sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

Dissonância cognitiva

Continuam os protestos pelo mundo árabe. A bola da vez é o Barein, mas também já houve protestos nos últimos dias na Líbia, Argélia, Iêmen e até no Irã. 

Continuo, de minha parte, sem me emocionar. Será que tais movimentos realmente levarão à democracia, à liberdade de expressão, aos direitos humanos, à maior amizade com os países ocidentais? Ou, ao contrário, levarão a maiores belicosidades, a mais terrorismo, a mais ódio contra Israel, EUA e Europa, ao estabelecimento da lei da sha'ria e ao supremacismo muçulmano? Tudo ainda está em aberto, é claro, mas no que se refere a essa parte do mundo é sempre bom ficar com um pé atrás.

O fenômeno da dissonância cognitiva pode ser definido como a presença simultânea de duas idéias completamente opostas na cabeça. É o que ocorre com muitos progressistas, e é de fato estranho que as suas cabeças não explodam. Um exemplo claro é no que se refere ao Islã. Seu coração lhes diz que estrangeiros morenos seguidores de uma religião não-cristã só podem ser pessoas do bem. No entanto, seus olhos lhes mostram muçulmanos constantemente atacando mulheres, gays, ateus, e todas as demais minorias e valores tão prezados por eles. 

Estes dias saiu a notícia sobre uma repórter americana, loira, feminista, que estava cobrindo com júbilo as manifestaçõs do "heroico" povo egípcio, que "lutava pela democracia" quando foi agarrada, espancada e abusada sexualmente por uma massa de pessoas no mesmo meio dos protestos. Epa! Esse é o mesmo povo de "heróis" que (segundo a mídia) quer "democracia", "direitos humanos", "igualdade para as mulheres", ou é outro? Ou era apenas uma forma culturalmente diversa de celebrar a queda do odiado ditador? 

"You gonna get raped"



Mas não espere que ela, ou qualquer outro progressista, aprenda. No mesmo momento em que Lara era "estrupada", choviam desculpas de leitores afirmando que não se pode culpar os muçulmanos como um todo por isso e blablablá. Como diz o pessoal da Dextra:
A idéia de que os esquerdistas possam aprender com as tragédias que suas idéias estúpidas criam é uma dos maiores absurdos em que os conservadores possam indulgir. Se pudessem aprender com os desastres provocados pela esquerda, não seriam esquerdistas em primeiro lugar, porque a lista de tragédias criadas por esta gente constitui a única lista de resultados concretos que o ideário esquerdista conseguiu produzir até hoje. Se Logan, como boa esquerdinha, já via os muçulmanos de forma geral com simpatia, mesmo sabendo, como certamente sabia, dos estupros das ativistas esquerdinhas ocidentais pelos 'palestinos' que elas vão tolamente tentar ajudar na Faixa de Gaza e na Cisjordânia, ou da epidemia de estupros de européias por muçulmanos em todo o continente, por que achar que ela mudaria de opinião depois do ocorrido? Só porque foi a vez dela agora também ser estuprada por uma multidão de supremacistas islâmicos árabes com quem ela certamente simpatizava?

O fato é que o povo muçulmano é, sob muitos aspectos, diferente do povo ocidental. "East is east, west is west, and never the twain shall meet," já dizia o Rudyard Kipling. E, quando se encontram, em geral dá confusão. O recente caos na Tunísia levou à fuga de milhares de refugiados para a Europa. Os italianos não conseguem deter os barcos cheios de imigrantes. Mas, quando finalmente chegam à Europa, você acha que de repente viram europeus da gema, interessados em comer croissant e ler Flaubert? Que nada, continuam querendo implantar a sha'ria, continuam realizando mutilação genital em suas mulheres, continuam favorecendo o terrorismo.

O fato é que também eles sofrem de uma forma de dissonância cognitiva. Querem o acesso às riquezas e o bem-estar do Ocidente e deixar para trás o marasmo e pobreza de seus países, ao mesmo tempo em que insistem em manter os mesmos costumes e usos que justamente são aqueles que deixam seus países natais no atraso. A continuarem assim, seu acesso às riquezas ocidentais será só temporário, pois uma vez que se tornarem maioria o novo país que ocupam se transformará em um outro Egito, uma outra Tunísia. Demografia é destino. Cultura também.

Sim, há indivíduos fenomenais como Ayaan Hirsi Ali que conseguem não somente deixar para trás essa "herança maldita" dos costumes tribais como até mesmo tornar-se pessoas influentes no mundo ocidental. E há muitos outros que estão interessados apenas em tomar conta de sua família e prosperar, sem fanatismos religiosos. Porém, a grande maioria é mesmo apenas uma massa amorfa que, se não pratica terrorismo, tampouco o condena; que se assimila apenas em um sentido superficial, mas continua usando seus véus e pensando em termos de Islã, kebab, Corão.

Recentemente, Angela Merkel, Nicolas Sarkozy e outros líderes europeus têm se manifestado contra o "multiculturalismo" e destacando em especial a falta de assimilação dos povos muçulmanos à sociedade europeia. Embora seja um passo adiante, o fato é que talvez ainda seja pouco. O que EUA e Europa precisarão fazer um dia, se quiserem sobreviver, será: ou limitar severamente a imigração, ou então limitar severamente o exercício do islamismo e do esquerdismo (que é, no fundo, o verdadeiro problema, o esquerdismo é a AIDS que enfraquece o organismo e o islamismo é só a doença oportunista que o ataca). Mas também os políticos sofrem de dissonância cognitiva, não conseguindo conciliar os ideais de liberdade absoluta com os ideais de defesa da cultura da nação. (E, de fato, é uma equação difícil. Não sei se tenho uma resposta para ela...) 

No mais, não é que uma severa política de impedimento à imigração me ajude muito. Não sou nem europeu nem americano nativo e, francamente, só me beneficiaria se Europa e EUA abrissem suas porteiras para o povão. Preferiria que eles dessem preferência a brancos cristãos, como seria natural em um mundo são, e que além de tudo me daria uma vantagem sobre as turbas enfurecidas do Egito, mas se preferem muçulmanos e mexicanos tampouco me interessa.

O fato é que eu também sofro de dissonância cognitiva. Embora escreva sobre profundos ideais conservadores, na vida prática não consigo realizá-los efetivamente; falo sobre dilemas americanos ou europeus mas sou apenas um cucaracha latinoamericano no exílio... 

Sim, tudo é certo logo que o não seja. 
Amar, teimar, verificar, descrer. 
Quem me dera um sossego à beira-ser 
Como o que à beira-mar o olhar deseja. 

(F. Pessoa)

29 comentários:

Mr X disse...

O primeiro a citar Olavo de Carvalho é mulher do padre! :-P

Sério, se quiser fazer comentários sobre o Olavão, fazer de preferência no post abaixo, onde segue a discussão.

Chesterton disse...

Essa mulher tem cara de:
"foda-da-me-plis".

Augusto Nascimento disse...

Ainda bem que os regimes defendidos pelo governo americano nunca usam da violência. Aliás, as Forças Armadas americanas são acusadas em casos de abuso sexual contra crianças e mulheres no Japão (é, a URSS já saiu da Alemanha, mas os EUA ainda não saíram do Japão-deve ser para proteger as proverbiais colegiais japonesas contra Godzilla). Mas, evidentemente, gente branca em uniforme (lembram-se do tenente Calley?) do Império só pode ser "gente do bem"!

cherokee disse...

De novo a culpa é do Bush...

Mr X disse...

E por falar em "gente branca do Império", sei que muito tem ojeriza a comentários sobre genética, mas vejam que interessante:

<a href="http://www1.folha.uol.com.br/ciencia/877676-dna-de-negros-e-pardos-do-brasil-e-60-a-80-europeu.shtml>DNA de negros e pardos no Brasil é de 60 a 80 por cento europeu</a>

Segundo o artigo, parece que o "branqueamento" defendido pelo glorioso Imperador deu parcialmente certo:

"Do ponto de vista histórico, o trabalho deixa claro que a chamada política do branqueamento --defendida por estadistas e intelectuais nos séculos 19 e 20, com forte conteúdo racista-- acabou dando certo, diz Pena."

Mr X disse...

Essa mulher tem cara de: "foda-da-me-plis".

Pelo menos ela é "democrática" e, ao contrário do AN, não tem preconceito nem com soldados americanos. Segundo rumores, teve casos com mais de um deles enquanto cobria a Guerra do Iraque (isso ao mesmo tempo em que "denunciava as tropa americanas", e enquanto seu marido e filhinho de dois anos estavam na América)

Lara Logan: Baghdad Sex Scandal

Augusto Nascimento disse...

"De novo a culpa é do Bush..."
Não, mas é estranho que só "estrangeiros morenos seguidores de uma religião não-cristã" sejam maus (pensando bem, por essa lógica, as colegiais japonesas- a não ser que sejam da minoria cristã, mas não creio que os estupradores tenham perguntado- tiveram o que mereceram: isso é por Pearl Harbor, ordinárias!).

Augusto Nascimento disse...

"Segundo rumores, teve casos com mais de um deles enquanto cobria a Guerra do Iraque"
Ao estilo de Abu Ghraib. Ou ela se vestia de colegial japonesa?

Mr X disse...

Não obtante minhas reticências em relação ao islamismo, observo que nada tenho contra colegiais japonesas, muito ants pelo contrário...

isso é por Pearl Harbor, ordinárias!

Lembrou aquela piada:

Um coreano e um judeu americano se encontram no bar. O judeu, já bêbado, dá um soco na cara do coreano:
- Isto é por Pearl Harbor!
- Mas eu sou coreano! Quem atacou Pearl Harbor foram os japoneses.
- Japonês, coreano, chinês, é tudo a mesma coisa!
Daí a pouco o coreano toma mais umas e outras, e dá um soco na cara do judeu.
- Pois isto é pelo Titanic!
- Mas espera lá! Quem afundou o Titanic foi um iceberg!
- Iceberg, Rosenberg, Goldenberg, é tudo a mesma coisa!

Augusto Nascimento disse...

Eu conhecia essa piada,gosto muito dela.
Falando em piadas, essa é um pouco injusta: http://www.srcoronado.com/smf/index.php?topic=3361.0;wap2
Essas nem tanto: http://www.allrussias.com/jokes/stalin_01.asp
"Não obtante minhas reticências em relação ao islamismo..."
E o xintoísmo? É uma religião da paz? Deve haver templos xintoístas um pouco perto de Pearl Harbor...

maisvalia disse...

E o OdeC, não vai entrar?

Xi, errei, hehehe

Augusto Nascimento disse...

É mulher do padre.

Augusto Nascimento disse...

Ou mulher lá do sheik, sei lá.

Chesterton disse...

OF topic, recebi um e-mail do Ronaldo hoje escabroso. Imaginem só, eu, que detono estou meio constrangido de postar o link.

Mr X disse...

Qual Ronaldo, o "fenômeno"?

Anônimo disse...

olha e deleta

http://peganaminhaebalanca.wordpress.com/2007/08/05/muito-engracado-a-verdade-sobre-ronaldo-na-copa-da-franca/

Augusto Nascimento disse...

Pessoal, terei que fazer outra viagem a serviço. Não sei quando poderei dar notícias.

maisvalia disse...

De novo AN.

Assim o blog perde a graça, hehehe

Mr X disse...

AN, você é caixeiro-viajante?

Mr X disse...

E esta? Um afegão, Said Musa, está sendo condenado à morte pelo governo do Afeganistão simplesmente por ter se convertido ao cristianismo:

http://www.nationalreview.com/articles/print/260155

Essa é a "democracia islâmica" que os EUA estão pagando com bilhões de dólares e a vida de seus soldados, a maioria deles cristãos. Incrível.

Augusto Nascimento disse...

De um celular emprestado:
Não, mas, de vez em quando, preciso viajar para fazer ajustes com clientes e forrnecedores ou fazer contatos com outras operações locais.
Quanto ao Afeganistão: a grana saudita foi muito bem investida! Desde os tempos em que Bush pai proibia que soldados judeus orassem em solo saudita, o investimento tem rendido.

Edu disse...

Gente, vcs me deixam com o coração dividido:

Se por um lado é legítimo um povo lutar para melhorar as condições de vida em seu próprio país, por outro lado essa legitimidade se torna inválida a partir do momento que essa mudança não segue um código de ética como por exemplo a ausência de violência e/ou estupro.

Pra mim desde que o mundo é mundo, em situações onde as pessoas estão formando uma massa com um objetivo comum, um espaço à agressividade do ser humano mais primitivo aparece e esse tipo de coisa acontece mesmo. Pode ser o país mais civilizado do mundo, pode ser um grupo de monges tibetanos.

O problema é que no mundo não há uma lei comum (entenda-se, aceita por todos os países) esclarecendo estas questões, e também não há como identificar os culpados por tais atos e julgá-los com base nesta lei, ainda mais em um país cujo regime está sendo trocado à base da porrada...

Ainda assim, sou à favor que as pessoas encontrem uma forma para se sentirem melhor representadas, e isso, no caso do Egito, estava claramente sendo privado delas.

Abraço a todos

maisvalia disse...

Esta é para o AN sair espumando, hehehe

FHC.

O senhor acha que ele não tinha um projeto para o Brasil?

O que tinha, esqueceu no caminho. Adotou o que existia, não o que ele havia proposto. Até me pareceu interessante o Lula no Fórum Social no Senegal, que é o fórum contra a globalização. Ora, o Lula foi o presidente que mais ajudou o Brasil a se globalizar. Aderiu inteiramente. Eu não estou criticando por ele ter feito a adesão. Estou criticando a mudança, essa inconsistência. Ele não tinha um propósito. Este já havia sido dado pela sociedade. Ele assumiu aquilo e como que surfou na direção que a sociedade estava apontando. Não contrariou para mostrar que tinha um objetivo e a força de mudar algo em curso para chegar ao seu objetivo.

No mundo, as pessoas hoje pensam mais no poder do que em um projeto de Nação?

Vamos pegar o que aconteceu nos Estados Unidos no século 18. Bem ou mal, aqueles líderes definiram um caminho, criaram a declaração universal da democracia, a Constituição americana, adotaram as concepções de Montesquieu e por aí foram. Tinham uma visão de futuro e aquilo marcou tudo. Mesmo um tipo como Napoleão, que é o oposto da coisa americana. Aqui, José Bonifácio tinha essa percepção e sabia o que queria. D. Pedro II, se não tinha uma visão, alguma ideia ele tinha de que tinha que civilizar isso aqui. Eu acho que alguns presidentes brasileiros tiveram, como o Getúlio: você pode não concordar com a visão dele, mas ele tinha noção de Estado herdada dos positivistas, autoritária e tal. Alguns tiveram uma certa noção, desenharam o que era possível para o País, mesmo que não tivessem uma coisa tão fundamental como os grandes pensadores americanos.

Mr X disse...

Agora é a vez da Líbia. Não vou ficar triste se o Kadafi cair.

Gunnar disse...

O esquerdismo foi tão eficiente na disseminação de sua mensagem (ou melhor, anti-mensagem) que mesmo quem se diz de direita ou centro-direita está contaminado pela baboseira politicamente correta, multiculturalismo, anti-cristianismo, pró-islamismo, etc.

É assustador.

...


E ontem à noite, saindo à rua por menos de 2 horas, vi a cara nojenta do txê - estampada em roupas, bolsas e afins - uma meia dúzia de vezes.

Augusto Nascimento disse...

Ainda sem acentos.
Getulho-para usa a grafiade Sader- era tão positivista que restabeleceu o ensino papista, revogou as constituições revolucionarias e criou o culto estatal de Maria! Falam de Lula, mas FHC teve oportunidade de estudar: por que não fez?

Ana Beatriz disse...

As pessoas são horríveis mesmo, e quando se juntam, virando multidão, elas mostram que são capazes de muita crueldade. Existem estudos sobre isso, lembro de ter lido La Psychologie des Foules de Gustave le Bon. O que se vê em guerras é que pessoas que anteriormente não tinham um comportamento criminoso passam a estuprar e pilhar. É como se a ocasião fizesse o ladrão. Na verdade, não acredito nesse ditado, acho que essas pessoas já eram assim, só que socialmente procuram se reprimir, mas quando têm chance...

Não sei se vocês já viram uma situação assim: há coisa de uns anos, passando na rua, vi um amontoado de pessoas gritando "Pula! Pula!", olhei para cima e havia um homem querendo se matar pulando a janela. Um babaca deve ter começado a gritar aquilo, e o resto da manada continuou. É triste que as pessoas sejam assim...

Mais disse...

Errei

Mr X disse...

É por isso que eu evito as multidões...