terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

O dinheiro acabou

Durante muitos anos os EUA foram, e ainda são, os grandes Papais Noéis do Mundo. Financiar a reconstrução européia no pós-guerra? Feito. Proteger os europeus da ameaça nuclear soviética? Feito. Após a Queda do Muro, dar mais alguns bilhões para reconstruir o Leste Europeu pauperizado pelos comunas? Feito. Dar bilhões à África, América Latina para salvar seus habitantes de si mesmos? Feito. Salvar as vítimas de desastres naturais ou guerras em longínquos rincões do planeta? Feito. Ajudar os muçulmanos nos Balcãs contra os cristãos, e ainda lhes dar de presente um pedaço da Sérvia? Feito. Levar democracia ao Afeganistão e ao Iraque? Hummm...

Bem, muitos desses planos podem ter sido equivocados, mal-sucedidos ou até idiotas, e não se pode negar que em grande parte dos casos o interesse norteamericano falava mais alto do que o altruísmo puro e simples. Mas o fato é que, bem ou mal, gastou-se muito dinheiro em todas essas empreitadas. Nenhum outro país sequer chegou perto. Mesmo a União Soviética gastou pouco em exportar a sua Revolução, em alguns casos abandonando comunistas espanhóis e latinoamericanos à própria sorte.

Isso se explica, é claro, pelo fato de que nenhum outro país foi tão próspero, graças às virtudes do capitalismo, curiosamente tão criticado por alguns idiotas.

O problema é que, agora, o dinheiro acabou. Os EUA estão devendo até as calças. Não há mais vontade de dar dinheiro ao Haiti ou à África, de gastar dinheiro e vidas em guerras para levar democracia a povos que não a querem, de proteger europeus e sul-coreanos ingratos. O contribuinte americano está farto, e com razão.

Crise do capitalismo, como sugerem os energúmenos? Ao contrário! É a crise do welfare state. É o fim da idéia de que o Estado deva ajudar permanentemente todos os desvalidos e deslavados, os famintos e os fracassados, e forçar a igualdade entre indivíduos que não são iguais:

Every advanced society, including the United States, has a welfare state. Though details differ, their purposes are similar: to support the unemployed, poor, disabled and aged. All welfare states face similar problems: burgeoning costs as populations age; an over-reliance on debt financing; and pressures to reduce borrowing that create pressures to cut welfare spending. High debt and the welfare state are at odds. It's an open question whether the collision will cause social and economic turmoil.

Enquanto o welfare state se concentrava apenas em ajudar temporariamemte as pessoas menos favorecidas de um único país, a coisa não ia tão mal. O problema é que alguém decidiu que isso não bastava, que as grandes potências deveriam não apenas ajudar os pobres do seu próprio país, como os pobres de todo o mundo, seja dando trilhões em ajuda financeira, seja aceitando milhões deles como imigrantes e pagando-lhes a estadia, seja em esquemas massivos de transferência de renda como o "combate ao aquecimento global". Some-se a isso a crise demográfica, a jihad e o envelhecimento da população, e temos uma bomba-relógio. No outro dia, um colunista sugeriu que os EUA deveriam não apenas financiar a reconstrução do Haiti, como abrir as portas e receber todos os milhões de habitantes que quisessem se mudar para o Grande Irmão do Norte. Foi justamente escorraçado pelos comentaristas.

O problema é que, no welfare state, só uns poucos trabalham, mas pagam a conta para todo o mundo. Vejam estes gráficos sobre o gasto em welfare na Califórnia, e entendam porque o estado está quebrado. Capitalismo? Não, redistribuição de renda massiva, dos trabalhadores aos não-trabalhadores e ilegais!

E, no entanto, os Democratas continuam querendo gastar trilhões em planos "ecológicos" (leia-se, reduzir o tamanho da indústria americana), em planos de anistia para imigrantes ilegais (isso num momento em que há 15% de desemprego), e em planos de saúde para beneficiar os "menos favorecidos" (leia-se, trabalhadores mais uma vez vão arcar com a conta dos que não trabalham).

O pensamento dos políticos parece ser - o dinheiro acabou, mas ainda tem o cartão de crédito.

24 comentários:

Cfe disse...

Eu tb tive essa percepção de falência da socialismo quando começou a crise pq já vinha observando a gastança há muito tempo.

Testemunhei em Portugal (alguma coisa de Espanha tb) casos completamente absurdos como o pagamento, pelo estado, a juízes de futebol por apitarem jogos de campeonatos de bairros.

Outro: as mulheres que fazem aborto, para alem de terem o procedimento cirúrgico pago pelo estado, tem direito a um mês de licença (tipo pós-parto!) tb pago pelo estado e há mulheres que já fizeram vários depois da recente lei.

Anônimo disse...

"Não há mais vontade de dar dinheiro ao Haiti ou à África, de gastar dinheiro e vidas em guerras para levar democracia a povos que não a querem, de proteger europeus e sul-coreanos ingratos."
Verdade? A ocupação americana no Japão e na Coreia vai acabar? Já marcaram a data da retirada? As tropas americanas estavam fazem o quê mesmo lá? Combatendo Hiroíto? Será que o agressor americano vai assitir passivamente à queda de tudo quanto é regime fantoche dos americanos na Ásia? Vai ser divertido. Tiago

Mr X disse...

As tropas americanas estavam fazem o quê mesmo lá? Combatendo Hiroíto?

Não, os comunas da Coréia do Norte, e influência chinesa, você sabe muito bem, não se faça de otário.

Acho que os americanos vão sim eventualmente sair, os japoneses vão se armar com bombas nucleares, e quanto à Coréia, não sei, pode ir tanto para um lado quanto para o outro.

Chesterton disse...

O problema de um rearmamento japonês é todo da China.

Mr X disse...

http://blog.foreignpolicy.com/posts/2009/05/25/will_japan_go_nuclear

Didi Iashin disse...

Ai, Tiago ... Cada vez que ele escreve alguma dessas ... coisas, meu estoque de Eno diminui drasticamente ... Ele não lê nada de História, não?

c* disse...

ta copiando de spengler, hein chose ? :-))
as usual muita generalizaçao....

Anônimo disse...

"Ele não lê nada de História, não?"
O suficiente para saber que o agressor americano continua ocupando a Coreia e o Japão quase 65 anos depois do fim da Segunda Guerra. Sob a ridícula desculpa de proteger esses países (ouvi dizer que vender proteção dá dinheiro mesmo, mas também-em lugares civilizados- dá cadeia), as tropas de ocupação americanas sustentam regimes-fantoche. Fora com as tropas de ocupação americanas, Ásia para os asiáticos!
Tiago

Anônimo disse...

"agressor americano"

Quanto mais eu leio os esquerdas falsificadores da história mais eu tenho ataques de risos, hehehehe.
Eu acho que como as torres gêmeas -Pearl Harbour foi uma conspiração da elite militar yankee!!!

Mais valia

Rolando disse...

O texto pulula de uma coisa para outra.

No caso de ajuda financeira a países do outro lado do mundo, acho que os EUA têm mais é que não se intrometer, para o bem ou para o mal. Deixa os caras se pegarem para sentir falta dos imperialistas yankees. Deixa os conflitos nos Bálcãs serem resolvidos pelos europeus (acho que os franceses estariam discutindo até agora a ética e o relativismo de uma interferência). Deixa os africanos se matarem... e se comerem, em alguns casos. Os EUA têm que cuidar só da vizinhança, gente que não tem vergonha de dizer que gosta da ajuda deles. Cuidar dos Panamás, Costa Rica e Islândias da vida. Pro resto, deixa o circo pegar fogo.

Falando nisso, vocês já viram que desde que o Obama assumiu a presidência temos escassas notícias sobre o conflito palestino-israelense?

Quanto a welfare state, são outros quinhentos. Gastos sociais são necessários, desde que se tenham como investimento, e não como dependência. Claro, pagar juiz de futebol, ou transmissão de futebol (no caso da Argentina), e dar um mês de licença-aborto é o cúmulo. Aqui, o projeto de lei é para ampliar para 6 meses a licença-maternidade. Com isso teremos jovens recém-empregadas tendo filhos às pencas. E jovens recém-formadas sem conseguir emprego pois quem contrata dará preferência ao sexo masculino (logo inventam mais um sistema de cotas para a categoria). Nesse sentido eu concordo que alguém paga pelo outro.

c* disse...

"Falando nisso, vocês já viram que desde que o Obama assumiu a presidência temos escassas notícias sobre o conflito palestino-israelense? "



a frança propos a criaçao imediata de um estado palestiniano, enquanto esperamos "o acordo" e "as fronteiras"...

http://www.washingtonpost.com/wp-dyn/content/article/2010/02/21/AR2010022101601.html

DD disse...

Dentre outros fatores, a criação de um estado palestino não interessa especialmente aos radicais, visto que eles teriam de passar a agir dentro da Constituição, e não como bem entendessem, como hoje é o caso. Também haveria pressões externas para que o futuro estado se tornasse mais transparente quanto ao destino dado às ajudas internacionais, e seria o fim da farra de muita gente. Além disso, num cenário em que os judeus tivessem sido expulsos, imaginado por muitos egípcios e sírios, um estado palestino tornaria mais difícil a anexação desses territórios pelos países árabes.

Esqueçam: esse conflito não tem solução.

Klauss disse...

Tiaguito:

"Fora com as tropas de ocupação americanas, Ásia para os asiáticos!"

Eu digo: Fora daqui com os comunistas rábicos! Manicômio pros lunáticos!

E tenho dito.

Klauss disse...

Traduzindo:

O Tiaguinho reclama da ocupação americana em outros lugares, mas vem fazer a mesma coisa aqui na sessão de comentários...

Vê se a gente lá enchendo no Observatório de Imprensa ou vermelho.org???

Mr X disse...

É verdade, são duas coisas diversas o welfare interno e a ajuda econômica ou militar a outros países. Mas fazem parte do mesmo pensamento, de certa forma, uma tentativa impossível de equalização de resultados. O que é a ajuda econômica à África se não um welfare global? E, infelizmente, tem os mesmos efeitos negativos do welfare permanente, pois além da corrupção, assim os países não se desenvolvem através do trabalho honesto.

Tem outra, uma coisa é ajudar a pessoa temporariamente, mas na Califórnia, por exemplo, o sujeito pode ficar toda a vida encostado no welfare, sem nem mesmo ter a obrigação de procurar trabalho. Aí, claro que cria dependência e uma série de problemas sociais.

O problema é que, na prosperidade, todo mundo topa ajudar. Quando a coisa aperta, sai de baixo. Ninguém quer ver seu parco dinheirinho ser gasto em esquemas megalomaníacos de políticos. Por isso a rejeição aos gastos de Obambambama.

Mr X disse...

"Ásia para os asiáticos".

E por que não América para os americanos? Europa para os europeus? Esses são slogans proibidos pela esquerda, veja só.

De qualquer modo, os asiáticos não seguem esse conselho e estão se espalhando pelo mundo, aqui na Califórnia eles dominam as universidades. A continuar assim, serão a nova elite americana.

Didi Iashin disse...

Eu acho que como as torres gêmeas -Pearl Harbour foi uma conspiração da elite militar yankee!!!

Mais Valia,
Um professor xda Linguística da USP, em 1989, disse que os Estados Unidos sabiam do ataque japonês e ficaram na miúda porque precisavam de uma guerra para acabar com o "excedente" de gente que iria cobrar a sua parte no bolo depois do estouro da Bolsa de 1929. Como a recessão havia acabado e a prosperidade começava, os malvados americanos não queriam dividir a riqueza com muita gente. Isso, dizia o professor. Como ele era de esquerda, essas palavras valem tanto quanto uma nota de um real e cinquenta.

Mr X disse...

This is what I'm talking about:

http://www.dailymail.co.uk/news/article-1253151/Somali-woman-claim-benefits-burden-social-assistance-landmark-EU-ruling.html

Mr X disse...

É verdade, não tá tendo mais notícias sobre palestinos, estranho.

Confetta, vc já visitou o site fuckfrance.com? :-P Eles falam sempre notícias da frança lá.

c* disse...

chose,sou membro de fuckfrance desde 2003,quando villepin stressou na onu!
ja curti muito aqueles threads,rolaram alguns encontros de top members aqui numa brasserie infecte chamada the frogs...num deles uns carinhas nervosos vindos do texas, quebraram tudo,so de odio dos frenchies ! kkk
quase nao vou mais la, shon ta envelhecendo... e eu tbm...))

Henrique Lima disse...

Esse pessoal está lendo muito: "As veias abertas da América Latina"

Henrique Lima disse...

Esse pessoal está vendo muito "Avatar"

http://g1.globo.com/Noticias/Mundo/0,,MUL1502944-5602,00-ATIVISTAS+SE+VESTEM+DE+PERSONAGEM+DE+AVATAR+EM+PROTESTO+NA+INDONESIA.html

Mr X disse...

Quem é o shon?

c* disse...

ff's owner