quarta-feira, 17 de setembro de 2008

Loucademia universitária

Antigamente as universidades eram consideradas templos do saber. Hoje mais parecem usinas de produção de loucura. Abaixo, trechos de uma dissertação de mestrado de Antropologia sobre a "sexualidade camponesa". Está disponível online para quem quiser ler, mas não cito a fonte diretamente para não embaraçar ainda mais seu autor (erros de português em vermelho):

Rapidamente já éramos oito homens no meio da caatinga. Neste ínterim, começaram todos a se tocar, a se acariciar, em silêncio, ouvi-se apenas os sussurros, os insetos e os pássaros nas moitas. Corpos suados, homens despidos, naquela penumbra da noite, em que não dava para saber, pois a intenção era experimentar o acontecimento, quem era o “ativo” ou o “passivo” no intercurso sexual, quem era André, Tadeu, Juca, Joaquim, Ivo, Mário etc. Apenas corpos, exalando um cheiro intenso de esperma. Pura criação. Ao término, quando os pais-de-família ejacularam, André finalmente quebra o silêncio e diz: vão na frente. Depois eu, Tadeu, Mário, Ivo e Paulo [antropólogo] vamos depois!

Nesse contexto, quanto mais mal-dito eu ia me tornando, via rumores, mais os homens goiabeirenses me procuravam, na maioria das vezes, excitados, falando sobre o tamanho dos seus pênis e de suas performances sexual para com as mulheres e animais.

Não se trata de identidade homossexual, não se trata de identidade cultural, mas das infinitas possibilidades do corpo. Os mal-ditos viados de Goiabeiras, é válido ressaltar que eles não assumem nada, engendram uma máquina de guerra estética, alicerçada por uma ética e por uma estética dos afectos, que faz ricochetar os ditames do parentesco, como veremos. Este corpo-receptáculo para o gozo, receptor do sêmen do Outro, faz acontecer ritos iniciático, no âmbito das sexualidades, com muitos jovens imberbes no vilarejo. Gerações passam por este corpo-receptáculo mal-dito. Meninos-homens que experimentam os prazeres da carne com o mesmo e concomitantemente com suas esposas e animais.

Por que o camponês no Brasil parece cumprir uma missão divina (cristã e acadêmica) em que a sexualidade, na grande maioria das pesquisas, é para a reprodução da espécie? Esta dissertação tem como principal propósito da vazão ao corpo, fazê-lo gozar.

O que explica esse disparate pornográfico, entremeado com citações a Barthes e Foucault?

O problema é a educação. Uso essa frase feita com um outro sentido: o problema não é a falta, mas o excesso de educação. De um certo tipo de educação, é claro.

Parafraseando Rousseau, o homem não nasce esquerdista. É a sociedade que o transforma. Ninguém nasce acreditando na necessidade da "justiça social" e na vilania da cultura branca ocidental judaico-cristã; são as escolas, mídia e universidades que transmitem essa ideologia às pessoas. Imagino o professor que corrigiu o trabalho. Citar o "Outro", assim mesmo em maiúsculas? Confere. Utilizar expressões bacanas mas sem sentido como "máquina de guerra estética"? Confere. Criticar a moral cristã ou burguesa? Confere. Falar sem pudores sobre o homossexualismo ou até a pedofilia (meninos-homens) e o bestialismo (animais)? Confere. Citar intelectuais franceses? Confere.

Não tenho dúvidas que o aluno que escreveu a dissertação acima tirou nota máxima, com louvor. Repetiu a cartilha à perfeição.

10 comentários:

Pax disse...

É a Educação, estúpido !

Tá duro.

Dizem que o Império (o teu mesmo desengonçado, o americano), está indo pras cucuias por conta disso mesmo, tiraram o foco da Educação.

Quem me disse? Um físico nuclear da USP, esse fim de semana.


Ele tá certo? Sei lá, mas o cara é da área.

Diogo disse...

PQP!

Só falta me dizer que esse escroto recebe bolsa do governo.

Só não entendi o TAG "marxistas"?

Nem sei direito o que é, mas achei fora do contexto.

chest disse...

só cortando o saco fora e dando para os cachorros....

Mr X disse...

Bom, bastava reprovar acho...

Diogo, tem razão, talvez devesse ser tag "gramscistas"? Ou "niilistas" mesmo?

Pandora disse...

Bem, concordo com a idéia de cortar o saco fora. Mas, acho que não vai ter cachorro para tanto saco...

Diogo disse...

Bah, Mister, lá vai eu fazer mais uma oferenda no site de buscas do Google.

Nada como aprender palavras novas para a memória.

Diogo disse...

Niilistas, com certeza.

Isso, se o Google, ou minha capacidade interpretativa, não me mentiram.

a moça com frio* disse...

putz, parece que estou lendo comentarios de obscuros notaveis provincianos ! pq estao tao chocados pela "sexualidade camponesa" ou pelo jeito como foi dissertada pelo tal universitario ?
pessoalmente, me choco mais com direitos humanos desrespeitados...

Mr X disse...

Tá frio aí moça?* :-*

Hehehe, obscuros notáveis provincianos, gostei... Acho que vou adotar.

Na verdade, nada contra as sexualidades camponesas.

|3run0 disse...

De fato, não há nada de particularmente errado ou certo com os tais surubas campesinos. O problema é que alguma banca de doutos mentecaptos concedeu o título de mestre a quem escreveu essa bobagem.