sábado, 2 de janeiro de 2010

Islamophobia

Feliz Ano Novo a todos.

Iniciamos 2010 com um post continuando com a polêmica anterior, sobre o Islã. Alguns leitores, afinal, acreditam que eu seja demasiado crítico dessa religião. Será que sofro de islamofobia?

Vejamos as notícias de hoje. No Bombistão, digo, no Paquistão, militantes islâmicos mataram 88 espectadores de um jogo de vôlei, trucidando dezenas de adolescentes e crianças. Na Dinamarca, um muçulmano armado com um machado tentou invadir a casa do cartunista que desenhou um dos cartuns de Maomé. Na Nigéria, houve mais de 70 mortos em conflitos com islamistas. E é apenas o primeiro dia do ano.

Com todo o respeito, há muitas religiões esquisitas por aí. Judeus ortodoxos, hindus e budistas, mórmons, e mesmo os cristãos mais fundamentalistas, todos têm costumes que podem ser bastante estranhos. Mas que outra religião fora o Islã incita ao assassinato de um senhor de 74 anos e sua netinha de 5 anos pelo simples fato de ter feito um desenho, há quase quatro anos atrás? Que outra religião propaga-se através do massacre de inúmeros infiéis? Católicos e protestantes se odeiam na Irlanda, é verdade, mas será que se matam tanto quanto sunitas e xiitas em um único dia?

É verdade que a maioria dos muçulmanos não são terroristas. Também é verdade que a maioria dos terroristas são muçulmanos. Mas, mesmo que 99% sejam pacíficos, não há motivo para Europa e EUA aceitarem contingentes tão grandes de islâmicos em suas cidades. Por quê? Para quê?

Nosso amigo Bitt sustenta que eles foram trazidos como mão de obra barata para pagar as pensões dos europeus. Pode ser. Mas a conta não fecha. O custo da assimilação de imigrantes é maior do que sua contribuição aos cofres públicos. Isto é, os países desenvolvidos estão pagando para ter imigrantes do terceiro mundo. Enquanto é verdade que alguns se beneficiam com os trabalhadores braçais a baixo custo, também é verdade que os imigrantes rendem votos aos políticos. E essa talvez seja a principal razão para a sua importação massiva. Aliás, o próprio governo britânico confessou ser esse seu objetivo.

Na verdade, a imigração massiva de muçulmanos é um problema maior do que o terrorismo em si. Proporcionalmente, o terrorismo não mata muito. É uma arma de propaganda mais do que de guerra. Não são as mortes que contam, é o pânico que causa na população. De certa forma, tanto o fracassado atentado natalino no avião quanto o fracassado atentado contra o cartunista dinamarquês tiveram sucesso, mesmo falhando. Ocidentais vão ter cada vez mais inconveniências ao viajar de avião, e provavelmente não veremos tão cedo novas caricaturas de Maomé.

Islamofobia? Tenho sim.


15 comentários:

Henrique Lima disse...

Na CDC (Conferência de Destruição do Cristianismo) conversam dois marxistas-ambientalistas-gaysistas-etctristas: "vamos acabar com o cristianismo" diz Kinsey. - "isso mesmo, essas pessoas quadradas, com a sua religião criaram o capitalismo". "-E os islâmicos terroristas?" pergunta Ernesto Darwin. - "não podemos fazer nada contra eles e nem destruir a sua forma de protestar, carregada da originalidade de cultura primitiva do seu povo." responde Kinsey.

" A conferência vai começar, vamos que Khamenei vai começar a falar!"

Rolando disse...

Que realmente poucas décadas atrás houve uma demanda por mão-de-obra na Europa, isso é fato. Nem tanto para pagar a conta da previdência, pois esse é um problema percebido a partir dos anos 80 com o envelhecimento da população. Foi por falta de gente para executar serviços braçais.

Quando eram portugueses, espanhóis ou italianos, geralmente os filhos se aculturavam rapidamente e também deixavam de ocupar esses empregos mais baixos.
O mesmo ocorre com os imigrantes do extremo oriente. E ninguém reclama deles.
O problema é a qualidade da imigração. E convenhamos que é melhor receber gente do Leste europeu ou da América Latina, ou China e Taiwan, do que gente do Magreb.

Outro problema é a saturação. Embora, a taxa de fertilidade na Europa é muito baixa, a ponto de preocupar, não há mais espaço para receber imigrantes em escala industrial. Por questões geográficas e de crescimento econômico. Até porque se você abre anistia aos ilegais, como fez a Espanha, amanhã dobra o número de ilegais em busca de uma vaguinha.

Mas vale constar também que os ilegais sem documentos não contribuem para a previdência nem receita direta de impostos. Apenas nos impostos embutidos em produtos de consumo.

Chesterton disse...

Quw expulsem os islamitas (ou o0s convertam a força) e se querem imigrantes, que sejam cristãos. Governador Valadares está aí para tudo.

Carlos Magno disse...

Depois de longa e quente primavera e cáustico início de verão, volto a ler um post de Mr.X. Se disse a verdade do fundo do coração, o parabenizo, pois está super comedido, ao contrário dos tempos do PD, quando desejava que todos os muçulmanos explodissem!

Pois é Mr. X, com toda a certeza, muçulmano não é terrorista e terrorista não é muçulmano. São duas categorias diferentes que não cabem no mesmo saco, nem se misturam.

O problema principal é a manipulação, a coação pelas armas, a lavagem cerebral de idiotas e incapazes.

Como no Brasil, os traficantes são poucos, mas muito bem armados, e o pior, alimentados por um número assustador de viciados que são os principais causadores desse flagelo não somente brasileiro como mundial. Não houvesse consumidores, não haveria tráfico.

Assim nas religiões onde pululam extremistas e fundamentalistas. As religiões não são culpadas de homens nela se ancorar para exercitar seus íntimos selvagens e sanguinários. E o problema não tem solução a curto prazo, ou a solução será a explosão de nosso planeta?

Você sabia que os USA já estacionaram quase uma centena de grandes aeronaves de passageiros num antigo cemitério de aviões num de seus estados, prontinhos para decolar? Decolar para onde?

E já fabricaram 500.000 containers especiais protegidos contra radiação e onde cabem pelo menos quatro pessoas, ou corpos? E continuam fabricando e os enviando por todo o país? Para quê?

E continuam a escavar abrigos subterrâneos com instalações de ar refrigerado, luz e com alimentos não perecíveis estocados para milhares de pessoas? Abrigos para quê?

Acho que o conto da cigarra e da formiga vive a realidade. Enquanto uns cantam e dançam outros trabalham para suportar o inverno, ou inferno?

Abs. Carlos Magno

Rolando disse...

O problema hoje é que 90% dos terroristas são islâmicos. E sempre que ocorre um atentado, você vê gente ligada à religião, ou não, correndo para dizer que esta é uma "religião de paz".

Nisso eu concordo inteiramente com o Mr X, quem paga o pato são as pessoas que nada têm a ver com a história. Exemplo: a velhinha de 75 anos que além de ficar horas estacionada numa fila para ser revistada, não pode embarcar com seu cortador de unhas.

Quando ocorrem atentados do ETA, você logo vê manifestações de bascos, mesmo separatistas, condenando o ato. Lembro-me bem quando islâmicos celebravam nas ruas o 11 de setembro.

Quero ver se a comunidade islâmica da Dinamarca vai condenar veementemente o cara que entrou com machado na casa do cartunista a fim de vingar em nome de Maomé (parece que o profeta não é tão sobrenatural assim).

E outro problema sério, é que geralmente os islâmicos referem-se a si como a grande nação islâmica, mesmo estando em países seculares ocidentais. Daí dá para ver qual é o objetivo dos caras.

Concordo que a maioria não é assim. Mas tampouco parece estar do outro lado.

Chesterton disse...

SEXO ÁRABE.
G.M.M.
Uma namorada árabe moderna está preparando seu casamento religioso e visita um Mullah (dirigente religioso do Islã) para celebrar um matrimônio ao estilo muçulmano.
A futura esposa realiza a seguinte consulta:  - Nós sabemos que segundo a tradição do Islã, os homens dançam com homens e as mulheres com as mulheres. Porém, em nossa festa, gostaria de contar com sua permissão para que dancemos juntos...
ABSOLUTAMENTE NÃO!!!, diz o Mullah. Isso é imoral!!! Homens devem dançar com homens e mulheres com mulheres, segundo os preceitos do Islã!
 - Então, depois da cerimônia, eu não poderei dançar com MINHA ESPOSA? Pergunta o aflito noivo.  - NÃO!!!, sabes que isso é proibido no Islã.
 - Bom, se não posso dançar, que tal o sexo?...  - Ahhhhh, isso pode sim! Alá é grande!. No Islã, o sexo é muito bom..., com ele se pode ter filhos.
 - E..., este...podemos praticar em diversas posições?... - Alá é grande. Sem problemas, responde o Mullah. - A mulher por cima?... - Claro!- diz o Mullah. - Alá é Grande. Podem fazer!.
 - Sério!!!!!?...De costas?...De conchinha?...69?...96?...Tartaruga manca?... Pinto pastando?...De cachorrinho?...O peixe torto?...Vôo do condor?...Cangurú perneta?...Frango assado?...De quatro?...Ela cavalgando? De ladinho?...Como galo?... - Mas é claro! Alá é Grande!...
Na mesa?...Na cômoda?...No armário?...Na pia?…No tapete?...Na janela?...Na banheira?...No sofá?...No lustre?...Na rede?...Na cadeira?...Na escrivaninha?...  - Sim, sim, sim! Alá é Grande!.
 - Posso então fazer com minhas quatro esposas juntas, em colchão de água, com um vidro de óleo de amêndoas, com chantilly, acessórios diversos, videos degenerados?...  - Você pode, claro que sim! Alá é grande!...
 - Podemos fazer em pé?... - Não, não, não, não, não!!!... - De jeito nenhum em pé!!!
 - E porque não? - Pegunta surpreso o homem? - Porque podem se entusiarmarem e acabar dançando!!!!

Rolando disse...

Pegando o gancho do link no post, recomendo a leitura deste articulista do Telegraph. Pareceu-me bastante sensato em sua linha de pensamento.

http://blogs.telegraph.co.uk/news/edwest/9836877/I_admire_Islam_its_lefties_I_cant_stand/

Quanto aos USA, realmente não sabemos se devemos admirá-los por sua preocupação estratégica ou por seu fatalismo.

Rolando disse...

corrigindo o link:

http://blogs.telegraph.co.uk/news/edwest/9836877/I_admire_Islam_its_lefties_I_cant_stand

Rolando disse...

ops, não deu certo novamente. Mas o blog desse Ed West também é interessante.

http://blogs.telegraph.co.uk/news/edwest

Chesterton disse...

Mudando de assunto, alguem sabe
sobre isso?

http://www.youtube.com/watch?v=lPEx7GtuxFU&feature=PlayList&p=A4D06DD6D3FB5782&index=0&playnext=1

William Tell disse...

Se não me engano esse Codex entrou em vigor no dia 31 de dezembro de 2009. Que tipo de coisa entra em vigor na virada do ano, quando ninguém está olhando nem prestando atenção??? Coisa boa definitivamente não é. Até onde eu li foi um plano para regular alimentação, feito na década de 60.

Segue o link:

http://www.codexalimentarius.net/web/index_en.jsp

Chesterton disse...

From "Arbeit macht frei" to "Codex Alimentarius"


The entrance of the Auschwitz Concentration Camp


Just fifteen years after they were convicted in the Nuremberg War Crimes Tribunal, Bayer, BASF and Hoechst were again the architects of the next major human rights offences. In 1962, they established the Codex Alimentarius Commission.

(Remark made by the Dr. Rath Health Foundation)

This dark period of German history is inextricably bound to one man, Fritz ter Meer:

He was a member of the Managing Board of IG Farben from its inception to its dissolution. As the Wartime Manager, he was responsible for IG Auschwitz.

In the Nuremberg Tribunal, ter Meer stated: "Forced labor did not inflict any remarkable injury, pain, or suffering on the detainees, particularly since the alternative for these workers would have been death."

In 1948, ter Meer was sentenced by the Nuremberg Tribunal to seven years in prison for plundering and slavery.

In 1952, his sentence was commuted, due to the influence of powerful friends.

From 1956-1964, he was reinstated as a member of the Managing Board of Bayer AG.



In 1962, ter Meer was one of the architects of the "Codex Alimentarius"-Commission and one of the main designers of the schemes that would profit from human suffering.

(Remark made by the Dr. Rath Health Foundation)



The deceptive title "Codex Alimentarius" is no accident. It was devised by the same firms and indeed the same individuals, who gave the Auschwitz concentration camp inmates the deceptive slogan "Arbeit mach frei" ("Work makes you free").

(Remark made by the Dr. Rath Health Foundation)

As long as the Nazi infection continues to work its influence and threaten the lives of untold millions, no German has the right to proclaim that the Nazi era is finished.

chest- procure no google Carl Krauch + codex

Mr X disse...

Não sabia isso do Codex, quem sabe faço um post a respeito também. É o globalismo aqui e ali.

William Tell disse...

Infelizmente o tal do Codex parece ser muito pior do que só 'globalismo'.

Anônimo disse...

muita porcaria pra se ler!
só digito uma coisa o islamismo nunca vai acabar,e isso me cheira a preconceito de protestante!
vcs protestantes são uma maldita seita que gosta de trazer guerra religiosa para o mundo!