sexta-feira, 28 de novembro de 2008

Será que eu sou um radical?

Alguns acreditam que eu seja um radical pelas minhas opiniões a respeito do islamismo. Mas será que sou mesmo?

Ao contrário, parece-me que os radicais são os que, tendo acabado de assistir a chocantes cenas de um massacre de inocentes, em vez de manifestar a natural piedade pelas vítimas ou o humano ódio pelos assassinos, conseguem de alguma forma achar motivos para justificar os assassinos, por terem agido em nome de alguma "opressão".

Radicais são os que, cegos pelo politicamente correto, não conseguem ver uma manifestação extremamente cruel e doentia em pessoas que em nome de uma religião incitam e celebram o massacre de inocentes.

Radicais são os que não conseguem nem mesmo considerar a hipótese que possa haver algo de errado com os assassinos e a religião que praticam, e colocam a culpa nas vítimas assassinadas, no sistema de castas indiano, no ocidente, em Israel, na guerra do Iraque, no abuso sexual na infância, ou qualquer outra explicação menos a mais óbvia e mais visível.

Radicais são os que, ao assistir muçulmanos matando, conseguem colocar a culpa em judeus, cristãos e hindus.

Radical, eu? Não. Eu apenas proponho a reciprocidade. Os muçulmanos expulsaram quase todos os hindus do Paquistão; pois os hindus deveriam ter feito a mesma coisa com seus muçulmanos. Os muçulmanos expulsaram quase todos os judeus do mundo árabe; Israel deveria ter expulsado os árabes de seu país. Os sauditas proíbem a prática de outras religiões no seu reino; países ocidentais deveriam proibir a prática do islã. Os terroristas de 9/11 atacaram o que eles viam como um símbolo do desenvolvimento e "decadência" do Ocidente, as Torres Gêmeas; a resposta dos EUA deveria ter sido também a de atacar um símbolo equivalente: se quisessem fazer um olho-por-olho, deveriam ter destruído Meca.

Não, não recomendo os métodos nazistas ou de ditadores muçulmanos (ver post abaixo) contra o terrorismo islâmico. Gostaria que houvesse uma solução mais humana. E, no entanto, a cada nova selvageria, a cada nova sensação de impotência frente ao horror, e a cada nova "justificativa" dos atos por pessoas desmioladas que só conseguem ver o mundo através de uma lente deformada na qual assassinos e torturadores (ou seja, opressores) viram "oprimidos" simplesmente porque se dizem tais, perco cada vez mais as esperanças.

8 comentários:

chesterton disse...

quer ver um doente? Vai no Observatorio da imprensa e lê um artigo de um tal guerrilheiro-brasileiro-tabajara: Carlos eugenio Paz

chesterton disse...

a realidade é esta

http://www.frontpagemag.com/Articles/Read.aspx?GUID=F0E3CD3B-BC90-482A-B5B7-E575A9BDBB45

Pax disse...

Imagina que você é radical Mr X. Claro que não.

Você é extremista. Muito além.

:-)

Mr X disse...

Ah bom. Por um momento fiquei preocupado... ;-)

markus disse...

Caro Mr X, vc é radical, rs,rs,rs;
tolerantes e pacificos são o pessoalzinho q atacaram a escola de Beslam, o metrô de Madri, as torres gemeas.....
esses aqui tbm são pacificos tbm:
http://pajamasmedia.com/blog/child-killer-samir-kuntar-honored-in-syria-and-beyond/
e esses tbm:
http://news.bbc.co.uk/2/hi/south_asia/7747621.stm

ah, já tava esquecendo, a culpa é do jorgibuxi, do imperialismo americano, dos judeus e do sionismo.....

Walker disse...

Mister X, parabéns pelo seu blog. Cheguei aqui por meio do link no blog do Pedro Doria (a área de comentários lá é uma ante-sala do inferno hein? O PD até que dá pra suportar, mas aqueles comentaristas...)
Não sou de escrever comentários, mas estarei sempre aqui, mais uma vez parabéns.

Mr X disse...

Olá Walker,

Bem-vindo!

Anônimo disse...

Excelente texto, X. Parabens e um beijo,

Madeleine