidades absurdas, em qualquer hora, ocasião e local, e fala-se dos "malditos maconheiros". Ah vá.

P.S.: em tempo: a única droga que consumo é café.

Anônimo disse...

Se o blog é a favor da liberdade, quero deixar meu protesto contra os hipócritas que são contra a pirataria.

Quem não acha que se os fabricantes estivessem preocupados, baixariam os preços??
Só um louco aceita pagar R$600,00 no Windows.
Eu baixo é via torrent! De graça!

Fábio Valentim disse...

O politicamente correto é a mãe de todas as hipocrisias em nossa época. Daqui a pouco vai ser proibido falar palavrão em público.