quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

Life's but a walking shadow

Em tempos em que ninguém mais parece preocupar-se com o Irã, e os EUA obâmicos já admitem aceitar a realidade de um Irã atômico - é bacana ler a incrível história de Totsumo Yamaguchi, o homem que sobreviveu a DOIS ataques nucleares. Sim: ele estava em Hiroshima em uma viagem de negócios no dia 6 de agosto de 1945. Surpreendido pela bomba americana, sofreu apenas queimaduras leves, e depois de ser tratado retornou no dia seguinte para sua cidade natal - Nagasaki.

Totsumo também sobreviveu ao segundo bombardeio - embora desde então reclamasse de uma ligeira surdez - e viveu até os 94 anos. Morreu recém agora em janeiro de 2010.

Se estão corretas as previsões de que ao menos uma bomba nuclear vai explodir em algum lugar do planeta nos próximos dez anos, é bom saber de alguém que sobreviveu não apenas a um, como a dois ataques.

Destino? Sorte (ou azar) incrível? Ou desígnio de Deus?

Existe também a história de Juliane Köpcke, única sobrevivente de um avião que explodiu em pleno ar ao ser atingido por um raio. O avião, que então sobrevoava a floresta amazônica, partiu-se em vários pedaços. A moça, ainda presa ao assento, caiu de uma altura de mais de três mil metros. No entanto, de modo inexplicável, sofreu apenas ligeiras escoriações, a quebra da clavícula, e um ferimento no braço que terminou infectado por larvas. Depois disso, ainda teve que caminhar durante dez dias pela selva amazônica, sem comida, até encontrar um povoado. Perdeu a família no acidente, mas está ainda viva e trabalha em um zoológico.

Há os que achem que a História seja apenas um acúmulo de eventos sem sentido. E há os que, no caos, tentam adivinhar algum tipo de ordem secreta.

Talvez as nossas mentes estejam criadas (ou tenham evoluído) para procurar um sentido em tudo, e por isso nos custa tanto aceitar que a vida não tenha - ou tem? - sentido algum.

Há os que acham que nada serve a coisa nenhuma. E há os que acreditam que tudo tem algum papel no Universo, até mesmo a menor das pedrinhas.

Tendo as duas possibilidades, prefiro - à maneira de Pascal - acreditar nessa segunda hipótese. Mas eu realmente não sei.

13 comentários:

DD disse...

Apenas hoje eu fiquei sabendo da existência do Prêmio Lênin da Paz, extinto em 1990. Vejam a história da coisa e os seus laureados:

http://en.wikipedia.org/wiki/Lenin_Peace_Prize

Um ou outro, parece, se salvam, mas é um desfile de filhos da puta, canalhas e idiotas úteis.

Edu disse...

Bom, eu sou um partidário da primeira... acredito que a vida não tenha sentido ou razão. Agora, não acho que o fato de a vida não ter sentido exclua o efeito borboleta, como vc coloca no seu texto. Alguns insignificantes acontecimentos podem sim influenciar grandes coisas (imagina se Hitler morresse na infância).

Estou lendo um livro chamado O Andar do Bêbado (em inglês, The Drunkard's Walk: How Randomness Rules our Lives), que trata exatamente sobre o que você discutiu: como nosso cérebro tenta buscar padrões em tudo, quando na verdade muitas coisas acontecem aleatoriamente. Ainda não terminei o livro, mas não sei se concordo 100% com o autor, que para provar o seu ponto de vista vê aleatoriedade em tudo... mas é uma boa leitura.
Uma curiosidade, o autor deste livro foi coautor de Brevíssima História do Tempo, com o Stephen Hawking

Rolando disse...

E quantos potenciais facínoras não terão morrida na infância?

Eu reconheço que também tenho minhas manias e procuro padrões em acontecimentos casuais. Mas X, você também "viaja" de vez em quando, hein?

Anônimo disse...

Na verdade, o nome original era Prêmio Stalin, mas os revisionistas soviéticos mudaram o nome. Aliás,se eu não me engano, Pauling,um homem honesto e esclarecido, dizia ter mais orgulho de ter recebido o Prêmio Lenin da Paz do que de ter recebido o Prêmio Nobel da Paz. Como eu costumo dizer, citando o velho lema do Partido: "Onde o Capital vive, a Paz não consegue sobreviver."
Tiago

Anônimo disse...

X, meio off topic mas é algo que te agradará
http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20100203/not_imp505479,0.php

Didi Iashin disse...

Eu creio, como Einstein, que Deus não joga dados com o Universo. E, como a Máfia, não creio em coincidências. Tudo tem seu tempo sob o céu, já dizia o Eclesiástico (sempre quis citar um versículo da Bíblia). Para prevenir emanações demoníacas ...

Mr X disse...

Prêmio Lenin/Stalin da paz? Só se for a paz dos cemitérios...

Mr X disse...

Rolando,
É apenas um post menos político e mais filosófico...

Anônimo disse...

E por falar em deus e deuses, por que um ser superior, onipotente, onipresente e onisciente manda um punhado de manés escreverem um livro em uma época que a maioria era analfabeta, só para provar sua (suposta) existência?
Não bastaria ELE mesmo convocar uma reunião e dar o recado pessoalmente?
Garanto que na mesma hora, todos passariam a acreditar na sua existência (se é que ele existe mesmo).
Pra mim, isso não passa de mais estória (sem "h" mesmo) e mitologia para frear o impeto de autodestruição do ser humano.
Quanto ao resto, são só coincidências aleatórias, nada mais.

Didi Iashin disse...

E eu "se" esqueci de falar que a história da Juliane foi a base de meu exame final no curso de inglês, faz bastante tempo. O professor/coordenador leu-nos a história e a gente teve de recontar, em inglês. E, desde então, eu não me esqueci da história do "siga o rio". Muito legal.

Anônimo disse...

"... EUA obâmicos já admitem aceitar a realidade de um Irã atômico - é bacana ler a incrível história de Totsumo Yamaguchi, o homem que sobreviveu a DOIS ataques nucleares. Sim: ele estava em Hiroshima em uma viagem de negócios no dia 6 de agosto de 1945. Surpreendido pela bomba americana, sofreu apenas queimaduras leves, e depois de ser tratado retornou no dia seguinte para sua cidade natal - Nagasaki."
Porque, como todo mundo sabe, foram os iranianos que bombardearam o Japão com armas nucleares. Ou vai ver que só quem pode ter armas nucleares é o único país a ter usado armas nucleares contra civis indefesos...
Tiago

Mr X disse...

Ó Tiago, para você se masturbar:

http://www.youtube.com/watch?v=FfoQsZa8F1c

http://www.youtube.com/watch?v=LxD44HO8dNQ

Anônimo disse...

E a URSS usou a bomba em quem? A URSS e as outras nações amantes da Paz sempre foram a favor do desarmamento nuclear (sem falar que a Tzar Bomb foi criada sob o revisionista Khruschev), mas o imperialistas nunca quiseram uma paz justa. Os racistas americanos queriam o monopólio da Bomba, pois assim poderiam continuar linchando negros e bombardeando os japoneses com armas nucleares (será que os fascistas americanos teriam ousado bombardear um país branco com armas nucleares?). Contudo, graças à liderança genial de Staline Mao, a URSS e a China se tornarã potências científicas e militares, capazes de frustar os planos dos agressores fascistas e defender a causa do Socialismo.
Tiago