quinta-feira, 3 de julho de 2008

Por que não sou de esquerda?

Às vezes alguém me pergunta porque não sou de esquerda, como se não sê-lo fosse algum tipo de aberração. Por que não sou de esquerda?

1. Porque não acredito no socialismo. Acho que é um sistema que nunca funcionou e, mesmo se funcionasse, seria injusto e infeliz e não valeria a perda de liberdade que necessariamente implica. Certo, nem todos os esquerdistas são ou se consideram socialistas, mas o socialismo é o “non plus ultra” da esquerda, sempre buscam políticas sociais que tendem ao controle estatal sobre o indivíduo. Preferem a igualdade à liberdade. Eu prefiro o contrário.

2. Porque não gosto de criminosos, ditadores, guerrilheiros ou malucos. A esquerda sempre parece apoiar, ou ao menos justificar esses tipos. Quando o exército colombiano resgatou a Ingrid das FARC, logo apareceram os esquerdistas para... criticar ou diminuir o Uribe. Quando houve o atentado em Jerusalém com o bulldozer, logo pensei, logo vai aparecer algum esquerdista justificando. Dito e feito: lá estava um blogueiro dizendo que “embora eu não concorde, posso entender suas ações...”. Quando no Brasil aquele menino ficou preso pelo cinto após o roubo de um carro e foi arrastado por quilômetros, ou quando o Luciano Huck foi assaltado, também apareceu algum esquerdista que entendia os criminosos. Curioso que esse entendimento seja unidirecional. O esquerdista pode entender o comportamento patológico de ladrões, terroristas, criminosos, ditadores e celerados em geral. Por que então não entende o policial sob pressão que tortura bandidos? Por que não entende o soldado americano que, na dúvida, atira? Por que não entende a vítima de um ataque terrorista que, segundos antes de ser esmagada por um veículo de construção, atira o próprio bebê pela janela do carro, salvando a sua vida?

3. Porque a esquerda nunca acha que é de esquerda o suficiente. Quando as políticas da esquerda começam a dar errado, já aparece alguém para dizer que o tal político esquerdista “virou de direita”. Claro, pois a esquerda não erra jamais, e se errar, vira de direita, ou alguma outra coisa. No site dos “marxistas e comunistas por Obama” (é, existe isso), seus autores colocam um disclaimer dizendo que “as políticas seguidas por Stalin, Mao, Cuba e Coréia do Norte nada tem a ver com o marxismo ou o comunismo.” Ah não?! Mas é assim: uma vez que o método desemboca em genocídio, ditadura, fome e desgraça, aparece alguém para dizer, “não era socialismo de verdade, era estalinismo”. Mas não se preocupem, o próximo Socialismo sim, esse vai ser o de verdade...Ora, e porque razão eu deveria dar ouvidos a você? É como se alguém disesse, “olha, o Nazismo que matou milhões de pessoas não era o Nazismo de verdade, vamos tentar de novo...”

4. Porque não pretendo ser popular. 90% dos esquerdistas, não é que o sejam realmente, não é que entendam alguma coisa de política, de economia ou de história. Consideram-se de esquerda porque seus amigos e quase todo mundo que conhecem são de esquerda, porque a mídia é de esquerda, porque os ideais da esquerda, na teoria, parecem coisas bacanas. Fim da pobreza. Educação e saúde para todos. Um mundo de paz e fraternidade. Quem poderia ser contrário a essas coisas? O problema é que, na prática, a esquerda jamais traz igualdade, educação e justiça, mas apenas slogans vazios. A esquerda faz o esquerdista sentir-se bem consigo mesmo, e isso é o que importa, o efeito real de suas políticas no mundo real é secundário.

5. Porque considero as camisetas do Che Guevara um atentado à estética...

6. Etc.

14 comentários:

Pax disse...

O que é ser de esquerda?

Ok, e de direita?

Em quem você votaria no Brasil da direita? No DEM?

chest disse...

não tem politico de direita no Brasil, todos são pelo social (e roubam sob esse pretexto)

Pax disse...

na verdade acho que não tem político no Brasil... só ladrão travestido.

Mr X disse...

Concordo e concordo.
No Brasil, política resume-se em geral à arte de roubar sob diferentes pretextos.

De qualquer modo referia-me a "esquerda" e "direita" mais como conceitos filosóficos, modos de ver e encarar a vida e o mundo, mais do que a situações específicas, menos ainda da política brasileira a qual, a dizer a verdade, me interessa muito pouco. Terão observado que neste blog falo mais sobre política internacional, Oriente Médio, Eua, Europa, etc. A política tupiniquim me entedia.

Pax disse...

É, mas aí não mudamos nunca. Sinto muita falta de um bom blog de política br.

chest disse...

http://www.olavodecarvalho.org/semana/080703dce.html

|3run0 disse...

Eu me lembro de pelo menos um uso recente de camistas do Che que você aprovaria ;-)

Mr X disse...

Ah é. Serviu pra liberar a Ingrid. Hehe. :-P

C.Barbosa-Sub disse...

Que bom saber que todos aqui acreditam que os políticos roubam. Que bom ver aceitarem que esquera e direita são rótulos e filosofias ao mesmo tempo. Pense numa forma de igualdade com liberdade? É possível... não sou fluminense, mas EU ACREDITO!

Gunnar disse...

Eu sou de direita. Mas discordo de quase tudo que o X escreve.

O problema é confundir direitismo com conservadorismo cristão.

Aí só sai merda a la Olavão.

lif disse...

Vou ter que admitir que o que me impediu de ser 'de esquerda' foram os mesmos motivos do senhor X. Para mim, o socialismo não tem como funcionar e é só olhar pra sociedade pra entender. Ela é muito injusta.

Esquerda ou Direita? Quem não sabe o que isso significa não teve boas aulas de História, especialmente sobre a Revolução Francesa. Naquela época, quem sentava na esquerda da Assembléia tinha idéias mais voltadas para o social, e do outro lado sentavam os burgueses. Eis que surge a conceituação político-sociológica de Direita e Esquerda.

No Brasil, nas décadas de 60 ou 70, se um político se opunha à Ditadura, era taxado de 'de esquerda'. Logo, o povão, descontente com as atitudes do governo, era 'de esquerda'. Nos anos 90, o PT e outros partidos socialistas se opunham ao governo de Fernando Henrique Cardoso e era taxado de 'de esquerda', logo a Esquerda virou sinônimo de Oposição devido ao árduo oposicionismo desses partidos. Nos anos 2000, um partido de Esquerda entrou no poder, mas passou a agir como se fosse de direita, e foi uma confusão interna total pois algumas pessoas do próprio partido se diziam 'de esquerda' e chamavam outras de direita. E agora? Quem se opõe a essa específica Esquerda (PT) é o que? Oposição (por se opor ao partido em poder), Esquerda (por se opor ao partido que parece de Direita) ou Direita (por se opor ao partido que se diz 'de esquerda')?

Muito complicado para quem filosofa pouco entender.

Anônimo disse...

Pra mim existe o idiota de direita e o de esquerda, são tudo farinha do mesmo saco.

Beatriz Freire disse...

Cara, faço minhas suas palavras, ótimo post. Parabens!

Anônimo disse...

Postagem e blog muito interessantes. Já fui e tecnicamente ainda sou de esquerda no campo econômico, mas me distanciei da esquerda moderna devido ao lado cultural do esquerdismo, como a defesa de bandidos e antibranquismo, as vezes quase chego a torcer pela direita por causa disso. Caro Mr X, tens razão quando diz que a esquerda atual tem problemas gravíssimos, só uma reforma completa poderia salvá-la, ser sem-teto político é triste.