domingo, 13 de janeiro de 2013

O silêncio de Deus

Por motivos que só Deus sabe, tem havido muita discussão no último post sobre a existência ou não de Deus. Um dos comentaristas, acho que o Almeida, disse que talvez tudo não passe de um "acidente químico".

Devo confessar que essa visão me preocupa. Um acidente químico? Uma das coisas que eu acho curiosa é a seguinte. A ciência busca respostas, e busca ser objetiva, busca entender as leis que existem por trás do funcionamento do Universo, procura lógica e racionalidade em tudo. Mas aí, na mais fundamental das questões, diz: "foi acaso". Ou: "foi um acidente". Pode ser, mas não me parece uma resposta satisfatória.

Se o Universo existe, deve haver alguma razão. Qual é, não sei ainda, mas um mero acidente ou fruto do acaso me parece que seria algo bem estranho. É como se, no meio de um ferro velho, surgisse do dia para a noite um Boeing 787, e a explicação fosse apenas, "foi um acidente", "foi o acaso", "sei lá, apareceu aí, pô, me deixa dormir".

Entretanto, a impressão que temos enquanto seres humanos perdidos no Universo é de um avanço, de algo que vai justamente evoluindo e sendo construído, do Big Bang a um complexo sistema de galáxias, da sopa primeva à vida, das formas de vida mais primitivas às mais avançadas, do mais básico ao mais complexo. Não me parece que isso possa ser mero fruto do acaso, mas, como posso saber?

É possível que o nosso cérebro seja ainda demasiado precário para compreender essas Grandes Questões. Talvez daqui a mais alguns bilhões de anos, tenhamos evoluído o suficiente para entender o nosso destino.

Ou isso, ou tudo é uma grande piada absurda, como naquele romance do Kurt Vonnegut no qual ao final se descobre que toda a existência do planeta Terra e da História da humanidade não passava de uma mensagem de um alienígena a outro pedindo socorro por ter se perdido. (De qualquer modo, mesmo que tivéssemos sido criados por aliens, ficaria a pergunta sobre quem criou os aliens).

Ou então nunca saberemos, o que talvez seja pior.


36 comentários:

Chesterton disse...

O silêncio de Deus é um argumento dos não-teístas contra a existência Dele. Mas é argumento furado, uma vez que não passa de opinião. Eu, por exemplo, prefiro um Deus que não se mostre.

Rovison disse...

A hipótese de um universo sem um Criador me parece tão absurda que não pode ser levada a sério.

Alexandre Almeida disse...

" É como se, no meio de um ferro velho, surgisse do dia para a noite um Boeing 787"


Se a vida na terra tivesse surgido do dia para noite, eu lhe daria razão. Mas não foi o caso. Até prova em contrário, foram milhões de anos de vagaroso desenvolvimento, partindo de um vertebrado símio até o homo sapiens. E muito desse encanto etéreo acerca do surgimento da vida se esvai com a teoria da evolução.

Eu não sei se foi Mainlander quem disse que Deus, entediado com a própria existência, suicidou-se no início dos tempos. Sendo assim, sua obra ficou inacabada. Tanto o universo quanto a vida na terra seriam apenas um esboço, um rascunho feito às pressas num guardanapo. Deus desistiu do projeto mas não o abortou. Estaríamos então condenados a ser apenas uma sombra das nossas potencialidades. Acho essa hipótese mais cabível. Ela não explicaria a violência da natureza, já que o tubarão foi obviamente projetado, seja por Deus ou pela pressão ambiental evolutiva para ser um predador carniceiro. Mas ela explicaria o silêncio de Deus (ora, Ele não mais existe), o porque de o universo ser um caos de eventos aleatórios e destrutivos e, principalmente, porque nós somos tão ordinários.

Aqueles que não se conformam com o mistério da vida sem um criador já pararam para pensar que talvez seja uma questão de tempo verbal entre "Deus existe" e"Deus existiu"?

Alexandre Almeida disse...

Quando bato na tecla da crueldade da natureza, eu a estou analisando do ponto de vista da moralidade humana. Se a natureza é obra do acaso, não há que se falar em moralidade. A natureza simplesmente existe tal como é e ponto. Mas se ela é resultado da imaginação de uma super inteligência, então podemos colocar em xeque a moralidade dessa super inteligência. E eu acho que essa entidade, Deus, antropomorficamente falando, é imoral e cruel. E omisso.

KRZ disse...

Supor que DEUS não existe é irracional, ilógico.

A ideia da evolução não é tão soberana entre a comunidade científica como alguns imaginam ser, acreditar no conceito evolutivo requer tanta fé quanto acreditar na criação. A ideologia evolutiva gera muitos impasses na astrobiologia, estamos encontrando respostas, as perguntas é que estão erradas.

KRZ disse...

Supor que DEUS não existe é irracional, ilógico.

A ideia da evolução não é tão soberana entre a comunidade científica como alguns imaginam ser, acreditar no conceito evolutivo requer tanta fé quanto acreditar na criação. A ideologia evolutiva gera muitos impasses na astrobiologia, estamos encontrando respostas, as perguntas é que estão erradas.

Marcelo Augusto disse...

Olá!

Um dos problemas com a visão dos ateus ao estilo Richard Dawkins consiste em não levar em consideração as limitações da ciência e, sobretudo, no uso equivocado que essas pessoas fazem da ciência para mostrar que Deus não existe.

O problema fundamental em se utilizar a ciência/método científico para provar a inexistência de Deus consiste no simples fato de que a ciência lida com aquilo que é mensurável, observável, que pode ser calculado seja pelos mais simples dos instrumentos, como uma singela soma, seja pelo mais intrincado mecanismo já concebido pelos seres humanos, como supercomputadores.

Deus representa o imaterial, o impalpável, aquilo que não tem como ser medido por instrumentos científicos. É uma tentativa fadada ao fracasso utilizar a ciência/método científico para demonstrar que Deus não existe, pois não há como mensurar algo que está fora do alcance da ciência e das suas limitações.

Um bom exemplo das limitações da ciência é o Problema dos Três Corpos. Tal problema é um dos exemplos mais didáticos que mostram as limitações da ciência/método científico, pois tal problema apenas aceita soluções mediante a imposição de uma série de condições (restrições) que simplificam-no em demasia. Se um experimentador/físico/matemático/etc. adicionar mais corpos ao problema, a ciência começa a "emperrar" e as soluções se tornam matematicamente complicadíssimas ou, mesmo, impossíveis.

O exemplo do Problema dos Três Corpos não é para mostrar que isso prova/desprova a existência de Deus, mas para demonstrar que, mesmo nos assuntos/situações que podem ser tratados/trabalhados diretamente pela ciência/método científico, mesmo nesses assuntos a ciência mostra as suas limitações, daí que utilizá-la para provar a existência/inexistência de algo que não está ao seu alcance é pura perda de tempo.

Até!

Marcelo

Mr X disse...

Bem, eu achei este comentário interessante:

Mark of the Animal. — It is an odd prejudice which holds that it is not a limitation of science that it does not answer the most basic metaphysical questions, but rather a failure of metaphysics that it asks them. Consider the weirdness of this train of thought: a rational-empirical method of ours, which has the scope to answer questions a, b, and c, does not answer questions x, y, and z, therefore, questions x, y, and z are illegitimate as rational questions in general. This has more the character of animal territoriality than of rationality.
Posted by Deogolwulf at 12:09

Chesterton disse...

É o que fala Dolhenty sobre conhecimento não-racional. Muito bom.

Chesterton disse...

Apropos of the Social Body. — It is not the surgeon we should fear; it is the anaesthetist.
Posted by Deogolwulf

Mr X disse...

Esperemos que funcione.

http://orthosphere.org/2013/01/06/a-prayer-for-lawrence-auster/

Rovison disse...

Ótimo comentário, Marcelo Augusto. Deus, o criador do universo e um ser imaterial, não pode ser apreendido e analisado por criaturas tão limitadas quanto o homem. A mente humana está muito aquem de compreender um assunto tão misterioso quanto à existência e natureza de Deus.

Brancaleone, Fronteira Norte da República do Sul disse...

Fala sério.
Deus não existe. Aliás, deus nenhum existe.
Não fica bem seres humanos acreditarem em deuses, sacis, fantasmas, lobisomens e outras quinquilharias imaginadas.
Tolera-se acreditar nestas coisas até os 6, 8 anos de idade. Quando se deixa de acreditar em papai noel e coelhinho da páscoa deve-se deixar de acreditar em deuses.

Mr X disse...

E os protestos *CONTRA* o casamento gay em Paris, hein? Depois faço um posto sobre isso.

http://2.bp.blogspot.com/-W0a-GOONN3o/UPNO2-W1NJI/AAAAAAAAJdU/1pzS7jx966Q/s1600/January%2B13%252C%2B9.jpg

Beto disse...

Uma teoria muito interessante é a da Panspermia Direta.
A vida na Terra foi trazida por extraterrestres, eles mesmos vencendo as enormes distâncias interestelares ou enviando naves-sondas não tripuladas, trazendo várias espécies de animais e vegetais e assim colonizando o planeta e espalhando as espécies por toda a terra, ou pelo menos, espécies básicas.

Acho bem provável essa teoria, O que não descarta a existência de Deus, pois esses seres colonizadores também tem que serem criados, ou por Deus ou esse mesmo processo se repetindo no planeta natal deles.

Então poderíamos ter uma cadeia, pequena ou longa dos planetas sendo colonizados ou em voos tripulados ou mais provavelmente por sondas, dadas as enormes distâncias interestelares.
Claro, isso a partir de civilizações que alcançaram elevadíssimo desenvolvimento cintífico e teconologico, e também elevadíssimo conhecimeno em genética.

Dessa forma, Deus deve estar na origem de tudo, mas a dispersão da vida no Universo vai se dando pela panspermia direta (ou indireta, através da vida vinda de cometas ou asteróides, por exemplo, mas esta considero muito pouco provável, as chances, probabilidades de acontecer seriam muitíssimo menores)

c** disse...

josua, concordo com vc, em tudo !

coisa mais medieval e obscurantista essa obsessao com deuses, seres superiores, criadores e tal...

Matheus Carvalho disse...

Pode ate ser que exista um Deus, mas tenho certeza que nao e' o Deus da Biblia, ou do Corao, ou da Tora, a menos que esses textos tenham sido terrivelmente deformados ao longo dos tempos. Tambem nao faco ideia do que ele seja. So sei que e' reconfortante torcer para que depois de morrer possamos encontrar aqueles que ja partiram e que nos eram queridos. Alias, antes que venham me evangelizar, essa coisa de esperar vida apos a morte existe ate entre os indios agrafos da amazonia, nao e' privilegio dos cristaos. Se nao passa de uma esperanca va, bem, prefiro viver com ela.

Chesterton disse...

Pode ate ser que exista um Deus, mas tenho certeza que...

chest- certeza? mas então és a única pessoa do mundo a ter certezas sobre esse assunto. Mesmo um crente, que acredita e tem fé, não tem certeza. Ele crê porque não sabe. Se soubesse diria "tenho certeza".
Conffa, não é obsessão com "deuses", mas a razão que leva a crer na existência do criador. Se o universo tem início, tem causa que antecede. Se o tempo tem início essa causa é atemporal. Se a matéria foi criada a causa é imaterial. E daí não passo.
bs

Bárbara disse...

>"E os protestos *CONTRA* o casamento gay em Paris, hein? Depois faço um posto sobre isso."

São franceses étnicos, ou os "novos" franceses? Se forem os "originais", é um bom sinal contra o "progressismo".
Mas ainda penso que eles teriam uma coisa mais importante para se preocupar do que União Civil de Bichas reconhecida pelo Estado Francês decadente.

Não preciso dizer o que é, né?

>"josua, concordo com vc, em tudo !

coisa mais medieval e obscurantista essa obsessao com deuses, seres superiores, criadores e tal..."

Nossaaa! Falou a Voz da Sabedoria!

O que vc sabe sobre Idade Média? No mínimo deve ser daquelas que pensa que "naquela época eles achavam que a Terra era plana".

Obscurantismo vc vai ver, quando o mundo se tornar aquilo que cabeças ocas como a sua querem que seja!

X, se vc não publicar este coment, vai ouvir horrores!

Bárbara disse...

>"Pode ate ser que exista um Deus, mas tenho certeza que nao e' o Deus da Biblia, ou do Corao, ou da Tora, a menos que esses textos tenham sido terrivelmente deformados ao longo dos tempos."

Vou recomendar um livro (provavelmente ninguém vai se interessar, de qualquer modo...)

Do Inconsciente a Deus - de Erna Van de Winckel.

Excelente leitura.

Mr X disse...

Mera curiosidade - Matéria do nosso amigo Pedro Doria sobre o Aaron Swartz, que suicidou-se ontem:

http://oglobo.globo.com/economia/o-desespero-de-aaron-7296089

Beto disse...

Mr X, sobre meu comentário anterior, um link sobre a teoria da panspermia direta:
http://seteantigoshepta.blogspot.com.br/2010/10/panspermia-dirigida-vida-implantada-na.html

E existe um livro de Francis Crick, "Vida, O Mistério de sua Origem e Natureza", editado em português, da editora Gradiva.

Eu, por exemplo, sou crente mas não vejo incompatibilidade entre a religião e a ciência, na verdade essa divisão parte mais daqueles que tem visão atéia de que propriamente os crentes. Também acho interessante a teoria do designer inteligente e, os cientistas ateus não querem nem ouvir falar e aqueles cientistas que propoem essa tese são até ridicularizados.

Aliás, interessante, é só entrar Deus que no assunto, que os cientistas ateus, deixam de lado qualquer espírito cientíico e isenção e se enchem de todo tipo de preconceito, ou seja, a dita ciência se fecha sobre si e o que ela aceita ou não é a partir de pressupostos pré-estabelecidos.

Bárbara disse...

X, cadê meu outro comentário? E o comentário da outra abusada?

Que bonito, hein?

Rovison disse...

Por que vc me censurou, x? não ofendi o cara, apenas pedi pra ele deixar a presunção de lado e assumir que eu, vc, ele e qualquer ser humano somos seres incapazes para afirmar com absoluta cereteza, como o cidadão fez, que Deus não existe. Um pouco de humildade não faz mal a ninguém, agora arrogancia estraga qualquer pessoa.

Mr X disse...

Calma lá, não censurei ninguém, demorei a publicar alguns comentários, só isso. Estão aí, não? Abs.

Matheus Carvalho disse...

Aos que disseram que nao posso ter certeza: eu tenho certeza, do mesmo modo que 2+2=4. Basta ler a Biblia que qualquer um so pode ter 2 opcoes: 1) Concluir que o Deus ali descrito nao existe; 2) Concluir que o texto foi totalmente deturpado em prol de algum interesse. Ta bom, tem uma terceira opcao: acreditar que seu Deus e' um Deus que mata bebes, por exemplo, como no diluvio, entre outras gentilezas. Um Deus que se preocupa em testar se alguem e' fiel atravez do sacrifico do proprio filho (Abraao). Um Deus que manda 7 pragas ao Egito, atingindo claro todas as criancas e animais domesticos, etc, etc. Qualquer um com um minimo de raciocinio entende o que e' a biblia, pelo menos o velho testamento: uma historia (cheia de lendas) do povo judeu, com varias guerras, em que Deus, claro, sempre esta do lado de quem vai vencer (obrigado, Renato Russo).
Agora, antes que me rotulem, nao, nao acredito piamente na teoria da evolucao. Eu simplesmente nao sei o que e' o mundo, o que e' a vida, o que eu sou. Nao vi resposta convincente ate agora, nem pela religiao, nem pela ciencia. Se alguem prefere acreditar nas historinhas da Biblia e assim se sente melhor, ok, e' sua escolha, mas para isso eu considero necessaria uma dose gigante de cegueira voluntaria ou, talvez, involuntaria (ai nao e' culpa sua, ok). Mas acho que, neste caso, o crente tem que arcar com uma cumplicidade similar daquela que os comunistas atuais devem ter com os crimes de Stalin e Mao, por exemplo.

Theo Oliveira disse...

Não li nenhum comentário. Apenas digo se tudo é acaso químico porque eu deveria considerar meu próprio pensamento verdadeiro sobre este assunto, que segundo essa visão, não passa de amontoados imprevisíveis de choques atômicos, produto da junção e secreção de células, órgãos e substancias? Se são apenas produto da química, da biologia ou sei la mais o que porque eu deveria afirmar que eles são confiáveis porque apenas não passam de acaso?

autor desconhecido disse...

Mateus Carvalho,
então quer dizer que vc reduziu a complexidade infinita do universo à bíblia??
Eu não acredito em nada na bíblia, ainda mais sabendo quem deve tê-la escrito, mas isso não me faz forçosamente a não acreditar em Deus, uma coisa não tem a ver com a outra.
Vc afirma aquilo que quiser, bem eu começo (começo não, esta eu tenho CERTEZA) que em todo e qualquer debate que vc entrar (eu, vc, qualquer um) SEMPRE o teu adversário vai tentar te provar o contrário e vc por sua vez irá tentar provar o teu ponto.
Podemos resumir sabidamente isso como uma incongruência factual de um debate, ele só serve para inflamar os ânimos,
sugiro ao X, que crie uma série de regras para a boa civilidade e que as pessoas possam compreender que nem sempre os outros irão concordar com você.
Mas aí saindo das nuvens estratosféricos em que estamos e botando os pezinhos no chão, eu pergunto a você:
você realmente se sente mais confortável acreditando num fim inevitável e sem sentido, que afirma ser a morte?
O que estas ideias tem lhe dado de vantajoso?
Eu gosto de saber mais do que outros, isso me dá orgulho mas eu realmente não vejo nenhuma vantagem em seguir o teu pensamento...
Não acreditar em Deus poderia ser uma espécie de status cognitivo moderno?

Theo Oliveira disse...

Não li nenhum comentário. Apenas digo se tudo é acaso químico porque eu deveria considerar meu próprio pensamento verdadeiro sobre este assunto, que segundo essa visão, não passa de amontoados imprevisíveis de choques atômicos, produto da junção e secreção de células, órgãos e substancias? Se são apenas produto da química, da biologia ou sei la mais o que porque eu deveria afirmar que eles são confiáveis porque apenas não passam de acaso?

Matheus Carvalho disse...

Nao disse que nao acreditava em Deus, so disse que nao acreditava na biblia. Leia direito o que escrevi, mister unkonwn... Mas nao sei se Deus existe. So tenho CERTEZA de uma coisa: nao e' o da biblia.

autor desconhecido disse...

Matheus Carvalho,
eu devo não ter lido direito, pq se vc pensa deste jeito, então eu também concordo.

Bárbara disse...

Theo Oliveira descreveu um interessante paradoxo!
Gostei!

Melo disse...

"Se um dia aconteceu um fenômeno chamado Big Bang (a origem do cosmos), é porque determinadas forças se juntaram numa determinada proporção matemática capaz de produzir esse efeito. Se isso aconteceu num determinado momento, é porque essa proporção matemática já era válida para produzir esse efeito, desde muito antes que ela se produzisse.
Todos os fenômenos da natureza expressam proporções matemáticas que são válidas antes de os fenômenos se manifestarem. A totalidade das proporções matemáticas que regem o cosmos existem eternamente, muito antes da existência do cosmos, inclusive as proporções matemáticas que permitem que um animal dotado de um cérebro pense e tenha consciência. Se você tomar a totalidade dessas proporções e dessas relações, você obtém o Logos Divino. O Logos Divino preexiste ao Universo. Ponto. Isto é um dado científico. Não há ninguém que possa responder a isso.
Agora, se um sujeito disser: "Não, as proporções não eram válidas na esfera das possibilidades, elas só se tornaram válidas na esfera da realidade.", aquilo que é real é, por definição, possível. O esquema total das possibilidades realizáveis é o Logos Divino, e ele necessariamente preexiste à existência da própria realidade cósmica."


Apenas lide.

Anônimo disse...

Deveremos considerar 4 como resultado oficial de 2+2 até que alguém descubra que é um engano... O mesmo se aplica à existência de Deus: estudado os argumentos metafísicos, lógicos e morais que embasam-na... Não dá pra dizer que é um mero acidente!!

Gerson B disse...

"Theo Oliveira
Não li nenhum comentário. Apenas digo se tudo é acaso químico porque eu deveria considerar meu próprio pensamento verdadeiro sobre este assunto, que segundo essa visão, não passa de amontoados imprevisíveis de choques atômicos, produto da junção e secreção de células, órgãos e substancias? Se são apenas produto da química, da biologia ou sei la mais o que porque eu deveria afirmar que eles são confiáveis porque apenas não passam de acaso?"

Porque existem mecanismos seletivos. "Acaso" ai significa não-teleológico, não significa não-ordenado. Só que a ordem não vem da intenção de alguem e sim de condições naturais. Não apenas nossos cérebros se configuraram para ser funcionais, como os processos mentais, SE seguirem uma metodologia lógica de depuração, como o método científico, tendem a ser auto-corretivos.

E a própria duvida que você citou é uma parte importante desse mecanismo autocorretivo. O que não significa não acreditar em nada, apenas que temos modelos que se aperfeiçoam, mas nunca chegam à totalidade do conhecimento.

Caio Bov disse...

Acho que a humanidade é a dileta cobaia de uma experiência absurda, sem sentido e completamente fora de escala.

Talvez (eu disse talvez)os budistas tenham razão: nem existência nem não-existência; nós não somos mais reais do que os personagens dos nossos sonhos.