sábado, 19 de setembro de 2015

Você é um zumbi?

Uma pergunta que tenho é: porque algumas pessoas são mais afetadas pela mídia do que outras?

Seria o desejo de conformidade? Será que pessoas menos sociáveis tem menor interesse em seguir o resto da manada?

Eu, por exemplo, sempre desconfiei da mídia, desde adolescente; e nem foi por uma questão ideológica, mas acho que mais por sempre ter sido meio do contra, meio anti-social. 

Ou teria a ver com a hipnose, algumas pessoas sendo menos suscetíveis, outras mais?

A mídia, afinal, é uma forma de hipnotismo. A realidade é filtrada de acordo com certos interesses, e depois capricha-se em uma mensagem para causar pena, espanto ou horror, de acordo com o interesse do momento. A repetição constante de imagens faz o resto.

A questão dos "refugiados" é exemplar. São apresentados como coitadinhos, vítimas, mas os aspectos negativos são escondidos.

E o mesmo é feito com as "minorias" em geral. Nos EUA agora um adolescente muçulmano que "construiu um relógio que foi confundido com uma bomba por brancos racistas" foi convidado para a Casa Branca. Por quê? Sem motivo. O garoto nem mesmo construiu um relógio, parece que apenas desmontou um existente. Mas a mídia está tão ansiosa para ver minorias inteligentes e criativas, que qualquer coisa serve.

Enfim, o que é mostrado pela mídia é uma narrativa, um conto de fadas. O que é aliás bastante óbvio. O curioso é que a maioria das pessoas cai. E digo mais: entre os piores estão os estudantes de Comunicação, supostamente os que seriam mais críticos. Mas não: são os que mais repetem e disseminam as bobagem ouvidas, e estão entre os que mais levam a sério marcas e propagandas.

As tais mídias sociais, supostamente um local que permitiria a expressão individual, terminaram por exacerbar ainda mais o pensamento de manada. Uns imitam os outros, tentando aderir ao último meme esquerdista. Os poucos que reclamam são taxados de xenófobos, homófobos, "cisgêneros", caretas, "coxinhas", racistas, ou pior: "teóricos da conspiração".

Vejam que loucura: a mídia garante que mostra a "realidade", e quem não acredita, é um "teórico da conspiração", um maluco, um insano. Assim fica fácil!

Chega até a ser engraçado. Uma das coisas que a mídia promove, além da imigração, são os casais interraciais. Aqui nesta cidade onde moro não passa um dia que não veja um casal interracial, em geral, de mulheres brancas, e até loiras gostosas, com homens negros. Isso sem falar nos incontáveis casais de homens brancos com mulheres asiáticas.

Mas e daí? Raças não existem, não é mesmo? Aliás, fiquei sabendo no outro dia que Hollywood está fazendo um remake do filme argentino "O segredo de seus olhos". O engraçado é que o novo filme, além de ter Julia Roberts com uma peruca ridícula, tem um negro no papel que foi de Ricardo Darín.

(Não entendo esses remakes. Afinal, os americanos estão cada vez se lixando mais para filmes estrangeiros, e é pouco provável que virem sucesso de bilheteria, então pergunto-me às vezes se o objetivo desses remakes não é mesmo o de zoar. "Vejam o que fazemos com os filmes de seus países, seus trouxas! Quá, quá, quá!")

Bem, mas voltando ao tema, não é apenas o povão, a própria elite está se miscigenando a mais não poder. Será que querem dar o exemplo, ou realmente acreditam no que fazem? Ou estão apenas se preparando para o futuro misto que virá?

Mas agora vou me contradizer, pois acho que a miscigenação pouco ou nada tem a ver com a mídia, e muito com a natureza humana. Conforme já falei antes, são comuns os casais de brancos com asiáticas, e de negros com brancas, mas o contrário (brancos com negras e brancas com asiáticos) é muito raro. Por quê? Simples, tem a ver com a percepção da masculinidade e feminilidade. Homens negros são percebidos como mais masculinos e viris, mulheres asiáticas com feminilidade (neotenia) e submissão. (Se bem que ouvi dizer que isso da mulher asiática ser submissa é um mito -- são ainda mais mandonas do que as brancas ocidentais.) Enquanto isso, homens asiáticos são vistos como nerds feminizados, e mulheres negras, como demasiado masculinas. 

E quanto à imigração, também é verdade que grande parte da população branca apóia e até se delicia, seja por ignorância, seja por pena, seja por simpatia, então a mídia tem apenas um papel parcial.

Bem, se todos, da elite ao povão, querem esse mundo global, que sejam felizes. Quem sou eu para me preocupar, então?

Aliás, agora até acredito que com toda essa mistura de raças, religiões, etnias e culturas que está ocorrendo, quem sabe se não surgirá no final o ser humano perfeito, com a inteligência do asiático, a criatividade do branco, a malemolência do índio, a extroversão do negro, a impetuosidade do árabe, a esperteza do judeu, a perseverança do indiano, a paciência do aborígene e a boemia do cigano. Será um estouro.

E você? Também é afetado pela mídia? Ou é apenas um miserável "teórico da conspiração"?



14 comentários:

Michel disse...

belo post nada a acrescentar no momento

como vc sou um anti-social pois nao acredito no termo "meio" e tambem nao passo de mais um teórico da conspiração talvez por nao concordarmos com a maioria nossos assuntos com a sociedade são restritos, talvez por isso somos "meio" anti-sociais

Santoculto disse...

A ideia de hipnose deve estar, pelo menos eu acho, a mudança de comportamento, quando for submetido a ela. Eu vejo que a maioria das pessoas que hoje em dia acreditam no que a mídia diz, não foram vítimas de lavagem cerebral, mas

- são estúpidas, especialmente em pensamento holístico (isto é, realmente holístico) e de longo prazo,

- escutam aquilo que querem ouvir.

Se voce conseguir transformar um grupo de amishs em (socialmente) liberais asteando bandeiras de arco íris e frequentando saunas gay, me diga, porque aí sim se consistirá em um clássico caso de hipnose coletiva.

A demo(oligo)cracia, se consiste no poder do ''povo'', que sabemos que na verdade se consiste no poder das massas e que sabemos que não tem como melhor característica a sua inteligencia intelectual, porque são intelectualmente preguiçosos, não se interessam muito pela verdade.

Ricardo DA SILVA LIMA disse...

Teorias da conspiração? Não acredito (mas também não duvido nem um pouquinho, viu?)

AF disse...

O pior mesmo são aqueles esquerdistas que dizem que os outros são manipulados pela mídia, mas demonstram ser totais manipulados pela mídia e dizem, por exemplo, que a Globo é de direita, mas comemoram beijos gays nas novelas da Globo, comemoram também ataques e notícias falsas dos cristãos e não fazem nenhum questionamento dessas notícias de imigração que são comuns na Globo e em outros portais. Também dizem que o PSDB é de direita, que a direita brasileira se resume ao Olavo de Carvalho e ao mesmo tempo amam soltar aqueles jargões comuns na esquerda:

- meeehh, racista!
- meeehh, homofóbico!
- meeehh, nazista!
- meeehh, extrema-direita!
- meeehh, mídia golpista!
- meeehh, estado laico!
- meeehh...

Isso tudo os esquerdistas certamente aprendem com a "mídia golpista" e em seus blogues que pregam "muita paz e amor", são sempre imparciais e sempre "questionam tudo".

O argumento que eles amam usar é o fato da mídia estar noticiando e muito as corrupções do PT e que isso prova que a mídia é de direita. Ora, a mídia está apenas noticiando fatos. Se fossem mentira, os meios de comunicação já estariam sendo processados e condenados a pagar indenização ao PT e há tanta notícia de corrupção no PT, que se fossem falsas as notícias, a mídia certamente pagaria em indenização muito mais do que o PT roubou (ok, nem tanto).

A mídia ainda usa parcialmente o código de ética dos jornalistas que teoricamente implica na verdade, clareza, objetividade e imparcialidade da informação, além de saber que notícias assim atraem muita gente e que certas notícias como corrupções sérias e ataque terroristas ela tem que ser "obrigada" de um certo modo a noticiar. Se o PSDB é corrupto (e é, mas não tanto quanto o PT), então, que os próprios esquerdistas averiguem e peçam a mídia para mostrar.

Claro que os mesmos esquerdistas que dizem que não são manipulados pela mídia fazem vista grossa ao mostrarmos o tanto que a mídia esconde os absurdos que acontecem com os cristãos nos países islâmicos, a pedofilia do movimento gay, o quanto a mídia muitas vezes omite certos ataques islâmicos e até o fato de serem muçulmanos, omite também ataques de negros contra brancos, apoia Obama e critica quem não vota nele e muito, muito mais.

Lunáltico. disse...

Sou um reles teórico da conspiração...


Mais um ótimo texto, como sempre.

Silvio disse...

Grande post, Mister. Algumas dessas zumbizices são fáceis de rebater.

1) Sobre “conspirações”, tem a ver com uma palavra extremamente importante que vc mencionou: narrativa. Um fato é desagradável à narrativa? Eles omitem. O fato veio à tona? Eles o desacreditam, ridicularizam. “Ih, conspiração”, “anda vendo muito Arquivo X, kkkkkkk”. Quem não entender o q está na p* deste link é caso perdido:

http://www.fordfoundation.org/regions/brazil/grant-making/pt-br

O infame Geledés, aquele covil de pretos ressentidos e complexados, está na folha de pagamento. Mas que “surpresa”...

2) Sobre miscigenação, é biologia “101”. Características brancas vêm de genes recessivos. Se essa mentalidade de mistureba for muito longe, pode haver a redução drástica daquilo que já é por definição recessivo. Olha a família da alemoa Heidi Klum com o cantor Seal. Proporção 3:1. I rest my case. Um possível impacto disso? As estatísticas de criminalidade com recorte por raça/etnia estão aí para quem quiser imaginar.

Mas tem umas coisas curiosas: eu sempre cito o exemplo da atriz Cameron Diaz, que parece uma princesa viking. Na verdade ela é mestiça (o sobrenome já entrega), o pai era hispânico (cubano, se não me engano). Eu também sou mestiço, escurinho e tudo. Enquanto que um tio meu é a cara do Kaiser Wilhelm, tem até o bigodão!

3) Sobre essas usinas de bostejamento conhecidas como redes sociais, para mim o comentário definitivo sobre elas está aqui: http://www.youtube.com/watch?v=kyBjTn3IuUs

4) Mais material anti-zumbi:
http://www.returnofkings.com/62716/the-damaging-effects-of-jewish-intellectualism-and-activism-on-western-culture

http://www.youtube.com/watch?v=1W-BXNlwc-k (esse doc é foda!)

Bom, o comentário ficou longo. Era isso.

Guerreiro Magiar disse...

Duvido que saia algo de bom dessa mistureba geral. Em comparação com os "não-miscigenados", as pessoas de raça mista os superam em média de expectativa de vida, produtividade e quociente de inteligência? Se a miscigenação gera uma nova estirpe de seres humanos perfeitos, as favelas cariocas são o paraíso na Terra e ainda não descobrimos... Será que o mundo vai melhorar virando um favelão?
Quanto ao comportamento dos brancos, temos que buscar entender o fato histórico da dissolução moral que ocorreu nos países ocidentais. As pessoas perderam as referências sobre moral e costumes. Hoje, infelizmente, é a mídia e os palpiteiros das redes sociais que ditam como deve ser o comportamento socialmente "aceitável". Neste novo mundo, as regras socialmente aceitas são impostas sem qualquer fundamento. E mudam de forma tão rápida que as pessoas mal têm tempo de assimilar, mesmo assim, por falta de boas referências, temem afrontar a nova ordem social. O resultado disso é uma cultura de fingimento, onde todo mundo morre de medo de ser chamado de "racista, homofóbico, machista, cis, classe média, preconceituoso". Os pais e mães modernos criam seus filhos de uma forma superprotetora, o que, sabe-se, afeta o desenvolvimento da personalidade. É por isso que temos uma geração de pessoas sem instinto de sobrevivência, mimada e inconsequente. Que tipo de políticas essas pessoas vão apoiar, vocês imaginam?

Mr X disse...

Interessante esse link do Ford Foundation.

O curioso que Henry Ford era considerado conservador, racista e anti-semita, mas a fundação (gerida principalmente por seu filho, pelo que vejo, e depois por um certo Darren Walker, que é, quem diria, abertamente gay: http://www.fordfoundation.org/about-us/leadership/darren-walker) virou um antro de promoção de todos os esquerdismos e globalismos possíveis.

Estas fundações são muito misteriosas e interessantes. Elas financiam grande parte das mudanças que ocorrem hoje no mundo.

Mas é claro, quem investiga estas coisas, é apenas um maluco, "teórico da conspiração".

Anônimo disse...

Quero entender seu ponto de vista. Qual o problema de um negro casar com um branco?

Th disse...

Quero entender seu ponto de vista. Qual o problema de um negro casar com um branco?

Anônimo disse...

O que acontece é que não existe jornalismo,se existiu foi a muuuuito tempo atrás,o que acontece hoje é que as redações de "jornais" estão infestadas de gente vinda de dce de universidade pública,que manipulam todas as noticias,filtrando o que deve ou não deve ser mostrado e moldando cada reportagem,documentário,e até entrevistas de acordo com seu gosto e preferência ideológica,a mídia é tão tendenciosa que não dá espaço nem para um debate.para finalizar a cultura atual norte americana é um lixo,a sociedade anglo está doente.

Mr X disse...

Olá Th,

Não tenho problemas em um negros/as individuais casarem com branco/as, mas das repercussões a longo prazo das gigantescas misturas demográficas atuais, ao nível de milhões. Genes recessivos e tais. Tipo: alguns dizem que os olhos azuis e os cabelos loiros, já raros, um dia irão sumir. Será? Bem, não sei. Se surgiram de uma mutação, então é possível que mutem de novo. Não conheço muito de genética.

No mais, era principalmente um exemplo sobre coisas que a mídia promove ou acha legal, sua defesa sempre das minorias contra a classe mérdia branca.

Escreverei mais sobre isso outra hora.

Anônimo disse...

Mr x não precisa ir muito longe não veja esta pérola que acabei de ver:http://www1.folha.uol.com.br/mundo/2015/09/1683854-integracao-de-refugiados-muculmanos-no-parana-acaba-em-casamentos.shtml era só o que faltava...

Mr X disse...

É a "integração" que eles tanto querem. Mas integração ao que?