sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

A direita pós-Olavo

Olavo de Carvalho no outro dia comentou uma coisa curiosa:
Infelizmente, entre jovens que assistiram a meus cursos e conferências, sem se tornar por isso meus estudantes genuínos, abundam os que se dispõem a exercer esse papel abjeto, satisfeitos de ver-se bem recebidos onde fui rejeitado, e acreditando-se por isso uma “alternativa superior”, mais moderninha, serena e equilibrada, ao cada vez mais insuportável Olavo de Carvalho.
Olavo de Carvalho provavelmente atingiu o apogeu midiático no final dos anos 90, quando sua coluna estava em todos os maiores jornais e até revistas da elite bacana como Bravo!. Pouco a pouco, no entanto, ele foi sendo ostracizado pela própria mídia que o acolhera. O que aconteceu? Não dá para colocar toda a culpa no petismo, embora seja uma das explicações. A mídia, no Brasil, é profundamente servil ao poder, e hoje o poder é o esquerdismo. O próprio Olavo comenta o assunto aqui.

Mas acredito que também possa ser um reflexo dos tempos atuais, em que o interesse por um determinado tema ou autor esgota-se depois de um relativamente breve período. E assim, entre os próprios supostos direitistas, para muitos hoje não é mais "moda" ser seguidor do filósofo, como explica este colega blogueiro aqui.

Pessoalmente, confesso que comigo aconteceu o contrário. No começo, não suportava o Olavo. Mas, pouco a pouco, fui me interessando por algumas das temáticas que abordava, não necessariamente aquelas de maior impacto, ou mesmo aquelas ligadas a eventos específicos. De fato, interessam-me menos os artigos sobre temas diretamente políticos e mais aqueles por assim dizer "abstratos", que tratam de questões mais gerais. Por exemplo, acredito que sua série sobre a mentalidade revolucionária seja indispensável para compreender não apenas o moderno pensamento esquerdista, como grande parte das mudanças que estão ocorrendo hoje no mundo.

Mas, para fins meramente ilustrativos, tomemos a hipótese de que Olavo de Carvalho realmente tenha se tornado menos relevante. Quem, hoje, no Brasil, dessa novíssima geração "pós-olaviana", poderia ou estaria disposto a tomar o seu lugar?

Não falo aqui em termos de meros blogueiros ou jornalistas, mas pessoas que realmente apresentem idéias relevantes de forma clara e articulada, verdadeiros intelectuais em suma - ainda que não necessariamente ligados ao meio acadêmico. Por exemplo, do pouco que li considero o Pedro Sette Câmera, do blog O Indivíduo e do site Ordem Livre, um dos sujeitos talvez mais inteligentes da blogosfera brasileira, mas não acredito que possa ser considerado - ou mesmo que se considere - um filósofo.

Como eu mesmo estou muito longe de ser um filósofo ou pensador - este blog é mero registro de opiniões, sem qualquer pretensão além da superficialidade mais extrema - não saberia dizer, mas talvez algum dos leitores possa indicar alguém?

13 comentários:

Chesterton disse...

Todo mundo lê o Olavão, da extrema inferior a extrema superior. É o cara de idéias mais influentes no Brasil inteiro, pena que o brasileiro seja analfabeto funcional.

Mr X disse...

Esta é hilária, Putin alerta EUA de Obama para os perigos do socialismo:

http://www.therightperspective.org/?p=1472

E o pior é que ele tá certo.

Chesterton disse...

impresionante, se não cheirasse mal....

Anônimo disse...

O Olavo é ok, mas os adoradores e "odiadores" do Aiatolavo são umas malas...

João disse...

Quem manda usar os próprios estrategemas que comenta?

O prego do olavo agora choraminga. Bem feito.

Blog do Adolfo disse...

Eu tenho algumas discordancias do ponto de vista economico em relacao as ideias do Olavo, mas acho os textos dele repleto de fatos e raciocinios importantes.

Adolfo

bitt disse...

Mr, as observações são meio... qq coisa. O Olavão cavou a pp sepultura midiática. Os jornalões estavam dispostos a albergar as sandices dele, mas não a torrente de insultos q ele disparava a três por dois. Repito aqui o q vivo dizendo (e me considero insuspeitíssimo): Olavão é competente pra caramba e poderia ter chegado onde quisesse, dentro do campo q ele gosto )e conhece) - a filosofia. O problema é q é maluco e perdeu o controle do pp ego, a ponto de ter dito (a sério) q a Romênia é um dos maiores centros de produção intelectual do mundo, tendo deixado Paris para trás - é porq ele foi convidado a dar aulas lá, uns anos atrás, num faculdade de reacionários religiosos. Vc quer levar um cara assim a sério só pq o sujeito insulta os caras q vc acha q devem ser insultados? Pois é... Felicidades, então.

Mr X disse...

Olá, Bitt. Concordo que a personalidade intempestiva do Olavo não ajudou. Porém:

a) Os "jornalões" albergam sujeitos que dizem barbaridades muito maiores, e estão ainda aí.

b) Não acho que a mídia seja o melhor juiz sobre quem é bom filósofo ou não. Aliás, acho que é o contrário: a mídia prefere sujeitos pacatos, inofensivos, que digam apenas platitudes e besteiróis. 90% dos colunistas são panacas que repetem os pensamentos mais banais possíveis. De frente a isso, prefiro um Olavo.

c) Em alguns casos Olavo cutucou pessoas ou aspectos políticos que não "devia", e por isso foi demitido. Não é muito abonador sobre a liberdade de imprensa no país.

Chesterton disse...

No Brasil o esquerdismo infantil-utópico é tão difundido, o coitadismo tão praticado, que beira a irresponsabilidade. OC nada mais fez que chamar os individuos à razão. Mas não há por aqui massa crítica suficiente para sustentar alguem que jogue a verdade na cara de quem prefere viver no auto-engano.
Me lembro até hoje o primeiro artigo que li dele no JB. Quer dizer, não lembro do artigo, mas lembro de minha reação. Foi como se alguem, no meio da zona, da putaria, resolvesse colocar os pontos nos "i". Finalmente, disse eu.....

marcelo augusto disse...

Olavo de Carvalho é uma pessoa inteligente e bastante erudita. É uma pena que, na imprensa nacional, não haja espaço para alguém que é declaradamente de direita e, pelo que eu pude perceber, que foi colocado no ostracismo por suas convicções ideológicas e, como bem disseram, por sua personalidade um tanto conflituosa -- mas o Bill O'Reilly é muito mais heavy metal que OC nesse aspecto e nem por isso ele teve/tem menos espaço para se expressar.

Fazer o que fizeram com ele é uma prática extremamente anti-democrática. Eu mesmo tenho cá minhas discordâncias com os posicionamentos dele, mas, nem por isso, iria colocá-lo no exílio.

Anônimo disse...

Olavo é um tonto. Desperdiçou seu talento com essa cruzada inglória contra a esquerda. Nada mais idiota. Liberal de verdade olha pro umbigo primeiro, antes que para os valores da civilização judaico-cristã, bla-bla-bla.

Além do mais, escreve sempre a mesma coisa. Acho que não percebeu que, se você não tem costas quentes, é preciso ser versátil e falar de coisas amenas de vez em quando...

Além disso, estava picareteando brabamente. O cara mandava o mesmo artigo ao JB e ao DC, com pouquíssimas alterações, sob o manto da liberdade de expressão. Acho que ele queria era a liberdade da picaretagem.

Anônimo disse...

Mr, quem conhece os bastidores dos veículos pelos quais o Olavo passou, sabe dos problemas que ele criava. Se escrevia um texto considerado absurdo e irresponsável, sem fornecer nenhuma prova consistente do que afirmava, e o diretor de redação pedisse que ele mandasse outro artigo no lugar, ele começava a xingar todo mundo e se dizia censurado. Ninguém tem obrigação de publicar que o FHC tem ligações com o narcotráfico ou que o Bill Clinton trabalha para a KGB sem que essas afirmações venham acompanhadas de algum tipo de evidência. E só porque um artigo foi recusado, todo mundo na redação virava comunista filha da puta. Ele caiu fora de uma parte da imprensa não porque dizia "verdades" ou porque era de "direita" - mas porque dava chiliques e xingava as pessoas.
Abs

Antonio disse...

Entre ser "incisivo" e "mal educado" vai uma grande distância.

Entre ser "provocador" e "grosseiro" vai uma enorme distância.

Mas é incrível a frequencia com que as pessoas confundem as duas coisas... O afastamento de OC é culpa dele, de mais ninguém. Se soubesse manejar o temperamento tão bem quanto a inteligência, teria mais espaço. Mas é tão mais fácil botar a culpa nos outros e posar de vítima, némesmo?

ACT

ps - X, já abotoaste o paletó de madeira no guruzão? Que coisa feia.