sábado, 13 de fevereiro de 2016

Estereótipos raciais ou construções sociais?

Uma das coisas que sempre achei esquisita no discurso esquerdista foi essa história  de que "raça é uma construção social". O que diabos significaria isso? Para qualquer pessoa que more em uma grande metrópole ocidental, uma coisa que certamente chama a atenção é a extrema diversidade dos tipos físicos humanos. E olhem que estou falando apenas do aspecto físico, não do comportamental. Quer dizer, a pele negra ou os olhos puxados seriam apenas "construção social"?

Certo, imagino que eles queiram dizer que "raças" são categorias aleatórias criadas para classificar pessoas sem uma base estritamente biológica. Isso em parte é correto. Tendemos sempre a querer classificar as coisas. Por exemplo, o "elefante africano" e o "elefante asiático" são espécies diferentes. Eu não vejo muita diferença, mas enfim, um tem a orelha menor, o outro a tromba maior, etc. A classificação em espécies diferentes é uma "construção social", já que podíamos classificar os mesmos animais de alguma outra maneira, mas enfim, as diferenças estão lá e existem. O modo de catalogar é que varia.

Então é irrelevante dizer se "raça" existe como "conceito biológico" ou não. É um tipo de catalogação, como espécie, ou etnia. Podíamos chamar de outra coisa, ou catalogar de outra forma. Mas isto não elimina as diferenças iniciais.

Podemos afirmar que o "racismo" seria uma construção social, isso talvez sim. A hostilidade de um grupo contra outro, a visão reducionista, até o tal "privilégio branco", tudo isso.

Bom, mas hoje eu queria deixar a seriedade e o apocalipse um pouco de lado e falar com mais humor, ainda que não politicamente correto. Vamos falar sobre as diversas raças e etnias humanas e o que elas trazem de bom ou de ruim.

Em minhas viagens pelo mundo tive a oportunidade de conviver com os mais variados tipos de pessoas, segue então um somatório do que eu veria em termos de estereótipos étnicos e raciais. Lembrem-se que isto é mais uma brincadeira e que cada um é livre para discordar. Vamos lá! Clique no link para saber.




Ingleses:
Excelentes cientistas e escritores. Líderes natos. Construíram um império global e podemos dizer que ainda o mantém, na forma dos EUA. Apesar de massacrar, bombardear e colonizar outros povos, sempre conseguem passar a impressão de bons moços. Talvez seja o sotaque. Apresentam uma gritante diferença entre suas classes aristocráticas e suas classes mais pobres, o que se vê inclusive na linguagem. O romance "Dr. Jekyll and Mr. Hyde" ilustra bem o duplo caráter desta nação. 
Pontos positivos: inteligência, perseverância, bons atores, escritores e cientistas, calma sob pressão.
Pontos negativos: imperialistas, arrogantes, esnobes, hipócritas, comida ruim.

Irlandeses:
Uma versão mais proletária e ao mesmo tempo mais artística e amigável dos ingleses. Excelente escritores e poetas, não tão bons cientistas. Odeiam os ingleses, talvez com certa razão. Comem batatas e bebem cerveja preta.
Pontos positivos: poetas, sonhadores, loucos.
Pontos negativos:  bêbados, arruaceiros, sem classe.

Alemães:
Um povo meio incompreendido. Vistos como burocráticos e genocidas, na verdade gostariam de ser hippies, nudistas e vegetarianos. Eficientes, planejadores, às vezes demais. Atém-se por demais às regras, mesmo na anarquia. Sempre fazem os trens saírem na hora certa, mesmo que sejam os trens para Auschwitz. Mas também tem um lado mais leve, visto nos mercados natalinos e na Oktoberfest. Melhores filósofos desde os antigos gregos.
Pontos positivos: eficientes, ótimos engenheiros, bons artistas, trabalhadores, alegres após algumas cervejas, gostam mais de cachorros do que de crianças.
Pontos negativos: burocráticos, inflexíveis, intolerantes, politicamente bipolares. 

Negros:
Os negros têm má fama excessiva, talvez porque sempre vistos à luz de seus elementos mais negativos do gueto. No fundo os negros só gostariam de ser brancos. Uma minoria de maior classe e estudo até que consegue e é gente boa, porém suas classes mais baixas realmente apresentam problemas crônicos de integração. 
Pontos positivos: alegres, extrovertidos, boas praças, samba no pé.
Pontos negativos: violentos, barulhentos, demasiado sexuais, obcecados com racismo.

Franceses:
Um povo esquisito. Tendência a serem revolucionários e ao mesmo tempo reacionários. Vivem fazendo greve. Excelentes na arte, na literatura, e na culinária. Tendem um pouco ao pedantismo intelectual. Gostam de falar muito sem dizer nada. Garçons antipáticos. Narigudos (dizem que os judeus são narigudos, mas os franceses que conheci eram mais).
Pontos positivos: bons cozinheiros, chiques, românticos, ótimos pintores e escritores.
Pontos negativos: esnobes, não gostam de tomar banho, obcecados por sexo e queijo.

Judeus:
Responsáveis por muita coisa boa e ruim, porém, jamais admitem as ruins. Consideram-se injustamente perseguidos por todo o mundo, mas não parecem ter a introspecção para entender o porquê. Excelentes pianistas e contadores de histórias, mas seu papel de agitadores culturais às vezes contamina e diminui sua arte. Gostam de dinheiro e de bagels. Tiveram e têm ótimos cientistas.
Pontos positivos: inteligentes, artísticos, neuróticos, criativos, cheios de energia, bons humoristas.
Pontos negativos: arredios, subversivos, materialistas, gananciosos, planos de dominar o mundo. 

Italianos:
Por um lado, um povo desorganizado, vão, corrupto. Por outro, simpático, excelente na arte e na cultura em geral. Criatividade não vai bem com ordem? Não saberia dizer. Péssimos soldados, bons escultores, pintores e cineastas. No fundo, os italianos não são um povo único, mas um conjunto de povos cada um com seu dialeto e culinária específica. Acho que a unificação não lhes fez bem, nem mesmo se entendem entre si.
Pontos positivos: alegres, artísticos, boa comida, valores familiares.
Pontos negativos: máfia, gritam e gesticulam demais quando estressados.

Ibéricos:
Portugueses e espanhóis são simpáticos e gostam de aproveitar a vida. Tem uma culinária razoável, e gostam de música e bebida. São desbravadores, mas incapazes de planejar a longo prazo. Tiveram a possibilidade de dominar o mundo inteiro, e o que fizeram? Ora, basta ver a América Latina, em vez de povoá-la e se expandir, trouxeram milhões de africanos escravos, miscigenaram-se com índios, criaram colônias dispendiosas, e para quê? Para depois ter que dar todo o ouro para a Inglaterra.
Pontos positivos: conversadores, engraçados, aventureiros.
Pontos negativos: preguiçosos, pouco previdentes, tolos.

Indianos:
Não conheço tantos indianos assim para opinar sobre todas as castas. Os que conheci eram simpáticos, engraçados. Mas as imagens que temos da Índia não são tão boas assim. Tendem a falar muito e fazer muitas perguntas. Tem um sotaque engraçado e difícil de entender. E uma vez fui comer um prato indiano exótico em uma banquinha hindu e tive uma diarréia que quase me matou. 
Pontos positivos: bom senso de humor, interesse por tecnologia
Pontos negativos: sujos, são mais de um bilhão

Árabes:
Bons mercadores e negociantes. Alguns excepcionais, como o Steve Jobs. Também variam um pouco de acordo com o país: sírios e libaneses parecem ser os melhores; egípcios e sauditas, os piores. Árabes cristãos integram-se notavelmente melhor do que os muçulmanos, o que parece indicar a importância da religião no comportamento humano (ou tribal). 
Pontos negativos: desmiolados, misóginos, tendência ao fanatismo
Pontos positivos: hummus.

Escandinavos:
Criaram algumas das melhores sociedades nas quais se viver, porém, não parecem saber mantê-las. São (desde sempre) feministas, igualitários, conformistas. Politicamente corretos em excesso. Tendência a não querer que ninguém seja melhor do que ninguém. Possuem alguns excelentes escritores e, em especial, ótimos dramaturgos e filósofos. Possível tendência à depressão e ao suicídio. Inovadores silenciosos. 
Pontos positivos: beleza, cabelos loiros, cooperação social, Bergman, IKEA.
Pontos negativos: igualitarismo, ingenuidade extrema.

Chineses:
Chineses são um povo, segundo dizem, muito inteligente. Porém a China é um país ultra-poluído, superpovoado, corrupto, totalitário, e grande parte dos chineses prefere ir embora para morar em um outro lugar -- EUA, Europa, América Latina. Logo que chegam já abrem um mercadinho. Comem cachorro e outras coisas esquisitas. Alguns são meio rudes e às vezes até parece que falam gritando, mas talvez seja o idioma que é assim. Inventaram a pólvora.
Pontos positivos: ordeiros, conformistas, frios, produzem quinquilharias baratas.
Pontos negativos: ordeiros, conformistas, frios, produzem quinquilharias baratas.

Japoneses:
Japoneses são um povo organizado, pacífico, artístico. Nas guerras parecem ser cruéis, mas em tempos de paz são mais pacíficos e educados do que qualquer outro povo. São introvertidos e sua sociedade talvez seja hierarquizada e fechada demais. É difícil se adaptar, mesmo para quem é japonês. Trabalham muito, até dez ou doze horas por dia. Fazem bons filmes e, em especial, ótimas animações.   
Pontos positivos: O mais poético e criativo dos povos asiáticos, excelentes cineastas e artesãos
Pontos negativos: Fechados, não se reproduzem mais, tendência a fetiches sexuais esquisitos.

Ciganos: 
Um povo que emigrou das castas baixas da Índia e se instalou especialmente na Europa do Leste, embora existam alguns em tudo que é lugar. Povo notoriamente incapaz de se assimilar a qualquer outra sociedade. Nômades. Tendem a ser ladrões ou mendigos. Porém têm alguns músicos e dançarinos bons. Pobres, salvo exceções. Não conheci muitos, fora a cigana que tentou me assaltar em Roma, e aquelas ciganas que lêem as mãos e pedem cigarro, portanto os evito, mas é possível que não sejam de todo ruins.
Pontos positivos: música, danças
Pontos negativos: todos os outros

Eslavos: 
Nossa, tinha esquecido deles. São gente boa, apesar de (em especial os russos) meio doidos. Racistas, homofóbicos, amam/odeiam os EUA. Parecem durões mas no fundo tem bom coração. Corruptos, desorganizados. Bons artistas e escritores. Tendência a escrever romances com mais de mil páginas e equivalente número de personagens. Não muito avançados tecnologicamente mas têm aqui e ali alguns cientistas geniais, Tesla, Mendeleyev, etc. 
Pontos negativos: caóticos, corruptos, desorganizados, xenofóbicos, caladões, vodka demais.
Pontos positivos: belas mulheres, corajosos, pouco politicamente corretos, sinceros.


40 comentários:

Anônimo disse...

A diferença genetica entre um chipanzé e o ser humano também é infima . Mas isso nao importa , pois oque produz a imensa maioria das diferenças encontradas tanto em humanos quanto chipanzés sao as diferentes combinaçoes que esses genes realizam entre si .

Anônimo disse...

É como um jogo lego , onde peças em uma mesma quantidade e forma produzem objetos variados .

Sabedor disse...

Interessante a sua observação em relação a criatividade e (des)ordem. A criatividade aparece com mais força e frequencia em populações que mantém maiores detritos genéticos, mais polimórficas, com maiores chances de combinações genéticas únicas. O próprio Brasil é um caso interessante com um monte de artistas muito talentosos (sem falar de muitos outros que são de extremo mal gosto) e um governo, bem, sem comentários...

No entanto, Alemães e Japoneses também tem mostrado muita criatividade, vá lá, ingleses e americanos também. Talvez seja mais evidente esta possível e relativa relação entre as artes e a des(ordem), novamente com os alemães mostrando que ordem e criatividade podem coexistir dentro de um mesmo panorama biológico.

existem vários cenários a serem levados em consideração,

O nível de criatividade, o tipo de criatividade, a frequencia destes traços na população, fatores ambientais em combinaçao com fatores psicológicos, por exemplo, vc pode ter uma população com grande potencial criativo mas que está sob a tutela de um ditador ou mesmo sob uma forma de governo que repele este excesso de criatividade e mais, com o agravante de ter uma população mais conformista e tímida para lutar contra os mandos e desmandos de quem está no poder.

''Alemães:
Um povo meio incompreendido. Vistos como burocráticos e genocidas, na verdade gostariam de ser hippies, nudistas e vegetarianos. Eficientes, planejadores, às vezes demais. Atém-se por demais às regras, mesmo na anarquia. Sempre fazem os trens saírem na hora certa, mesmo que sejam os trens para Auschwitz. Mas também tem um lado mais leve, visto nos mercados natalinos e na Oktoberfest.
Pontos positivos: eficientes, ótimos engenheiros, bons artistas, trabalhadores, alegres após algumas cervejas, gostam mais de cachorros do que de crianças.
Pontos negativos: burocráticos, inflexíveis, intolerantes, politicamente bipolares.''

Eu gosto mais de cachorros, em média, do que de pessoas, não apenas crianças. o ser humano me irrita.

Sobre serem vegetarianos, tem casos e casos né*

Engraçado que parece que tem muitos vegetarianos entre os judeus, sendo que Israel foi o país com o maior %, muito possivelmente com uma grande proporção de ashkenZI.

a maioria dos alemães gostam mesmo é de uma suculenta salsicha... não muito pró-vida nesta perspectiva, kkkk



Mr X disse...

Sim, é mesmo, a maioria gosta de salsicha.

Pode ser que tenho uma visão distorcida porque conheci vários alemães vegetarianos e meio hippies quando estive lá.

E acho que o moderno movimento vegetariano começou na Alemanha, se não me engano. Mas talvez me engane.

https://en.wikipedia.org/wiki/Vegetarianism_by_country

Interessante, Índia o mais alto com 31% (mas por motivos religiosos)
Depois Israel com 13%.
Depois Itália com 10%? Isto me surpreendeu. Se bem que conheci mais de um italiano vegetariano.
Alemanha está logo depois com 9%. Relativamente alto.

Brasil 8%? Deve ser falta de carne, apenas.

Sabedor disse...

Bem, o norte da Itália parece ser completamente diferente do sul em quase todos os aspectos, mas me surpreendeu também!!! Já a India me decepcionou, só 30%***

Sabedor disse...

Acho que o movimento vegetariano moderno até pode ter sido fundado na Alemanha, mas este estilo de vida já existe desde a muito, vide os dinossauros vegetarianos, kkkkkkk

e interessante pensar se eles foram mais pacíficos, porque não precisavam caçar a sua comida e não precisavam disputar por seu alimento, claro, sem levar em conta períodos de grande escassez.

os bonobos são vegetarianos também*

Sabedor disse...

''Brasil 8%? Deve ser falta de carne, apenas.''

kkkkkkkk, espero que não.

Agradeça a dilmãe.

Mas nao se preocupe que a freegoy (friboi) irá lhe fornecer o que taaanto queerr.

Anônimo disse...

Há muito mais invençoes e descobertas que foram uteis para a sociedade provindas de cientistas e inventores alemães do que de cientistas chineses ou ingleses (O Mrx certa disse que não de alemães )

Sabedor disse...

Sobre os escandinavos ''São (desde sempre) feministas, igualitários, conformistas''

Defina ''desde sempre''

Mr X disse...

Olá Anônimo,

Ingleses tem muitos também, Newton, Darwin e tais. Mas houve muitos cientistas alemães também, não tenho dúvidas, eu por acaso disse o contrário? Acho que os ingleses são mais teóricos, e os alemães mais práticos. Ou será que não?

Inventores chineses? Talvez da pólvora. Mas eu nem falei de cientistas chineses.

Eu disse o que não de alemães? Faltou o verbo. Mentira, gosto de alemães. Quer dizer, de alguns. Alguns podem ser bem antipáticos também.

Mr X disse...

Olá Sabedor,

"Desde sempre" é exagero, mas ao menos desde o século XIX. Foram pioneiros do feminismo não resta dúvida. Alguns dizem que já nos tempos dos vikings eles eram mais igualitários em termos de gênero do que os outros povos europeus.

http://www.hurstwic.org/history/articles/society/text/women.htm

Para mais detalhes, pergunte à Bárbara, ela é especialista nestas questões.

Sabedor disse...

''Acho que os ingleses são mais teóricos, e os alemães mais práticos.''

Mas e os muitos inventores ingleses**

Acho difícil neste caso determinar quem é mais isso ou aquilo.

Mr X disse...

Tem razão. Tbm tem muitos alemães teóricos (filosofia) e ingleses práticos (trem a vapor).

ok, ok, tbm não podemos generalizar tudo não é?

Algumas coisas são, sim, estereótipos.

Abs!!

direita disse...

De olho na desinformaçao .

Em meados de 2013 ,durante uma passeata em favor do partido FPO , um judeu comunista deu uma cusparada contra uma das manifestantes . eis que agora essa mesma imagem viralizou na net e esta sendo usada para atribuir a agressao de um refugiado contra uma sueca .


a foto :
https://ukraineandotherstories.files.wordpress.com/2016/01/outrageswedenhoax02.jpg?w=764


historia original: https://firstlightforum.wordpress.com/2014/02/20/jew-spitting-vipers-expectorate-on-the-goyim-worldwide/


historia distorcida:

http://www.jewsnews.co.il/2015/11/04/outrage-in-sweden-sickening-picture-of-blonde-woman-spit-on-by-muslim-refugee-draws-outrage/


credito:https://ukraineandotherstories.wordpress.com/2016/01/11/hoax-outrage-in-sweden-sickening-picture-of-blonde-woman-spit-on-by-muslim-refugee-draws-outrage-the-others-are-laughing/

Anônimo disse...

"O negócio é seguinte: o alemão inventa, o americano faz grande , o japonês faz pequeno e nós vamos lá e compramos..." Tim Maia.

Mr X disse...

Gostei do segundo link, mas não vi nenhuma evidência que o sujeito seja judeu, árabe ou até alemão. Mas sim, não é um refugiado da última leva, mas sim um manifestante Antifa de 2013.

Esses protestos Antifa/anarquistas são bem comuns na Europa hoje, mas árabes de origem imigrante também costumam participar. E um monte de europeus nativos, lamentavelmente.

Mr X disse...

Quis dizer, o link que melhor explica a história é o último, o ucraniano. Tem até o vídeo original.

Não sei se é campanha de desinformação, ou simplesmente o normal da web/mídias sociais.

Mr X disse...

Que beleza, aposto que um ator e uma esquerdista árabe irão dar boas dicas para a Merdel:

https://www.washingtonpost.com/news/worldviews/wp/2016/02/12/germanys-merkel-meets-amal-clooney-and-her-husband-to-discuss-refugees/

DD disse...

Faltaram os brasileiros.

Mr X disse...

Brasileiros desafiam qualquer tentativa de definição.

Não, falando sério, acho difícil falar do povo brasileiro como um todo, tem do melhor ao pior. Talvez seriam uns portugueses italianizados, mas contendo ainda, em certa medida, a característica passividade ameríndia.

Estou sendo generoso: há quem os tenha comparado aos ciganos!! Porém, discordo.

Sabedor disse...

''Estou sendo generoso: há quem os tenha comparado aos ciganos!! Porém, discordo.''

Os europeus que desejam receber metade de Aleppo em suas cidades também estão sendo generosos.

AF disse...

Bom post, X.

Só discordo que ser xenofóbico (no caso dos eslavos) seja um defeito.

Sabedor disse...

Eu entendo o ''ser xenófobo'' como ''ser negativamente generalista com o estrangeiro''

E entendo o ''ser xenófilo'' como o oposto, ''ser positivamente generalista com o estrangeiro'' (o esquerdista)

Ambos errados, não tem um prefixo pra ''ponderação'' não**

Joshua Black Rock disse...

Brancaleone, positivo e operante aqui na Fronteira Norte da República do Sul ( também conhecido como lado paranaense do Vale do Ribeira)
Tô vivo gente.
Comento quase nada porque definitivamente a humanidade não tem sido digna de minha atenção. Repetitiva demais. Sempre as mesmas coisas, sempre as mesmas razões. Já tá pra mais de cinco mil anos esta lenga lenga.
Quando aparecer uma novidade mesmo eu comento.

White Nationalist disse...

Japoneses criativos? Onde? A própria China inventou muito mais que os japoneses e o ultimo nem sequer tinha um sistema de escrita antes de importar da China, kanji.

Italianos inventaram muito mais que Japoneses e vejo poucas pessoas mencionando isso.

KVRGANIVS NOSTRATORVM disse...

PODIA TER FALADO SOBRE COREANOS

direita disse...

o Nariz adunco indica que é judeu . a fonte diz o mesmo ,qud é judeu .

Mr X disse...

Os japoneses inventaram o walkman. E o tamagochi

Sabedor disse...

''Os japoneses inventaram o walkman. E o tamagochi''


Se é... sei lá, ''todo mundo'' gosta dos japoneses, menos as baleias brancas que eles adoram caçar para ''manter a tradição'' e os filhos bastardos que ''eles' fizeram com as escravas sexuais coreanas e chinesas.

De fato, italianos e chineses também são ou foram muito criativos. A China de ''uns tempos pra cá'' parou de ser muito criativa, enquanto que a Itália tem mantido alguma regularidade. Pra não dizer novamente que ''ninguém'' lembra deles, estou eu aqui lembrando, um ninguém.

Mas dizer que os japoneses ''não são'' criativos por causa de um passado menos impressionante eu acho precipitado e potencialmente equivocado se estamos vendo que eles tem produzido bons a excelentes trabalhos criativos especialmente depois da segunda onda ocidentalizante que vivenciaram, no pós guerra.

Eu sou um exemplo de que muitas vezes não basta apenas ''bons genes'', visto que eu sou muito criativo, tenho ótimas ideias, especialmente para as artes e para filosofia, mas sou um quase perfeito anonimo, desconhecido para a maioria das pessoas.

A única maneira de sabermos quem são os mais criativos seriam propiciando modelos perfeitos de sociedades para todos os povos do mundo, do contrário, o ambiente em certas nações é absurdamente ruim para que qualquer tipo de criatividade possa florescer.

Sabedor disse...

''A única maneira de sabermos quem são os mais criativos seriam propiciando modelos perfeitos''

Corrigindo


serião

Matheus Carvalho disse...

Os japoneses sao muito criativos. Exemplos: mangas, animes, origamis, ikebana, kabuki, sumo, sushi, sashimi, yakisoba, bukkake.
Ser criativo nao implica ser 100% original, a pessoa constroi com o que os outros deixaram.
Nao sei quem disse, mas genialidade e' 1% inspiracao e 99% transpiracao. Acho que foi o Alva Edison, inventor (talvez) da lampada eletrica, eu chamaria de muito criativo.
Adorei o texto, Mr. X, dei boas risadas!

Sabedor disse...

''mas genialidade e' 1% inspiracao e 99% transpiracao''

Malcolm Gladwell agradece, ;)

White Nationalist disse...

A atual sociedade japonesa é tão ou até mais degenerada que a sociedade ocidental. Pornografia infatil, homens afeminados, lixo televisivo(que também existe no ocidente, mas chega a outro nível no Japão) e a baixa taxa de natalidade estão arruinando o arquipélago nipônico.

O Japão possui a grande vantagem de ser uma sociedade homogênea e de não ter nem de longe o mesmo problema de imigraçâo que países ocidentais. Compare Tokyo com capitais europeias como Londres e Paris e podemos ver que o multiculturalismo é um lixo.

Mr X disse...

"Compare Tokyo com capitais europeias como Londres e Paris e podemos ver que o multiculturalismo é um lixo."

Por que apenas Londres e Paris? Los Angeles e NY não ficam muito atrás.

Mr X disse...

lixo televisivo(que também existe no ocidente, mas chega a outro nível no Japão)

Fiquei curioso sobre isso, você já esteve no Japão?

O que conheço do Japão são animes, os filmes do Ozu, Kurosawa e Miyazaki, só coisa de qualidade. Mas entendo que as massas assistam outra coisa.

White Nationalist disse...

Sim, essas cidades também estão degeneradas. Coloquei Londres e Paris apenas como exemplo.

Não, não estive no Japão, mas já vi vários trechos de seus Variety Shows e os mesmos são completamente bizarros. Tem um que dois caras tem que escolher uma bunda para beijar e ganhar quem tiver beijado a certa, a feminina.

Antigamente eu achava que sua mídia e cultura pop eram superiores, mas hoje vejo que eu apenas filtrava o que achava de mais interessante. Se eu morasse no Japão e exposto a mídia deles 24 horas por dia a minha opinião mudaria.

Sabedor disse...

Tire a cult-ura dos homens e a maioria deles irão viver a vida como se não houvesse amanhã.

Sabedor disse...

População negra na África do sul cresceu mais de 900% nos últimos 100 anos...


O que que 'o' branquelo sul africano fez neste meio tempo?????

Criou uma sociedade super racista, condenando o seu passado pra sempre

E

Ficou rezando pra "deux"


Sabedoria é uma prática inexistente para uma grande porcentagem de "brancos".

:(

Sabedor disse...

http://www.thenational.ae/arts-culture/books/gypsy-boy-inside-the-mysterious-and-violent-world-of-gypsies

Um pouco de enriquecimento cultural pra todos.

Sabedor disse...

É fato que todas as culturas tem produzido jóias assim como também lixo e infelizmente (w logicamente também) o lixo é o que mais agrada as massas, o average joey de cada coletividade, com exceção das culturas mais virgens de "maasificaçoes grosseiras".