sexta-feira, 15 de agosto de 2008

Se não me matarem, me suicido

Um jovem gravemente doente quis ter seu "direito de morrer" reconhecido pelo governo, e pediu para que seu tratamento médico fosse interrompido. Como seu pedido foi negado, suicidou-se.

Não aconteceu em Portugal, mas na França.

3 comentários:

a moça e o vento* disse...

"Não aconteceu em Portugal, mas na França. "

nao entendi a fina ironia....explica mr chose...

Mr X disse...

Hum... É que se ele podia ter se matado sozinho antes, não entendo porque queria pedir ao governo para que o matasse desligando seus aparelhos... Achei uma coisa meio lusitana...

Ou então é só essa coisa meio francesa de querer que o Estado resolva tudo pras pessoas, até o seu suicídio...

a moça e o vento* disse...

se vc tivesse uma doença incuravel, lhe impondo grande sofrimento fisico e moral, nao acharia justo que uma estrutura médica o ajudasse a exercer seu livre arbitrio ? sem mais sofrimento inutil ?
nao é a primeira vez que isso acontece por aqui;a belgica, holanda e luxembourg, ja tem leis que ajudam essas pessoas e suas familias a evitar mais dramas ...

vc nao concorda, claro, vai jogar alguma ironia bem escrita....pra mim, a possibilidade de eutanasia para quem precisa recorrer a essa alternativa, representa avanço social...ninguém vai pedir o suicidio como experiencia psicodélica, esteja certo.