segunda-feira, 6 de abril de 2009

Bang bang

Mais um maluco armado causou caos nos EUA, matando 13 pessoas em um centro de imigração em NY. Já vieram os críticos rápidos no gatilho criticar os EUA, as armas e a "cultura da violência", mas na verdade o ataque confundiu tanto conservadores quanto progressistas.

Afinal, fosse um branco que houvesse atirado contra imigrantes, lá estaria a esquerda gritando sobre racismo, xenofobia, etc e tal. Tivesse sido um imigrante matando brancos nativos, lá viria a direita lamentar a imigração ilimitada, o crime em ascenção, etc. Como foi um imigrante matando imigrantes em solo americano, a coisa ficou sem as explicações fáceis de sempre.

Infelizmente, parece tratar-se de um problema universal que veio pra ficar: já em vários países do norte da Europa ocorreram fatos similares. Aliás, até na Argentina ocorreu um tiroteio por alunos em uma escola, e no Brasil talvez ainda alguém lembre do maluco que fuzilou a platéia de um cinema algum tempo atrás.

Acho que a culpa é dos videogames.

Não, sério, acho que a culpa é da mídia mesmo. Anthony Burgess tinha razão.

Antes as pessoas frustradas contentavam-se em suicidar-se. Hoje querem levar tantos quanto puderem consigo, e ainda por cima aparecer na TV, ou ao menos no Youtube.

Menos armas em circulação resolveria? Talvez. Por outro lado, nos casos em que havia um cidadão armado presente, massacres maiores foram evitados.

Enquanto isso, Obama, o delirante, sonha com um mundo sem armas nucleares. Como se fosse possível desinventar a bomba atômica.

Obama, como todos os esquerdistas, acha que são as armas - de fogo ou nucleares, tanto faz - que matam as pessoas, não pessoas malvadas usando as ditas armas. Assim como os liberais querem criar "gun-free zones", Obama talvez pretenda criar "nuclear-free zones".

Obama, aliás, é muçulmano e curvou-se, submisso, de fronte ao príncipe saudita.


4 comentários:

Pax disse...

The old and good far west.

É isso que o desengonçado está propondo? Acho que o periscópio descalibrado é lobista da NRA.

"Menos armas em circulação resolveria? Talvez. Por outro lado, nos casos em que havia um cidadão armado presente, massacres maiores foram evitados."

Ah, esqueceu de falar, um dos mortos matados foi um brasileiro.

Mr X disse...

O assassino foi um asiático, que nem na Georgia Tech. Poxa, aqui na Califórnia tá cheio de asiático, tenho amigos coreanos até. Ferrou. Será que sou a próxima vítima? Vou comprar alguns fuzis, por se acaso. ;-)

Pax disse...

Você nem me venha com atitudes preventivas, desengonçado.

As pessoas são inocentes até prova em contrário.

Não saia matando asiáticos por aí.

Ok, sei que sim, mas algumas obviedades precisa ser ditas para algumas pessoas menos equilibradas emocionalmente. :-)

P.s.: Qualquer coisa use uma silver tape.

Didi Iashin disse...

Seguinte: enquanto o "assassino" Bush estava no governo, o baixinho invocado da Coréia do Norte ficava escondido no seu cafofo, bem quietinho. Foi só o "messias" chegar, o gordinho começou a se fresquear ...
É só uma amostra do qeu vamos enfrentar, nos próximos quatro anos - se quatro anos houver ...