quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Berlusconi, as mulheres e o Islã

Berlusconi, o político que os italianos adoram odiar, deve acreditar nas teorias que dizem que o poder é um afrodisíaco. Um improvável Don Giovanni, com sua calvície e seus já quase 75 anos, no entanto teve nos últimos anos uma série de badalados escândalos sexuais, desde festas com jovens modelos na sua residência a um recente caso suspeito com uma stripper marroquina menor de idade que atende pelo nome de "Ruby Rubacuori", ou Ruby Roubacorações.

Mas Berlusconi, que perdeu a esposa e pode perder o governo mas não perde a piada, saiu-se com esta: "melhor estar apaixonado por belas garotas do que ser gay." Hilariante. Conseguiu irritar esquerdistas, gays, feministas, intelectuais e quase toda a corja politicamente correta de uma tacada só.

No entanto, o que há de errado em seu pronunciamento? Se os gays são orgulhosos de serem gays, por que um heterossexual não pode ser igualmente orgulhoso? Do ponto de vista dos gays, é melhor estar apaixonado por belos rapazes do que ser hetero. Por que não vice-versa?

Enquanto isso, a cunhada do Tony Blair converteu-se ao islamismo. O curioso é que a tola sequer leu 60 páginas do Corão, e pouco parece saber sobre a religião em si. Tampouco converteu-se por casamento. O que explica a conversão?

Muito simples: queria aparecer. Feminista na juventude, a senhora parece ter tido uma crise de consciência após um divórcio penoso, vendo-se sozinha e desesperada. Acontece com muitas mulheres "liberadas", que posteriormente voltam-se à religião. Pensem em Mara Maravilha ou na Tiazinha, que agora são crentes. Mas, se no Brasil retornam ao cristianismo (normalmente alguma denominação evangélica), o mesmo não acontece nos países europeus, onde preferem religiões "exóticas" ou ao menos não-ocidentais como o hinduísmo, o budismo ou até mesmo o islamismo. Lauren não é a primeira feminista convertida ao islamismo, não. Talvez algum dia as vedetes de Berlusconi façam o mesmo. Quem diria: o feminismo e a liberação feminina termina por conduzir ao Islã, a religião que mais reprime as mulheres.

Mas por que, ao contrário das strippers marroquinas, o cristianismo não seduz mais? Nada mostra melhor a decadência do cristianismo na Europa do que essa rejeição às próprias raízes, e a busca ilusória de uma "verdade" alheia, não-ocidental. Como disse Chesterton, quem não acredita mais em Deus passa a acreditar em qualquer coisa. Vejam o caso deste pobre casal suiço, que resolveu celebrar suas segundas núpcias em um país muçulmano (Maldivas) e, sem conhecer o idioma local, foi sem saber humilhado e insultado em uma tosca e falsa cerimônia religiosa. Tudo filmado e colocado no Youtube. Enquanto acreditavam estar ouvindo sábias palavras orientais, estavam na verdade ouvindo o regulamento do hotel, sendo chamados de "porcos infiéis" e ridicularizados pela própria ingenuidade.

Assim caminha a humanidade.

Berlusconi: melhor ser hetero.

21 comentários:

Rolando disse...

Pô, justamente ontem, ao querer saber um pouco mais da Bulgária, já que a senhora Dilma deu uma de Lula ao dizer que pode ser a primeira búlgara a fazer sucesso fora do país, fui ler sobre esse singelo país.

E soube que lá mais de 12% da população é muçulmana, sobretudo nas províncias do sul, por influência otomana seguramente. E resulta que em uma ou duas delas, muita gente andou trocando seus nomes islamizados por nomes cristãos ou eslavos. E que muitos filhos não seguem a religião dos pais, optando pelo catolicismo oriental.

E hoje, leio o motivo do absurdo massacre dos cristãos caldeus (ou nestorianos) de Bagdá. Segundo a milícia filiada a Al-Qaeda, a partir de agora os cristão são alvos legítimos de atentado porque duas mulheres coptas, que se converteram ao islamismo, foram "internadas" num mosteiro. Ou seja, para duas detenções, uma cinquentena de mortos de um outro país, pelo simples pecado de professar a mesma religião (nem mesmo a mesma doutrina).

Se pegássemos então a moeda de troca dos terroristas, a taxa de câmbio para um atentado como o do 11 de setembro ou o de Madri seria então no mínimo bomba atômica em Medina. E a próxima seria em Meca, só para ficarem espertos.

Ainda acho que já que Bush cometeu a asneira de invadir o Iraque, o melhor teria sido criar um enclave árabe-cristão no meio daquelas gentes. No mesmo estilo de Israel, governo laico, porém reconhecendo o cristianismo como religião alicerce do país e concedendo cidadania a todo árabe cristão que queira lá morar/refugiar-se.

Mr X disse...

Anos atrás o Líbano tinha sido criado justamente como enclave cristão no Oriente Médio, mas hoje os cristãos são minoria. É difícil manter uma minoria não-muçulmana por lá, a não ser pela força das armas. Israel que o diga.

Chesterton disse...

Hilário, o Berlusca. Sou fã dele. Manda todo mundo se lascar.
Olha, os muçulmanos precisam de neo-colonialismo, para o bem deles.

Agora, Mister, olhe esse blog, que explica bem o problema da garotada num "Woman´s World".

http://silviokoerich.blogspot.com/

Rolando disse...

Mas o Líbano não foi exclusivamente um enclave cristão. Foi mais bem um enclave ocidental. Porque lá já havia grupos xiitas e drusos. E o poder já era compartilhado.

Mas lembro-me de um amigo do 2º grau. Seu avô era palestino e cristão. E me dizia que lá na Palestina cristão era maioria. De fato era, pelo menos em várias cidades como Belém. Hoje, a maioria dos cristãos se mandou de lá, porque o conflito entre israelenses e palestinos tornou-se entre judeus e islâmicos. E que eles começaram a sofrer muitas represálias e patrulhamento.

Semana passada vi por acaso um documentário francês no TV5 sobre a Suécia. Já no fim dos anos 60, este país conhecido por abrigar refugiados, dava abrigo a palestinos, sírios, turcos e egípcios que professavam o cristianismo. Francamente, basta ler a história e entender que as civilizações cristã e islâmica sempre estiveram em choque. Desde a cruzada. Essa comunidade cristã no Iraque já é relatada no livro de Marco Polo. Aliás, ele não fazia menção raivosa aos maometanos em si, como os iranianos e povos do Afeganistão, mas em seus textos destila ódio feroz contra os sarracenos - entenda-se os árabes do oriente médio. Desde aquela época já se dizia que não eram confiáveis, cruéis, sanguinários e sempre prontos a te apunhalar pelas costas.
Realmente, em nome de que os europeus resolveram importar muçulmanos para seus países? Mão-de-obra barata encontra-se em qualquer parte. Foram buscar sarna para se coçar. Eslavos balcânicos há séculos sabem disso.

Mr X disse...

Chest,
Se o sujeito não é bonito, tem uma opção, ser rico. Como o Berlusca.

Este vídeo explica muito bem como funcionam as mulheres:
http://www.youtube.com/watch?v=1lV5lnYlR58

Mr X disse...

Curiosidade: por que as mulheres são (em geral) mais de esquerda do que os homens? Por que, muito embora a avalanche Republicana nas eleições americanas, quase todas as candidatas mulheres Republicanas perderam?

Essas e outras dramáticas indagações em um novo post, muito em breve.

Rolando disse...

Mas no Brasil não é o eleitorado feminino que tem um pouco mais de aversão ao Lula?

Eu vejo que a maioria das mulheres é despolitizada. 90% das "companheiras" são mulheres feias, excluindo aquelas ripongas naturebas que a gente encontra na universidade. Mas se continuam depois na esquerda, torna-sem feias por não se cuidar e perder a vaidade.

c* disse...

misoginia pouca é bobagem....

Gerson B disse...

Uma correção: foi a Feiticeira, e não a Tiazinha, que virou crente.

brutus disse...

Outra correcao, aqui na faculdade onde estudo tem um Libanes que diz que o Libano eh um pais de maioria crista. Cerca de 67% da populacao.
Ainda diz mais, que as muculmanas curtem andar pra onde tem maioria crista, pra dar uma de vez enquando!
Agora se eh verdade....

flw

Mr X disse...

67%? Talvez nos anos 30. De acordo com a Wiki, a população cristã hoje não chega a 38%.

Quanto a Feiticeira e Tiazinha, segundo o link, foram ambas que se converteram.

Mr X disse...

Poxa, confa, num leve a mal... É que o blog tá virando um clube do bolinha, quase só tem voce de mulher por aqui. Outra questão a se debater.

Mas mulheres do que homens votaram na Dilma, há alguma pesquisa a respeito?

Anônimo disse...

Cadê o Augusto Nascimento? Pelo jeito não entende de mulher...

Chesterton disse...

Mr, leia o blog dele todo , tem coisa s hilárias.

Alguem sabe o nome de uma mulher horrorosa que puseram ao lado da Dilma (para parecer menos feia?) logo após as eleições?

Mr X disse...

Aha! O velho truque de sair com uma amiga mais feia para ficar ou parecer mais atraente...

;-)

Rolando disse...

Três coisas:

1. Augusto Nascimento não opiniou porque Julio de Castilhos não era chegado no assunto.

2. Poxa, a Confetti ultimamente vinha concordando com as minhas opiniões, logo ela imaginariamente estava ficando cada vez mais atraente.

3.Vocês sabem que a Dilma não vai morar no Palácio do Alvorada, né?

Vai morar no Palácio do Jaburu! Mas falando sério, mostraram uma reportagem com a mãe dela, quando jovem muito bonita. Também mostraram uma prima búlgara de 2º grau. Dá para ver que o lado Jaburu veio da Bulgária.

Augusto Nascimento disse...

"Augusto Nascimento não opiniou porque Julio de Castilhos não era chegado no assunto."
Realmente, ele não era nenhum Berlusconi-ou Bento XVI, aliás. Júlio de Castilhos, o maior estadista brasileiro, não fazia o estilo "terror dos(as) coroinhas" que os "conservadores" brasileiros tanto amam. Augusto Comte chamou os homens ao respeito às mulheres-a melhor parte das pátrias, como disse o positivista Rondon.

Klauss disse...

Porra, gente, pra que invocar o capeta? Quando fala demais ele aparece!

Chesterton disse...

O Reinaldão recomendou um filme que baixei na internet, acho que vão gostar

http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/os-honoraveis-assassinos-uma-parabola-do-nosso-tempo/

Mr X disse...

Já assisti, tempos atrás. E o Tropa de elite 2, É BOM?

O Reinaldão não gostou, mas muita gente do bem achou bom.

Gunnar disse...

Em termos "ideologicos", o TdE II é uma tentativa do Padilha de fazer as pazes com a esquerda. Uma pena. Cinematograficamente, no entanto, é um p*** filme, ótimas atuações, excelente direção, denso, trama densa, mantém a tensão do começo ao fim.