terça-feira, 1 de janeiro de 2008

Das diferenças entre EUA e Brasil

Nos EUA, Paris Hilton, sem ter causado nenhum acidente, foi flagrada dirigindo bêbada e amargou uma temporada na cadeia. Choro midiático não foi suficiente para tirá-la de lá.

No Brasil, o jogador Adriano dirige a 120 km por hora, bêbado, detona três carros, mas como não quer problemas com a Justiça suborna os donos dos carros e a polícia, ninguém presta queixa, e ninguém acha estranho:

O jogador, que estaria em companhia de sua namorada e voltava de uma churrascaria, entrou em um táxi e fugiu do local do acidente. A mulher que o acompanhava apanhou os pertences de ambos que estavam no veículo e também partiu de táxi.

Logo depois, amigos do jogador estiveram no local do acidente e "negociaram" com os donos dos carros atingidos. Reboques particulares foram chamados e levaram os carros para local ignorado. O carro do jogador foi levado para uma concessionária na Avenida Armando Lombardi, no bairro.

A proprietária do Ka, que não quis se identificar, se recusou e impediu que o dono do Palio, o estudante Felipe Moura, 22 anos, falasse com a reportagem, alegando que já haviam feito "acordo amigável" com o jogador e que a imprensa poderia atrapalhar se publicasse alguma coisa sobre o acidente.

O taxista que levou Adriano para casa, num condomínio também na Barra da Tijuca, voltou ao local do acidente, mas também se recusou a falar.

Policiais militares do 31º BPM (Recreio dos Bandeirantes) estiveram no local para fazer o registro do acidente, mas se recusaram a passar informações sobre o caso. Na 16ª DP (Barra da Tijuca), também não havia registro do acidente até o início da manhã.

No Belmont Club, Wretchard observa:

No Terceiro Mundo a verdade é um conceito infinitamente maleável, pois a corrupção coloca tudo à venda. Carteira de motorista, diploma, identidade, declaração jurada - tudo pode ser comprado e vendido por algum valor. A conseqüência final de uma cultura da corrupção é a destruição da crença na verdade objetiva.

Dizem que o brasileiro quer acabar com a corrupção... Mas será que quer mesmo? Ou só o que identifica como a corrupção dos outros? (via c-avolio.com)

3 comentários:

chest disse...

E o Fred acha quer ser brasileiro é ser ducaraio....

Ricardo C. disse...

De fato, essas atitudes são tão cotidianas que desestimulam qualquer um. Isso mina aos poucos até aqueles de princípios mais sólidos...
Discordamos de muita coisa, Mr. X, mas não sobre o que de central você escreveu...
Abs,

Ricardo

Fred disse...

Minha única bandeira, rota e esfarrapada pro meu Brasil maravilhoso.

Ou damos jeito na Justiça, no Judiciário ou ele acaba com a gente.

Impunidade porque o Judiciário não faz o dever de casa.

Chestinho me ama, e o pior é que eu amo ele ( e vc Mr X e os demais seres humanos)

hehehehe