sábado, 14 de janeiro de 2017

Cães de palha

Recentemente um chicano psicótico com problemas mentais de identificação de gênero esfaqueou duas jovens mulheres brancas. Uma delas morreu. Não foram divulgadas as causas do ataque, mas o assassino havia anteriormente publicado dezenas de manifestações de brancofobia nas mídias sociais.

Outro caso interessante recente foi um refugiado nigeriano que em 2015 contaminou várias mulheres brancas islandesas com AIDS. Similar a um caso mais antigo na Polônia que mencionei nos comentários do post anterior. Também nestes casos parece ter sido proposital, com o objetivo de ódio aos brancos e às brancas.

Estas notícias, embora tristes e preocupantes, são interessantes para analisarmos a curiosa relação entre racismo, violência, imigração, feminismo e mulheres brancas.

Recentemente assisti ao filme "Straw Dogs" ("Sob o domínio do medo" no título em português, ou "Cães de Palha" numa tradução literal). Um bom thriller de Sam Peckinpah com Dustin Hoffman.

Bem, a partir daqui terei que contar detalhes do filme, então quem quiser continuar a ler clique para ler mais.






O filme narra a história de um matemático tímido e introvertido que é casado com uma mulher gostosa, porém insatisfeita. Ambos se mudam dos EUA para um vilarejo na Inglaterra (local de origem da esposa), onde o americano é recebido com desconfiança e desprezo pelos locais.

A esposa vive aporrinhando o marido que só quer fazer seus cálculos em paz. Já ela prefere andar sempre sem sutiã por baixo da blusa e um dia até mostra os peitões na janela para provocar os trabalhadores que estão reformando a casa.

Estes trabalhadores são na verdade um bando de pândegos e um deles é até um antigo namorado da esposa. Um dia eles a estupram, mas ela até gosta ou ao menos fica conflituada e não conta nada para o marido. (A cena do estupro é até hoje contestada pelas feministas)

Paralelamente, uma jovem vadia local se interessa pelo matemático e quer seduzi-lo, mas é ignorada. Irritada com a falta de atenção, decide dar bola para um conhecido deficiente mental da zona que já fora preso por estuprar garotas. Em resumo, ela termina estrangulada pelo idiota da vila, sem nem mesmo ter sido estuprada antes.

Por azar, a garota era justamente a filha de um dos membros dessa gangue que controla a cidade.

O deficiente mental termina sendo atropelado pelo matemático e sua esposa. Eles o levam para casa para cuidar dele, sendo então confrontados pela gangue, que exige a sua entrega.

Neste momento, o matemático nerd introvertido decide que já chega de ser bonzinho e recusa-se a obedecer. Até mesmo a esposa implora para ele entregar o deficiente, mas ele recusa. Fecha-se na casa recebendo os mais terríveis ataques e termina matando todos seus inimigos, um por um. A transformação de "beta" em "alfa" está completa.

No final, ele deixa a esposa em casa com os vários cadáveres e sai de banda no carro com o deficiente mental. O deficiente diz que não lembra onde é a sua casa. O matemático sorri e responde que também não sabe mais, dando a entender que provavelmente irá largar a sua esposa chata e aporrinhadora.

Bem, o que tudo isto tem a ver com os crimes acima?

Ora, sabemos nós que várias mulheres tem uma tendência inata a gostar de "bad boys". Basta ver esta notícia sobre mulheres querendo conhecer um serial killer em Goiânia.

No filme, a mulher provoca os trabalhadores, mas não é necessariamente por desejá-los, se não, justamente para incentivar um conflito destes com o marido.

Eis a mentalidade. A mulher gosta que A e B lutem, provando pela força quem é mais digno dela. Para a mulher jovem (ainda que de forma subconsciente) isto é excitante. (Pense nas competições entre cavaleiros medievais pela mão da princesa).

Então, se pensarmos no apoio das feministas e das mulheres brancas à imigração de árabes e africanos, fica claro que o que as excita é a ideia de várias tribos "alfa" lutando por elas.

Assim como a jovem esposa mostra os peitões na janela não tanto para os trabalhadores como para o marido, no desejo de que este "vire homem", a mulher branca subconscientemente talvez deseje despertar o lado "alfa" dos brancos.

O curioso é que, do ponto de vista prático, um homem "beta" é muito melhor do que mil "alfas". O matemático era um bom marido, bom provedor, e era paciente e extremamente resistente a conflitos.

Da mesma forma, são os "nerds" e os "betas" que constroem e mantém a civilização. Construir foguetes e computadores e sociedades mais pacíficas é com eles, não com os "alfas", que geram sempre conflito e matança.

Pensem nas dinâmicas das favelas: as brigas de gangue não são tanto pelas drogas como pelo controle de território e, mais do que isso, das mulheres. Traficantes pegam todas. As mulheres locais ficam molhadinhas pelo alfa que controla os outros e mata mais.

Então, os "betas" são os que tornam a vida no planeta mais aprazível, porém, na verdade são desprezados por isso pela maioria das mulheres mais gostosas, que incentivam assim o conflito.

É verdade que às vezes elas se dão mal. Às vezes, dando bola para um "alfa" que termina sendo nocivo, como o serial killer goiano ou o nigeriano aidético. Outras vezes, especialmente aquelas mais ingênuas que militam em causas progressistas, por causar desejo (ainda que neste caso involuntário) em "losers" "ômega" que terminam pirando e matando-as, como o latino chicano acima, ou aquele outro asiático que matou várias mulheres em Santa Barbara, ou, no exemplo do filme, da vadia tola morta pelo deficiente.

De qualquer forma, se pensarmos no paralelo com a atual situação ocidental, o filme também parece indicar uma possível solução: controlar suas mulheres (acabar com o feminismo), manter a regra da lei (proteger os mais fracos), usar da violência quando necessário mas sem esquecer a inteligência, e expulsar os invasores à bala.


26 comentários:

Sabedor disse...

''Em resumo, ela termina estrangulada pelo idiota da vila, sem nem mesmo ter sido estuprada antes.''

Mas que cara buurro...

Anônimo disse...

http://m.zerohora.com.br/284/noticias/9310161/maquiados-rapazes-desafiam-convencoes-de-genero-no-japao

Qual o problema dos japoneses? Qual o problema dos asiaticos, no geral? Estão bem... Moderninhos :/

Numa sociedade onde quase metade dos adultos ate 30 anos sao virgens, e onde cada vez mais pessoas chegam aos 40 anos sem ter um unico filho. Incentivar uma coisa dessas, numa sociedade já em destruiçao, é quebrar o pau da barraca.
Daqui a pouco, estao incentivando a levar nao-japas pra lá, igual nos paises brancos.
O que nao seria nada ruim, se assim os "refugiados" parassem de ir ao Europa.

Mr X disse...

"Mas que cara buurro..."

Na verdade, o filme dá a entender que ele se assusta e mata a garota mais por acidente. O deficiente é mostrado mais como um gigante atrapalhado do que como um estuprador tarado. Ao menos, entendi assim. Mas acho que não ficou claro na descrição.

Anônimo disse...

Sim, a maior parte das mulheres querem o bad boy. Tem orgasmo só de ver o marrozinho, chegando (muita das vezes, a pé!) e lhes dizendo "Qualé, loirinha. Bora trepar no mei cafofo?"

Sei disso por que tenho uma colega minha de trabalho, que cresceu junto com o avô "racista", mas pobre. Entao digamos que ele era obrigado a viver entre a gentalha marrom, apesar de odiar que sua familia andasse com eles.
Eu jurava que ela pensava como ele. Digo, quando ela contava de seu avo já morto, ela nunca deixa um comentario sobre as atitudes "racistas" dele. Entao eu logo deduzi que ela era igual.
Mas no mês passado, tive uma surpresa. O novo namorado dela tinha ido busca-la no trabalho. E sabe como era o bichinho? Uma favelado. As roupas, o cabelo, a forma de falar. Enfim, tudo gritava: negro, pobre e favelado. E que combinaçao horrivel é ser NPF.
E eu só penso, que seu avô deve estar se contorcendo de raiva no caixao.
Eu nao posso dizer que ela é branca pura, mas é muito linda. E o avô dela fez de tudo para protege-la do proibidão. Mesmo assim, nao teve jeito.

As garotas amam os bad boys.
E enquanto a masculidade dos arabes, negros e mestiços é incentivada, a dos brancos (e asiaticos, coitadinhos) sao feitas ao contrario. Quanto mais brancos bi, assexual, afeminado, melhor. Afinal, que mulher vai querer homens assim?

AF disse...

Existe também um filme baseado em fatos reais chamado "Karla, paixão assassina", que conta a história de um alfa fortão que seduzia facilmente as mulheres, depois as mantinha em cárcere privado, batia nelas, abusava e as matava com o auxilio de sua esposa Karla, que era "obrigada" a fazer isso.

Triste isso, mas essa é a realidade das mulheres que são facilmente atraídas pelo mal e enquanto isso, somos ensinados que as sociedades passadas eram machistas, com a bíblia machista e não sei o quê, mas vendo as péssimas atitudes das mulheres de hoje, vemos é que tinham total razão.

Mr X disse...

"Existe também um filme baseado em fatos reais chamado "Karla, paixão assassina"

Não vi esse filme, mas, é baseado em uma história real de uma canadense. Inclusive, ela ajudou o noivo psicopata a violentar e matar sua própria irmã.

Graças à incrível justiça progressista canadense, essa psicopata mal pego cadeia, já está livre e vivendo com sua identidade protegida.

Sabedor disse...

O amÔmino se esquece que existe uma tonelada de propaganda contra o homem branco e mesmo assim os estudos sobre preferência sexual mostram que a maioria permanece heterossexual.

O ''mundo'' precisa reduzir negros, mulatos e qualquer outro com sangue decididamente contaminado à menos de 2% da população humana, são gafanhotos inúteis que só sabem destruir.

E as raças mais avançadas precisam ser melhoradas, especialmente a nível moral que é o que sempre mais importa e que broncos da ''direita'' adoram achar que não passa de sentimentalismo, não existe real inteligência sem a junção harmônica entre emoção e lógica.

E as mulheres que são em sua grande maioria de sub-lógicas devem ser controladas. Pode trepar com quem quiser, mas na hora de ter filho não. De fato a sociedade precisa agir desta maneira, até os 30 anos, a maioria das pessoas devem estar casadas e com filhos, depois dos 30 anos se quiser pode fazer o que quiser.

E um dos buracos que precisam passar por esta hecatombe demográfica silenciosa e civilizada é o brazil, começando com vc abômino...

Sabedor disse...

''Qual o problema dos japoneses? Qual o problema dos asiaticos, no geral? Estão bem... Moderninhos :/

Numa sociedade onde quase metade dos adultos ate 30 anos sao virgens, e onde cada vez mais pessoas chegam aos 40 anos sem ter um unico filho. Incentivar uma coisa dessas, numa sociedade já em destruiçao, é quebrar o pau da barraca.
Daqui a pouco, estao incentivando a levar nao-japas pra lá, igual nos paises brancos.
O que nao seria nada ruim, se assim os "refugiados" parassem de ir ao Europa.''


Estilo de pensamento apocalíptico..

Tem uma minoria de jovens japoneses agindo deste jeito, até irreverente e porque não temporário... artistas, diga-se.

Aí já pensa que todo homem japonês ficou metrossexual ou vai ficar. Calma lá Jão!

Acho que nem é questão de ''incentivar'' mas de mostrar uma nova ou nem tão nova tendência afinal muitos atores do velho teatro japonês interpretam e já interpretaram papéis femininos e no mais os conceitos de ''gênero'' no Japão ao menos a partir de uma perspectiva histórica não são exatamente os mesmos que no Ocidente.

É o maravilhoso CAPITALISMO que aumentou muito o padrão de vida/custo de vida em muitos países e forçou a população a ter menos filhos, que não é tão ruim, principalmente em um país como o Japão com território do Mato Grosso do Sul e população de 127 milhões de pessoas, cujo território é em sua maioria de montanhas e vulcões.

O problema ou a solução agora é

como administrar o equilíbrio demográfico* Ou os japoneses começam a migrar para os outros países ou terão mesmo que reduzir a sua população [ reduzir sem envelhecer ], porque não cabe mais gente lá, o apartamento médio de uma típica família japonesa é muito pequeno se comparado com a superlatividade das residências de países como EUA e aqueles hotéis minúsculos no centro das grandes cidades como Tóquio não são apenas atrações turísticas mas também métodos encontrados por ''eles' para maximizar o uso do espaço disponível por lá que já é pouco.

Sabedor disse...

http://metro.co.uk/2015/04/03/man-ejaculated-into-colleagues-coffee-because-he-fancied-her-5133632/

Num tá fácel pra ninguém...

Ela deve ter pensado que era um creminho.

Agente Smith disse...

Esse comportamento é resultado de resquícios de um instinto nas mulheres.

Afinal "elas" passaram uma centena de milhares de anos se entregando, ou entregues, aos braços de homens que venciam lutas, seja contra animais por caça e defesa - e a maior parte da história humana é a do caçador-coletor -, seja contra outros homens ou contra tribos inimigas. E qual é o atributo mais desejável nesse caso? Sim, a capacidade para a violência, é assim que o homem ganhava "status" na época.

Hoje uma parcela bem grande das mulheres consegue "racionalizar" esse instinto para satisfazê-lo buscando um cara cheio do dinheiro, que é a nova fonte de status. Outras não conseguem e vão ter uma atração mórbida por criminosos.

Agente Smith disse...

A questão da testosterona é bem questionável, já que o nível padrão da população masculina branca é 1/4 do que era a 100 anos atrás. E as mudanças de estilo de vida e dieta também afetaram os negros. No entanto, há estudos sérios sobre os homens negros de fato terem um nível maior de estrogênio, o que explicaria uma possível tendência média à extroversão, à dança e à irritabilidade.

Mr X disse...

Agente Smith,

Até que dou certa razão às mulheres gostosas em procurar parceiros mais fortes, tais mulheres são muito desejadas e se seu parceiro é um covardão fracote, fica difícil mesmo.

O problema é que esse instinto em muitos casos é distorcido, por exemplo essas mulheres que se excitam com serial killers, drogados, ou estupradores, este homem não vai protegê-la, ao contrário, vai é lhe sentar porrada. Mas suponho que para tais mulheres isso pode ser parte da excitação.

No mais, hoje em dia a equação mudou um pouco com as armas de fogo, força física não quer dizer muito. É como aquela famosa cena de Indiana Jones em que ele dá um tiro no espadachim.

Mr X disse...

"um nível maior de estrogênio, o que explicaria uma possível tendência média à extroversão, à dança e à irritabilidade"

Eu argumentei isto com alguém, que a extroversão seria na verdade um atributo mais feminino (homens brancos tendem a ser mais introvertidos ou quietos e mais de andar sozinhos, enquanto negros andam quase sempre em grupo, e sempre tagarelando, quase tanto quanto mulheres). E portanto os negros ao menos nesse sentido seriam mais femininos.

Porém, não fui levado a sério...

Sabedor disse...

Acho que vc comentou comigo, X...

Olha, como eu disse homens são mais extrovertidos no que diz respeito à auto-confiança e/ou personalidade dominativa enquanto que tendem a ser menos simpáticos, sociais do que as mulheres, neste sentido, mais introvertidos. Já as mulheres o padrão geralmente é o oposto, elas são menos auto-confiantes, e portanto demonstrando uma característica mais com cara de introversão, e no entanto mais sociáveis e simpáticas.

A introversão MESMO é a sobrecarga sensorial geralmente de natureza mentalista ou social, isto é, o cérebro introvertido percebe mais coisas ao mesmo tempo, desta natureza, e tende a se tornar sobrecarregado, provavelmente por ter uma memória melhor*

O cérebro extrovertido precisa sempre ser estimulado socialmente porque se sobrecarrega pouco, é o que parece, é o que já li sobre este assunto. Deve ter a ver com dopamina.

Neste sentido a mulher seria mais extrovertida mesmo, mas tem a questão da auto-confiança que é uma coisa bem mais comum em homens e é perfeita para um extrovertido não é*

E no mais, lembrem-se que poucos que são apenas introvertidos ou extrovertidos e na verdade eu até acho que muitos introvertidos são assim, em partes porque vivem em sociedades de maioria extrovertida e que na intimidade são bem mais simpáticos, não confundir com empáticos, neste sentido eu os considero mais empáticos do que os extro, em média.

Silvio disse...

De qualquer forma, se pensarmos no paralelo com a atual situação ocidental, o filme também parece indicar uma possível solução: controlar suas mulheres (acabar com o feminismo), manter a regra da lei (proteger os mais fracos), usar da violência quando necessário mas sem esquecer a inteligência, e expulsar os invasores à bala.

Baita resumo, Mister. Diferente desses caras MGTOW, que pelo jeito passaram o diabo nas mãos de mulheres bandidas e biscates, minhas poucas experiências de namoro só me fazem lembrar do que há de melhor e mais agradável no sexo oposto. Uma das maiores vinganças que a gente pode ter contra a subversão, o globalismo, o raio que o parta: tenha relações harmoniosas com uma mulher. Forme uma família, trate bem a moça, seja fiel e deixe-a sem fôlego no vuco-vuco das “artes amatórias”. Soa idealismo? Não custa tentar. Chega de filosofismos e complicações, já passou da hora de darmos uma chance à simplicidade. Assim está escrito:

“Porque o marido é a cabeça da mulher, como também Cristo é a cabeça da igreja, sendo ele próprio o salvador do corpo.
De sorte que, assim como a igreja está sujeita a Cristo, assim também as mulheres sejam em tudo sujeitas a seus maridos.”
(Efésios 5:23-24)

Caramba, até algumas músicas pop mais antigas falavam disso de um jeito engraçado.

Sem essas noções, o que temos é uma absurda reação em cadeia: amarga desconfiança mútua, acusações, divórcios, solteironas cercadas de gatos e pedindo cada vez mais leis e canetadas de teor feminista, quarentões fora de forma obcecados por video-game, queda de natalidade que vira desculpa para imigração em massa...

Se continuar assim, todos irão perder. As intenções de dominância dos alahu-akbar estão aí para quem quiser ver. Eles definitivamente vão se aproveitar dessa situação. Nós perderemos por motivos óbvios. Os esquerdopatas perderão porque os muçuns irão passar com um trator por cima de sua agenda estúpida de libertinagem, desconstrução e niilismo.

Sabedor disse...

No mais essas diferenças de introversão e extroversão parecem ser mais comuns em outros povos como os japoneses e os suecos, porque no Brasil homens e mulheres tendem a ser igualmente socializantes, só que, ''mesmo'' aqui, o homem tende a ser mais autoconfiante que a mulher, e a mulher tende a ser bem mais simpática que o homem.

Mr X disse...

Acho que as diferenças se mantém, em média, até no Brasil.

Homens brancos são em média menos sociáveis do que negros. Simples assim.

Homens asiáticos talvez menos ainda, não sei bem.

Já Schopenhauer observou que negros socializam muito mais:

"E, como regra, verifica-se que um homem é sociável apenas no grau em que ele é intelectualmente pobre e geralmente vulgar. Pois nossa escolha neste mundo não vai muito além da solidão de um lado, e vulgaridade do outro. Diz-se que o mais sociável de todos os povos são os negros, e eles estão no fim da escala no intelecto. Lembro-me de ler uma vez em um jornal francês que os negros na América do Norte, livres ou escravizados, gostam de se fechar em grande número no menor espaço, porque nunca cansam da companhia de outros negros".

CENSURADO AGAIN disse...

VEJA O CASO DO NIGERIANO É JUSTO SE VC É MUDSHARK E CAI NA ARMADILHA DO SATANÁS REPTILIANO NÃO FOI ESTUPRO OBVIO OS METAFISICOS INTERPRETAM COMO DEMONIOS OS UFOLOGOS DA VERTENTE METAFICISTA COMO REPTILIANOS

Mr X disse...

Uma notícia interessante sobre o Japão. Chineses roubando as namoradas de japoneses "herbívoros" e tímidos:

https://www.japantoday.com/category/kuchikomi/view/china-outperforming-japan-in-campus-romance

Mulheres parecem ter muito pouca solidariedade étnica, indo com quem for só um pouco mais masculino.

Por isso que eu acho que se um dia abrirem a porteira dos africanos para o Japão, vai virar um país mestiço em pouco tempo.

Mulheres são lixo mesmo!

KKK no bom sentido, é claro.

El Misionero Meu Cérebro Minhas Regras disse...

As putas sempre preferiram os filhos da puta. Simples assim.

Sabedor disse...

Negros tem duas a quatro vezes mais testosterona livre do que os brancos europeus.

CENSURADO AGAIN disse...

Blogger El Misionero Meu Cérebro Minhas Regras disse...
As putas sempre preferiram os filhos da puta. Simples assim.

18 de janeiro de 2017 16:46

EXACTO MULHER TEM NO DNA O ESPIRITO DA MULHER DE MALANDRO

CENSURADO AGAIN disse...

OBVIO NÃO QUERIAMOS QUE FOSSE ASSIM MAS SE VC NÃO FAZ COMO ATHENAS ELAS VIRAM ISSO DAI

CENSURADO AGAIN disse...

SAGA GROELANDESA AMAZONAS FICARAM NO PASSADO

Anônimo disse...

O fato de mulheres serem irracionais e desconhecerem o conceito de lealdade não é exatamente uma novidade. Eu digo sem medo que mulheres são responsáveis por boa parte dos problemas da humanidade e sequer sou misógino. Já reparou como todo o esquerdismo moderno coincide com o inicio do feminismo? Já reparou como a grande maioria dos que seguram placas escritas "refugees welcome" são mulheres?

Anônimo disse...

Silvio disse...

"Uma das maiores vinganças que a gente pode ter contra a subversão, o globalismo, o raio que o parta: tenha relações harmoniosas com uma mulher. Forme uma família, trate bem a moça, seja fiel e deixe-a sem fôlego no vuco-vuco das “artes amatórias”. Soa idealismo? Não custa tentar."
Olha, com todos os exemplos que temos e tivemos, devo dizer que prefiro não arriscar, obrigado.