quinta-feira, 7 de agosto de 2014

Educação não é solução

Olá amiguinhos, desculpem a falta de tempo dedicada a este blog, mas é que outras ocupações tem me impedido de dedicar tempo aqui. Não importa muito, afinal, quase mais ninguém está lendo o blog como nos velhos tempos. Foi ao ar, perdeu lugar. Mas vamos adiante.

Certa vez o físico americano Richard Feynman foi dar umas aulas no Brasil. Foi lá nos anos 40, acredito que como parte do programa de "boa vizinhança" com os Aliados promovido pelo governo americano. 

Ele descobriu uma coisa curiosa: os alunos universitários brasileiros haviam decorado todas as teorias e fórmulas. Poderiam repeti-las tintim por tintim. Porém, aplicá-las à vida prática, ou mesmo a observações banais cotidianas, não conseguiam: não sabia pensar. Muitos, aliás, nem entendiam aquilo que estudavam. O estudo era nada mais nada menos do que a mera "decoreba".

De lá pra cá, só piorou.

A diferença entre o modelo de educação americano e o brasileiro pode ser vista desde a forma de ingresso. O Vestibular é baseado na "decoreba". Já o SAT exige pouca memorização e é basicamente um teste de QI e vocabulário.

Isso não quer dizer que o modelo americano não tenha sérios problemas. Porém, o que é ruim nos EUA é pior no Brasil. As universidades americanas ainda são as melhores do mundo, e as do Brasil enfrentam sérios problemas.

Ainda assim, o problema nem é esse. Eu queria falar mesmo é do ensino fundamental. No Brasil fala-se muito que "educação é solução", como se a vida fosse mudar se todos os favelados aprendessem a fórmula de Báscaras. Mas o pior é que não é.

Estou entre os que acham que o modelo atual de escola está superado, e deveria ser extinto. Na Antiguidade, quem podia tinha tutores, ou estudava por sua conta, ou era um analfabeto feliz. Hoje em dia é muito fácil estudar em casa, com livros e a Internet. Eu já aprendi muita coisa só lendo, sem qualquer professor. Não digo que o professor não possa ser útil, nem que seja como fator de motivação (tive alguns poucos excelentes professores cuja principal contribuição foi me motivar a aprender), mas o conceito da escola pública para todos, baseada no equivocado conceito da "tábula rasa", está amplamente superado. Uma escola mais individualizada, e mais baseada na criatividade e em estimular o pensamento, já seria mais próximo do ideal (e não, não estou falando das teorias-lixo de Freire e Piaget! Essas são pragas ainda maiores!)

Dizem que a escola também serve para que o jovem aprenda a "socialização". De fato, o jovem que vai para a escola logo aprende tudo sobre bullying, humilhação, vergonha, trapaças, submissão à autoridade e aos mais fortes, e sobre quem é popular com as garotas e quem não é (dica: não são os "quatro-olhos" CDFs que estudam). Não admira que alguns até cheguem a ficar com vontade de pegat uma arma e sair matando todos.

Muitos gênios famosos, como Einstein e Darwin, eram alunos medíocres da escola, e não gostaram da experiência.

De fato, a verdade é a seguinte: a escola não ensina, ou ensina muito pouco. Também não ajuda a socializar, não de forma que não poderia ser feito em melhores condições em outros lugares. O que a escola faz bem é lavar o cérebro das crianças (hoje com lenga-lenga esquerdista, mas em outros tempos poderia ser lenga-lenga fascista) e, mais importante do que o conteúdo: treiná-las para a obediência.

A obediência é o que realmente importa para a sociedade, e a escola é a melhor preparação para a escravidão futura do cidadão, destinado a viver oito horas por dia em um cubículo para que Bill Gates, Zuckerberg, Buffet e Slim ganhem bilhões. 

A escola serve também como creche para que os pais possam largar seus pirralhos de forma a que incomodem menos em casa. E serve para que os professores tenham o seu ganha-pão, muito embora hoje em dia a maioria dos professores de escola mal consigam pagar o pão.

Fora isso, a escola não serve para nada. Aliás, poderíamos argumentar que a maioria das coisas não serve para nada, mas também não vamos recair no niilismo. 

Quando alguém disser para você que "a educação é a solução para os problemas do Brasil", pode dar-lhe um tapa na cara.


 

9 comentários:

AF disse...

As únicas escolas boas e que servem mais ou menos para alguma coisa são as particulares. Muitas inclusive inovam, ensinam os alunos a jogar xadrez, fazem excursões e pagam pesado com o aluno mesmo. Algumas até adotam o método de ensino americano no Brasil.

Pena que as escolas particulares são caras e o governo está colaborando para encarecê-las ainda mais (e há pessoas que defendem que o governo quer é acabar com elas) e o lixo esquerdista e paulofreiriano está cada vez mais presente. No entanto, os pais que realmente podem pagar e amam os seus filhos tendo consciência do lixo que são as escolas públicas no Brasil gostam do resultado das particulares e DEVEM manter seus filhos longe das escolas públicas.

Nos Estados Unidos, há um problema também que é o uso de tablets nas escolas para praticamente tudo, seja para anotar a matéria, para fazer provas ou consultas. Os pais tem que assinar um seguro obrigatório do tablet e ai deles se algo acontecer. Tudo isso,não tem colaborado muito para o aumento do conhecimento e educação dos alunos, pelo contrário, tem é piorado e muito, como você mesmo, Mr. X, abordou neste tópico: http://blogdomrx.blogspot.com.br/2011/09/nao-tem-solucao-magica.html

No Brasil, as coisas estão piores com o lixo paulofreiriano e o esquerdismo cada vez mais ensinado nas escolas, apesar de que o uso de tablets está chegando aqui também (assim como as ideias idiotas de Paulo Freire e ensino esquerdista estão chegando nos Estados Unidos). Junte tudo isso e temos a receita para um imenso desastre educacional no Ocidente, com pessoas cada vez mais burras, frias e incapacitadas.

Ser professor em escola pública hoje em dia é algo arriscado, como trabalhar em minas de carvão. Quem conhece algum professor de escola pública já deve ter visto cada caso que eles contam que chegam ao bizarro.

E os esquerdistas, é claro, mantém a sua tremenda fé na educação, usando como desculpas até para não aumentar as penas do crime, dizendo: “ah, tem que investir em educação”, “haveria menos criminosos na rua se tivesse educação”, “precisamos de educação plena, e não de aumento penal”, blá blá blá, e os trouxas vão acreditando nisso.

Uma coisa também a ser abordada são as universidades brasileiras: claro que algumas ainda formam bons profissionais na área de exatas e medicina. Porém, na área de humanas, estão formando cada vez mais comunistas prontos até para matar.

Santoculto disse...

Quase a mesma coisa que eu escrevi, mas com 20% do número de palavras,kkkkkk... tá economizando é? preço do tomate está alto?

Seu copião!

Feyman só constatou aquilo que os seres pensantes que restam deste país veem todo dia. E o pior é a arrogância desta gente.

Faltou falar o porquê dos esquerdistas mas também da maioria dos conservadores em insistir na ''educação'' de acordo com uma perspectiva semianalfabeta lamarckiana, mais perto de vc.

Miguel Angel disse...

Não sei quando vc voltou, friend!
De todo modo te re-descobri hoje, para minha alegria e satisfação...
Tudo bem, te perdoo pelo longo abandono a que me condenastes. Mas, só se prometer não fazer uma coisa dessas, novamente! Falou?
Abçsss e
BEMVINDO!!!

Analfacleto disse...

Quem está ai, algum fã do Pink Floyd? O que fizeste com o o verdadeiro Mr.X? Veja como é a educação no Japão, giz e quadro negro continuam vigentes, enquanto isso na África e terceiro mundo, tablets e outras novidades, qual é, somos os mesmos de sempre, que conversa midiática é essa?

André disse...

Gosto bastante do blog, Mr. X, que bom que voltou a escrever, hehe, sou novo aqui, mas concordo com a maioria das coisas que disse, talvez, se no lugar de decorar as pessoas fossem inspiradas a pensar, eu penso que filosofia tinha que ser a matéria principal, realmente, cada dia que passa a educação piora, no lugar de progresso, temos regresso. com certeza a educação outrora foi melhor. muitíssimo melhor.

carlos broch disse...

Na Africa do sul ,a maioria dos brancos que advogaram contra o Apartheid eram liberais/esquerdistas de origem inglesa.curiosamente, apenas alguns anos apos o fim do apartheid ,a maioria destes ingleses esquerdistas abandonaram o país .


Anne Paton ,viuva de Alan paton(conhecido autor sul africano de origem inglesa que muito advogou contra o apartheid)foi uma destas inglesas que deixaramu a africa do sul -apenas 4 anos(98) apos aquele pais ,literalmente, cair em mãos negras!


http://www.ourcivilisation.com/cry.htm

na carta acima ela conta o porque mudou tão rapido de opinião!

carlos broch disse...

o rapido desenvolvimento dos tigres asiaticos se deve há abertura de mercado e leis que incentivam a produção.o investimento em educação(como tambem na saude,habitação,qualidade de vida) não foi a causa mas a consequência do rapido crescimento dos tigres asiaticos!

Santoculto disse...

http://2cypher.wordpress.com/2014/07/28/new-negro-head-statue/




Mr X disse...

Ééé. A educação é a solução para os problemas do Brazzzil, pode crer...

http://gazetaonline.globo.com/_conteudo/2011/12/noticias/a_gazeta/dia_a_dia/1047996-nas-escolas-professor-vira-refem-de-alunos.html