terça-feira, 11 de março de 2008

A esquerda e o crime

Thomas Sowell escreveu um recente artigo falando sobre os custos ocultos do crime, e observa:

Por mais de dois séculos, a esquerda política esteve preocupada com o destino dos criminosos, muitas vezes ignorando ou diminuindo o destino das vítimas destes criminosos.

Portanto não chega a ser surpreendente que um recente editorial do New York Times voltou a um tema familiar aos esquerdistas, em ambos os lados do Atlântico, com seu lamento de que "o número de presos continuou a aumentar enquanto o número de crimes caiu."

Lá em 1997, o jornalista do New York Times Fox Butterfield expressou o mesmo lamento em uma manchete: "Crime cai, mas as prisões ficam cada vez mais lotadas". Antes como agora, os esquerdistas parecem achar bizarro que os níveis de crime caiam quando mais criminosos estão detrás das grades.

Vejam o pensamento da esquerda: como o crime está caindo, o fato de que haja mais presos só pode ser um abuso de poder. Não conseguem, ou não querem, relacionar causa e efeito: acreditam que a queda do crime seja anterior ao aumento das prisões. Mas não conseguem explicar por que o crime caiu em primeiro lugar. Mesmo aqui no Brasil, houve uma longa discussão sobre se a diminuição da criminalidade em São Paulo teria algo a ver com o maior número de prisões. Reinaldo Azevedo chegou a se perguntar:

O que há de errado com a punição de quem transgride a lei? No Brasil, os estados que mais “punem”, vejam vocês, têm menos crimes. Não é espantoso? Assim se dá no mundo inteiro. Por aqui, não obstante, o bandido se tornou uma “voz autorizada” do diálogo. É um troço formidável: representantes do crime acabam sendo considerados interlocutores.

A única explicação possível é que a esquerda propositalmente queira o aumento do crime. Cito o que diz o Olavo em seu último artigo:

“A violência no Brasil é um sintoma de um largo conjunto de problemas sociais” é o tipo da afirmação que não significa nada, com a ressalva de que o apelo às causas sociais remotas tem sido o mais constante pretexto para desestimular a ação policial contra o problema imediato, que é o fato de criminosos estarem vendendo drogas para as crianças nas escolas e matando a tiros cinqüenta mil brasileiros por ano.

Entre a pobreza e o crime, o vínculo não é direto nem logicamente necessário. Ninguém sai por aí matando pessoas ou vendendo drogas simplesmente porque é pobre. Uma coisa não produz a outra sem a interferência de um terceiro elemento, este sim decisivo, tão decisivo que pode produzir o crime sem o auxílio da pobreza. Esse elemento chama-se ação humana, entendendo-se por este termo sobretudo a ação deliberada e organizada dos indivíduos e grupos que têm meios de influenciar a vida social como um conjunto, isto é, os intelectuais e os políticos. O primeiro desses grupos, como já venho demonstrando desde 1994, ocupa-se, há décadas, em disseminar nas classes letradas o ódio à polícia e a simpatia cúmplice para com os bandidos.

De fato, o discurso da esquerda, ao ser centrado nos direitos do bandido e nunca nos da vítima, por si só estimula o crime. Mas, como Sowell argumenta, há também uma questão econômica aí: enquanto os custos do combate ao crime são pagos por nossos impostos, aos quais os políticos gostariam de dar outros usos mais, hã, nobres, os custos do crime e da violência impune, embora maiores, são pagos pelo cidadão comum diretamente do seu bolso, sem que os políticos metam a mão. Some-se, no Brasil, ao lucro que certos políticos obtém com o narcotráfico e a lavagem de dinheiro, e temos boas razões para crer que, quando não se acredita na punição, o crime compensa.

4 comentários:

chest disse...

Tem uma explicação para tudo isso.

Esquerdismo é doença mental.

J.Wollvsttaven disse...

Caro Mr X, Shalom.

Mesmo tentando encontar outra explicação para tal comportamento (por vezes inexplicavel) sem que para isso tenhamos que recorrer a um simples (nem tanto) diagnóstico patologico, sou obrigado a reconhecer de um modo bem claro que o Sr. Chest assim como a sua fonte para tal informação, tem uma certa razão.

Ah, tomei a liberdade de acrescentar o link deste blog no na lista do meu, caso tenhas algo contra, favor informar-me.

chest disse...

Não adianta, esquerdista é aquele sujeito que acha que se pode apagar fogo com querosene, basta vontade política....

Mr X disse...

Shalom JW,
Pode colocar link no blog sim.

Pois é, eu ainda não sei se esses esquerdistas aí são malucos ou têm algum plano secreto que nós não conhecemos... :-)