domingo, 1 de abril de 2012

Imigração, ou: O Dilúvio, ou: Salve-se quem puder

Leio uma história abjeta sobre imigração no LA Times (Conte com este jornal para as mais lacrimejantes histórias sobre pobres imigrantes mexicanos ilegais oprimidos pelo sistema). Resumindo, é o seguinte: um imigrante ilegal morou vários anos nos EUA. Encontrou uma drogada branca white trash que já tinha 4 filhos com pais diferentes. Teve mais três filhos com ela enquanto dedicava-se a pequenos trabalhos, recebia assistência social do governo (como, se seu status era de ilegal? mistério) e dirigia sem carteira. Preso, foi deportado. Pouco depois a mãe drogada perdeu a custódia das crianças, por incapacidade. Felipe (ou Pedro, não lembro) quer que as crianças venham com ele para o México. Mas, vejam só a ironia do destino, os assistentes sociais não querem. Preferem que as crianças fiquem nos EUA e sejam adotadas. Um dos motivos alegados é que as condições de vida no México não são boas para uma criança... Pedro (ou José) não quer ser afastado de seus filhos, e garante que cruzará a fronteira de novo ilegalmente.

Tenho uma visão ambígua sobre a imigração. Sou um imigrante e às vezes acharia bom que fosse possível para qualquer um (ou bem, qualquer um com diploma e bons antecedentes) se estabelecer e trabalhar nos EUA, no Canadá, na Austrália, na França ou na Itália ou, vá lá, até no México se fosse o caso. Às vezes imagino um mundo de fronteiras abertas, sem vistos ou complicados processos de imigração, e penso que facilitaria muito a minha vida. Por outro lado, o problema com essa teoria é a lei da oferta e demanda. Há muito mais pessoas querendo morar nos EUA e na França do que no México ou na Zâmbia. E se o requisito passa a ser apenas que "as condições de vida no Terceiro Mundo não são boas", bem, isso justificaria a mudança de 90% da população do planeta para os poucos países de Primeiro Mundo ainda existentes.

O problema é o seguinte. Imigração massiva de terceiromundistas transforma onde quer que eles vão em Terceiro Mundo. Ilude-se quem acha que basta cruzar a fronteira para transformar-se num cidadão de bem e cumpridor das leis. O México é o México por alguma razão. A lógica dos imigrantes e dos esquerdistas é que os imigrantes têm direito a buscar uma vida melhor. Certo, mas o que na verdade acontece é que muitos deles tornam a vida pior para os nativos do Primeiro Mundo, incluídos aí os esquerdistas. Não é que os mexicanos nos EUA ou os muçulmanos na Europa irão transformar-se em americanos ou europeus da gema por mágica da geografia, mas o contrário, que transformarão seus novos habitats em reflexo de sua própria cultura.

Que tantas pessoas não consigam entender esse fato elementar é um dos grandes mistérios  da era moderna.

Quem ganha com a imigração massiva do Terceiro Mundo para o Primeiro? Muito fala-se sobre as tais elites globalistas, que às vezes é eufemismo para outro grupo Inominável, mas custo a ver como ganhariam com um mundo que fosse todo ele como uma África, uma América Latina ou um Oriente Médio. Um mundo assim, em que a Europa e EUA se indiferenciassem da América Latina seria pior para os americanos, para os europeus, e até mesmo, em última análise, para os mexicanos e zambianos, que não mais poderiam receber qualquer tipo de ajuda. Seria ruim para brancos, negros, amarelos, judeus, muçulmanos e budistas. Para gregos e troianos. Enfim, seria um desastre! Não haveria nem mesmo para onde emigrar, fora quem sabe algum outro planeta.

Qual a solução? Uma delas seria a de privilegiar a entrada de imigrantes mais qualificados, e limitar a de imigrantes-problema. O Canadá parece ter uma política imigratória melhor do que a dos EUA (onde a vinda de imigrantes qualificados é dificultada e a permanência de ilegais é privilegiada). Exige-se um certo número de anos de estudo, bem como várias outras qualificações. Por outro lado, mesmo as grandes cidades do Canadá hoje transbordam com refugiados muçulmanos, e prevê-se que o seu número aumentará. Qual será o ponto-limite após o qual um país muda sua cultura irreversivelmente?

A imigração, naturalmente, é só a porta de entrada. As novas gerações já não são mais de estrangeiros, mas de cidadãos legítimos que nem podem ser deportados. Os simpáticos jovens da "Guns and Shanks Gang", que tanto contribuem para o futuro da Inglaterra, são, segundo as leis, britânicos da gema.

Bem, como disse certa vez Luís XV (ou talvez sua amante a Madame de Pompadour), "depois de mim, o dilúvio". A mentalidade de muitos imigrantes (inclusive, provavelmente, a minha) é apenas a de melhorar a própria vida, não a de se preocupar com o futuro das nações ou do planeta.

O Primeiro Mundo, isto é, este pequeno grupo de países privilegiados pelo QI de sua população, pela sua cultura, pelas suas leis e pelos seus séculos de desenvolvimento civilizatório, talvez tenha sido uma aberração histórica. Penso que no futuro os Estados-Nação se desmantelarão, e voltaremos a uma espécie de feudalismo, com pequenos grupos de pessoas mais ricas e espertas encasteladas em fortalezas e, lá fora, rugindo, as hordas de bárbaros.

24 comentários:

Anônimo disse...

Num país DESGOVERNADO PELO SIFU, RELAXA E GOZA, por uma imensa quadrilha de amorais, cheio de corrupções e mentiras, é até perdoável que um jovem ignorante e desinformado, possa se deixar envolver numa vergonha destas.
O boçal ignorante devia lembrar que podia ser seu avô...

Se em público, ofende gravemente um velho, faça-se um idéia o que não faz com seu avô, no privado.

O Brasil está moralmente liquidado.
Nem daqui a 1000 anos, voltaremos a ser uma nação de gente decente.

Eis aí o idiota que cuspiu no rosto de uma pessoa de mais de 80 anos.

A peça se chama Luiz Felipe Garcez.

A namoradinha dele trabalha na Marinha.

Já se pode entrar com um processo na justiça contra ele. É um covarde, canalha, agitador e baderneiro, além de vagabundo, pois certamente não trabalha, a fim de ficar à disposição de mandantes que por qualquer 100 reais, têm por objetivo afrontar as leis, causando o desgaste da democracia.
Cadeia nele!

http://youtu.be/DQrpaQCBEeo

1 de abril de 2012 14:55

Autor desconhecido disse...

''O México é o México por alguma razão''

Que isso X, tá driblando melhor que o robinho hein? Que pedalada!!!rsrsrs

O futuro de grande parte da Inglaterra é virar o Rio de Janeiro, uma minoria branca encastelada e doida 99% liberal comunista e o resto de barbárie e ignorância idiota reinante.
Só que o Rio de Janeiro não é o ponto final...

Autor desconhecido disse...

No caso dos EUA eu prevejo que o país irá se balcanizar, a maioria dos brancos americanos fugirão para o interior e criarão uma nação a parte, a partir disso o país se dividirá, Mexifornia ou se transformará num país, ou será incorporada pelo México ou se manterá dentro da ''união'' americana mas com novo status, os estados americanos se transformarão em repúblicas soviéticas, com idiomas, leis, etnias e raças próprias. Pensando romanticamente, poderá ser assim.
O caso europeu poderá ser parecido, áreas urbanas tomadas pelos imigrantes, criação de ''heartlands'' em áreas do interior e se os europeus deixarem de ser moscas mortas como tem sido nesses últimos anos, essas heartlands serão áreas, primeiro de resistência e segundo, estratégia para reconquistas futuras. A Europa Ocidental inteira viverá a experiência dos ibéricos. Talvez no futuro,tal como aconteceu no passado,depois da reconquista os ''novos ibéricos'' se lancem ao mar de estrelas e ''descubram'' novas terrras em outros planetas.

Brancaleone disse...

Já foi o tempo que o "imigrante" era bem vindo.
Com exeções, é claro. Conheci Mato Grosso e Rondônia no final dos anos 70, começo dos 80. Um inferno. Terra de coureiro, garimpeiro, putas, traficantes e mais nada.
Chegaram os Catarinas e Gaúchos atrás de terra baratas, férteis e até a chegada deles, inúteis.
Hoje é um outro mundo.

Mas vejamos os EUA e a Europa.
Milhares de muçulmanos saem de seus países onde mulheres usam burkas ou são apredrejadas, gays executados, internet censurada, não existe trabalho nem eleições e desembarcam na Europa ou EUA e algum tempo depois QUEREM IMPOR A CUSTA DE ATENTADOS UMA SOCIEDADE ISLÃMICA NESTES LUGARES!!! mas que P Q oP!!! O desgraçado saiu dum diabo de buraco fugindo dum sistema e agora que impor a p... do sistema do qual fugiu numa nação que pode não ser o paraíso mas é infinitamente melhor que a droga de pais de onde ele veio!!!

Nos caso dos EUA o problema são os "cucarachas" - nós inclusive. Vamos para lá para 'fazer a américa" e ganhar nosso primeiro milhão, concorrendo com os americanos que querem a mesma coisa.

Uma vez perguntaram ao Delfim Neto como acabar com o desemprego em São Paulo e ele respondeu - "Primeiro cercar S. Paulo com um muro duns 30 mts de altura e com uma única entrada e depois sim, gerar empregos"

Ou seja, para cada emprego gerado, chegam "trocentos" outros achando que "tá sobrando serviço". A conta não fecha.

Vai chegar o tempo em que ou se fecham as fronteiras ou todos se danam.

Em caso de pouca farinha, meu pirão primeiro.

Anônimo disse...

Um País que me chama atenção é o Chile, diz se que a decadas tem investido na educação e que hoje tem um povo com bom nivel de educação.
Imagino que o Chile tenha uma sociedade mais organizada que a Brasileira, mas sei que nao é um pais desenvolvido. O que trava o desenvolvimento desse país? A educação nao é tao boa assim? Ou caracteristicas culturais anulam a questao educacional? E a aregentina o que há de errado com este país que sai do lugar também?

DIREITA disse...

a partir do momento em que se fechar totalmente as fronteiras do primeiro mundo, a tal da elite globalista baixa o padrão para a imigração legal e aumenta o numero de asilados.simples assim!

Chesterton disse...

o problema maior não é a imigração, é o welfare state.

Mr X disse...

Welfare é um problema, sim, mas não o único. Estou fazendo um outro post sobre imigração e relacionando com outros fatores da decadência ocidental. Também explicando que nem tudo é 8 ou 80 e existe uma boa e uma má imigração. (Eu faço parte daquela mais ou menos, no meio-termo).

Dito isso, pensem no seguinte. Existem três ou quatro modos de se propagar um povo, normalmente acontecem em seqüência:
1. imigração/colonização (são essencialmente a mesma coisa)
2. reprodução séquiçual
3. guerra/conquista

Estamos tendo uma neocolonização da América e da Europa por povos estrangeiros (na verdade, parcialmente europeizados, tanto na cultura quanto na genética; é o retorno do filho bastardo da colonização)

Gunnar disse...

IMO, a única coisa ambígua que pode haver nessa discussão é a questão dos "bons" imigrantes - ou seja, aqueles que são honestos, qualificados e já possuem ou então abraçam integralmente a cultura local.

Se por um lado não representam real ameaça no sentido de aumentarem a criminalidade e a conta do welfare, por outro, podem causar inchaço demográfico (o que, de novo, pode ser positivo no caso de países com baixa taxa de natalidade local sendo tomados por muçulmanos super férteis, por exemplo) e lotar o mercado de trabalho.

A exceção são filhos do primeiro mundo emigrando para países bárbaros (o que é raro, mas acontece); nesse caso, a nação de destindo só tem a ganhar com os imigrantes.

Quanto aos imigrantes "ruins", não tem nem o que discutir; deixe-os de fora ou seja engolido por eles.

A Europa escolheu a segunda opção.

Mr X disse...

Alguém falou sobre a Argentina e porque ela não vai adiante, bem, disse certa vez o V.S. Naipaul que é um dos grandes mistérios da humanidade. Riquezas naturais, clima ameno, grande território, população baixa, maioria branca européia, etc, etc. O que deu errado? A Argentina foi um dos dez países mais ricos do mundo nas primeiras décadas do século XX, enriqueceu produzindo alimentos para a Europa esfaimada durante a Primeira Guerra Mundial e no período entre-guerras. Logo chegou o Perón e detonou com tudo, e ainda hoje na Argentina a herança maldita de Perón e dos peronistas continua. Essa é uma das causas na minha opinião.

A sociedade argentina é extremamente corrupta, talvez seja herança dos italianos, já que, apesar de suas inegáveis qualidades (adoro de coração a cultura italiana) também são uma sociedade muito corrupta, e não falo apenas da máfia, embora esta faça parte.

Tanto Chile como Argentina têm uma população maior do que se pensa de mestiços e, hoje, levas de imigrantes ilegais bolivianos 100% indígenas (sim, acredite, a Argentina também tem um problema de imigrantes ilegais!). Coincidentemente ou não, a maioria dos pobres na Argentina são indígenas ou meio-indígenas, grande parte que vieram ilegalmente do Peru ou da Bolívia.

Documentário sobre um favela de peruanos na Argentina:
http://www.youtube.com/watch?v=gQyGLrfjPK4&feature=related

Mr X disse...

Aliás, essa temática da imigração ilegal dentro da própria América Latina também daria um post, não é um problema só no Primeiro Mundo, mas no Terceiro também. Se o Brasil continuar crescendo, pode apostar que teremos mais bolivianos, na Argentina parece que existem já dois milhões de imigrantes de países como Bolívia, Peru e Paraguai. E uma xenofobia incrível por parte dos argentinos contra esses pobres infelizes. O roto ri-se do esfarrapado.

O Primeiro Mundo é invadido pelo Terceiro Mundo, e este por sua vez é invadido pelo Quarto Mundo. Será que estamos de-voluindo?

Este mundo está perdido...

Mr X disse...

Talvez seja bem mais. Segundo outras fontes que acabo de ler, existem quatro milhões de imigrantes bolivianos e peruanos apenas na província de Buenos Aires.

Segundo este jornal, já são 10% da população:

http://www.diarioperfil.com.ar/edimp/0373/articulo.php?art=15064&ed=0373

Seria equivocado colocar a culpa pela pobreza em tais imigrantes, aliás para eles que vêm da miséria rural em seus países a Argentina é "próspera", e os problemas da Argentina antecedem em muito a tal imigração. Como eu disse, o problema principal foi o peronismo.

Porém, acho que vai ser um problema no futuro, essa idéia da Argentina como "Europa das Américas" não existe mais.

Chesterton disse...

o que atrai migrantes mal intencionados é o welfare state.

Mr X disse...

Chest,
O welfare state, já falei bastante sobre isso. Sim, cortar a ZERO (e nada menos do que isso) o welfare state seria um bom começo, sem ele grande parte dos imigrantes voltaria a seus países de origem e vários outros deixariam de vir. Seria ótimo!

Porém, acabar com o welfare não acaba com tudo. Primeiro porque há pessoas do MAL que vão aos outros países não por welfare mas para cometer crime e/ou terrorismo, tais pessoas devem ser expulsas aos pontapés.

Segundo porque, com ou sem welfare, a situação em alguns países é sempre melhor do que em outros, os bolivianos migram para a Argentina e os argentinos migram para a Espanha, então, salvo que haja limites (muros, expulsões, DEPORTAÇÕES) a imigração tende a continuar.

Como eu disse, há imigração boa e imigração má, e a grande maioria está no meio-termo. Mas não vejo ninguém migrando para a China, o país parece ser bem rígido no controle de suas fronteiras, até com fugitivos da Coréia do Norte eles pegam pesado.

Autor desconhecido disse...

Mister X,
existem imigrantes indo pra China também, mas como aquele país é um verdadeiro oceano pacífico de gente, o número de pessoas quase não cheira. Já li que são 4 milhões de imigrantes por lá, vou pesquisar melhor, mas enfim, o que são 4 milhões para 1,3 bilhão de imigrantes??

http://translate.google.com.br/translate?hl=pt-BR&langpair=en|pt&u=http://www.guardian.co.uk/world/2010/oct/06/china-crackdown-african-immigration

Pra variar os negros africanos sempre trazem consigo o ''preconceito'' e a ''discriminação''.

http://translate.google.com.br/translate?hl=pt-BR&langpair=en|pt&u=http://en.wikipedia.org/wiki/List_of_countries_by_foreign-born_population_in_2005

Mr X disse...

Enfim, também acho que a coisa é complicada, por um lado tem a ver mesmo com a facilidade de movimentação no mundo atual, é mais fácil para grandes números de pessoas se deslocarem pelo globo. Também outros fatores sociais e tecnológicos facilitam a imigração. Acho que não dá pra ser contra a imigração só porque sim, fora que, como eu disse, eu mesmo sou um imigrante e não posso ficar querendo entrar eu e depois que não entre mais ninguém, certo?

Por outro lado, eu procuro respeitar as leis, falar o idioma local e não depender do assistencialismo.

Sou bisneto de imigrantes e sou um imigrante atualmente, por isso nem posso ser contra a imigração, mas sou sim contra a imigração descontrolada, contra os maus imigrantes que se aproveitam.

Mr X disse...

Por outro lado, já ouvi um argumento de facilitar a imigração legal mas acabar com o welfare state e outras formas de assistência, e acho uma boa proposta. Tornaria minha vida mais fácil, quem sabe eu poderia ficar por aqui mesmo... enfim, se eu algum dia virar um ilegal, esquecam tudo o que escrevi... hehehe

abs!

AF disse...

Mr. X,

Interessante o post. Sou a favor de uma política que facilite somente imigrantes qualificados, que não sejam mulçumanos, que sejam bem entrevistados e colaborem com o país.

Sabe, não me leve a mal, mas prevejo que quando a islamização da Europa, apertar mais ainda, como já está apertando, muitos refugiados europeus virão ao Brasil, o que poderá até nos ajudar.

Mas que esses Europeus sejam bem qualificados, é claro, pois existem muitos charlatões no meio, que não sejam mulçumanos também (que, como a Brancaleone disse fojem de ditaduras e querem impor as mesmas ditaduras no país que as recebeu). Não teria nem mesmo nada contra a imigração haitiana no Brasil, desde que os haitianos sejam bem qualificados, o que são poucos.

Você falou: Sim, cortar a ZERO (e nada menos do que isso) o welfare state seria um bom começo, sem ele grande parte dos imigrantes voltaria a seus países de origem e vários outros deixariam de vir. Seria ótimo!

Concordo plenamente, mas se fizesse isso, de boa: a velocidade da luz iria ser superada.

Um dos sonhos do brasileiro sempre foi uma revolta armada para eliminar essa corja política em Brasília, mas o povo só fala e quem pelo menos ousar fizer isso será considerado maluco, embora a população esteja cada vez mais se consientizando e pondo a boca no trombone.

Mas vamos supor que de uma noite para a outra o governo chegue e corte o Bolsa Família... de boa: gente do Brasil inteiro, principalmente do Nordeste, iria a Brasília, mais rápido que a velocidade da luz protestar contra isso e se bobear iria ter até uma revolta armada. A mídia esquerdista, nesse caso, com certeza apoiaria, alegaria "racismo", "exclusão dos pobres", etc.

O mesmo certamente iria acontecer em outros países com welfare.

DIREITA disse...

qual é a mais européia :a 40% islâmica bósnia ou a 100% cristã angola?

DIREITA disse...

o principal problema dos países ocidentais de primeiro mundo com a imigração é a questão da identidade étnica/racial .logo,ao meu ver, é preferível imigrantes que não se integrem (muçulmanos)do que o contrario(latinos americanos).

DIREITA disse...

homem branco entre a vida e a morte depois de ser ,literalmente,martelado por dois "jovens".
o crime ocorreu na mesma cidade do caso zimmerman.

http://mysanfordherald.com/view/full_story/18081009/article-Deputies-arrest-2-men-in-Midway-beating-that-left-man-in-critical-condition?instance=home_news_1st_left

http://www.wftv.com/news/news/deputies-men-beat-another-man-hammer-sanford/nMHW6/

Anônimo disse...

Mas há gente qualificada no Haiti? Nao acredito que um pais tao desorganizado e desgraçado pode haver gente qualificada, nao tem condiçoes.
E o Imigrante na maioria é ruim MrX, A média dos brasileiros que vivem no exterior, por exemplo, é igual a dos brasileiros que estao no Brasil, e os brasileiros medios fazem o Brasil que conhecemos, logo...

Mr X disse...

> depois de ser ,literalmente,martelado por dois "jovens".

Ainda bem que ele não estava armado, ou poderia ser preso e acusado de racismo!!

Mr X disse...

Tem esta aqui também:

http://www.liveleak.com/view?i=679_1332640868

http://www.youtube.com/watch?v=fuhRDITMoFI&