domingo, 5 de junho de 2016

O tédio e a dor

Chove lá fora e estou tão cansado.

Moro num prédio multicultural. Tem branco, tem negro e tem até latino. Não, não é gueto, aliás o aluguel é até bem caro, mas tenho medo que esteja virando. Ontem mudou-se um casal muçulmano para meu prédio. Ele daqueles barbudões de túnica, parece um terrorista do ISIS. Junto com ele duas mulheres com véu cobrindo todo o rosto, daqueles todos pretos que mais parecem um saco de batatas. E várias criancinhas, naturalmente.

O futuro da nação.

Se alguém tentasse inventar uma cultura mais estranha e mais oposta aos costumes europeus, não conseguiria. E no entanto os eurodescendentes de dobram e ficam de quatro com vaselina no rabo para acomodar-se aos costumes dessa ralé islâmica. E o que recebem em troca? Bombas, ódio e desprezo. 

Por que ninguém fala que, além de ser terroristas, os muçulmanos são esteticamente horrendos?

Sim, judeus ortodoxos também têm roupas bizarras, e suas mulheres usam perucas ou panos na cabeça, mas ainda assim não é tão feio ou alienígena como essas mulheres de niqab.

Sim, os próprios brancos ocidentais se vestem muito mal hoje em dia, quase todo mundo com tatuagens horríveis que parecem esquimoses ou então com roupas de prostitutas e gigolôs, mas nem sempre foi assim. Será que temos uma memória tão curta?

Por que o branco precisa aceitar esta mudança atroz em seus países? Será que as pessoas estão cegas?


Estou de saco cheio de progressistas dizendo que temos que aceitar isso, "por que é 2016". Sim, e daí? Por quê? Qual a razão? Qual o sentido? Por que países brancos precisam ser multiculturais? Já não basta a ralé local, que de lixo branco está cheio, ainda precisa-se aceitar a ralé de outros países?

Qual o benefício? Cui bono?

Ah sim, as elites de Wall Street. Bem, quer saber? Estou de saco cheio das elites, bilionários imundos tratando a população global como gado só para poder enriquecer mais e criar um mundo global, todo igual em tudo que é lugar. Globalism über alles.

É claro que a população também não ajuda, são tão burrinhos, acreditam em tudo que a mídia diz. Estou de saco cheio deles também.

E se alguém pensa diferente do que diz a mídia, é "teoria da conspiração". Não diga! Pessoas poderosas jamais conspiraram para manter o seu poder?

Uma vez o escritor Jorge Luis Borges disse algo do tipo, as pessoas são ingênuas demais, acreditam até nos comerciais, que são criados por empresas que querem vender seus produtos.

Poderíamos dizer algo parecido sobre o jornalismo. Vivemos em tempos tão ingênuos, que as pessoas acreditam até naquilo que lêem nos jornais. Ou o que vêem e ainda ajudam a propagar na mídia social.

Estou de saco cheio dos nacionalistas brancos também, é claro. Em vez de falar discutir assuntos importantes, ou tentar reverter a situação de extremo degrado cultural, ficam discutindo sobre quem é mais branco. Nossa!

Mas quem são eles para criticar o degrado cultural? Muitos deles tem uma tatuagem ridícula no antebraço ou vestem-se como palhaços. 

Fariam melhor em imitar os judeus, que existem há milhares de anos e não ficam discutindo tanto sobre pureza. Tem mãe judia? É judeu. Pronto, não precisa nem seguir o Talmud ou acreditar em Deus. Basta seguir um pouco a cultura, cortar um pedaço do pênis e comer bagel, e era isso!

É claro que estou de saco cheio dos judeus, também. Vivem se fazendo de vítimas enquanto dominam Hollywood e Wall Street.

Estou de saco cheio da humanidade, enjaulando animais selvagens, e depois matando-os quando um ser humano entra em seus já pequenos espaços colocando a própria em risco. Sério?

O filósofo alemão Schopenhauer disse certa vez que a vida humana oscila entre a dor e o tédio. Quando sofremos, sentimos dor. Quando estamos bem, passamos a sentir tédio.

Alguns poderiam pensar que as peossoas em geral preferem o tédio à dor, mas não é bem assim. Alguns experimentos parecem comprovar que, para muitos, até a dor é preferível ao tédio. 

O mesmo quiçá possa ser dito das civilizações. Há períodos de intensa dor e sofrimento, de luta extrema contra a natureza ou contra outras tribos. Mas, quando as coisas finalmente ficam relativamente bem e tranquilas, quando chega-se no ápice do conforto e poder, as civilizações ficam entediadas, e dão um jeito de ferrar com tudo. E aí volta a dor.

O homem ocidental está entediado, e por isso inventa ou aceita todas essas confusões. É bastante claro para qualquer um que possa ver mais do que um palmo à frente do nariz que tudo isto terminará em guerra, em miséria ou em desgraça, mas o que podemos fazer? É a natureza humana.

Estou de saco cheio de tudo isso. E até de mim mesmo.

Portanto, adeus.

White people.

10 comentários:

AF disse...

Sério que no seu prédio mudaram muçulmanos desse jeito? Eu ficaria com medo se isso acontecesse. Se bem que até na minha cidade, que tem menos de 100 mil habitantes aqui no Brasil, é meio histórica e cheia de igrejas, já está aparecendo um vez por outra.

Quanto ao nacionalismo branco, se eles fossem tão fodões assim, não ficariam tão obcecados por essas discussões ou já teriam feito um mapa sobre quem é mais branco, fechando esse assunto de vez, ou usariam mais neurônios no cérebro, afinal, mesmo se uma pessoa é "contaminada" segundo eles e é branca, ela pode se "descontaminar" com o tempo, dando origem a gerações mais pura caso mantenham-se brancas, mas não: sempre dão em discussões assim, que são eternas. Ninguém é branco para eles, pronto.

As discussões começam mais ou menos assim: alguém posta uma foto ou diz que certa pessoa do país X é branco, mas depois aparece um que discorda, outro que não e começam a rever coisas irrelevantes de história e vai naquelas discussões, que em nada vão ajudar a raça branca e que parecem até obsessões sobre brancura. Parece até algo que vicia entre eles ou que o nacionalista branco tem TOC.

Enquanto isso os brancos esquerdistas estão lá, como você mesmo falou: se dobrando e ficando de quatro, com muita vaselina no rabo para acomodar os muçulmanos.

Matheus Carvalho disse...

Caralho,que foto!

Sabedor disse...

''Se alguém tentasse inventar uma cultura mais estranha e mais oposta aos costumes europeus, não conseguiria.''

Como assim!!

Você acabou de falar, judeus ortodoxos... aqueles grupos cristãos fundamentalistas e pelo menos, isolacionistas (eu também quero me isolar pra sempre da umanidade).


Sobre a ideia de Schopenhauer, acho que ele disse a nível individual, porque a nível macro-social ou macro-coletivo, são apenas aqueles que estão no poder que podem fazer alguma coisa....

Você citou os judas não foi**

aah sim!

As pessoas comuns funcionam como peças de um engrenagem maior que chamamos de sociedade. E aqueles que estão no poder, para o nosso bem (quase sempre não), para o nosso mal (quase sempre), são como se fossem aqueles que: constroem, reparam, destroem ou transformam esta engrenagem, adicionando novas peças, retirando outras, enfim, reprogramando-a.

Qualquer sociedade complexa que conhecemos exibe a sua força e ao mesmo tempo a sua fraqueza no mesmo ''lugar'', como aquela personagem mitológica do panteão nórdica, da qual não me lembro o nome e nem me lembro também se a estória é esta mesmo.

A hierarquia ''cooperativa'' é ao mesmo tempo a força e a fraqueza das sociedades complexas. É a sua força porque sem esta organização é provável que não se sustentaria a longo prazo pois se dividiria em muitos caudilhos.

É a sua fraqueza porque é fácil reprogramá-la, basta surrupiar os lugares mais hierarquicamente decisivos e mudar o programa.

Para bom conhecedor, fatos extremamente recorrentes como o domínio de um certo povo sobre ''locais'' de grande poder de influência, são mais do que evidências de que alguma coisa está acontecendo e que o seu epicentro se consiste na área onde essas cousas se originam e se espalham viralmente.

Eu vou repetir, pode o Mister X fazer um texto especificamente sobre esta dinâmica judeus x decadência ocidental **

E deixando a entender que com esta vaga sugestão não estou sugerindo que o faça assim ou assado.

Anônimo disse...


"Por que ninguém fala que, além de ser terroristas, os muçulmanos são esteticamente horrendos?"

certa vez aqui na universidade onde estudo vi um muçulmano,o cara era do oriente médio mesmo pela primeira vez,estava fazendo propaganda sobre o islã,era barbudo e tinha uma roupa de gente da idade média,passei por ele e ele me encarou,e também o encarei,e segurei minha colega na cintura como se a protege -se,depois fiquei mais de uma hora vendo de longe ele em pé tentando atrair pessoas,mas ninguém sequer olhou para o cara,apenas alguns esquerdistas idiotas.fiquei assustado com aquela criatura grotesca.

Sabedor disse...

"Por que ninguém fala que, além de ser terroristas, os muçulmanos são esteticamente horrendos?"

Nossa, mas é muita generalização SEM EXPLICAÇÃO do porquê, pro meu gosto, parece até propaganda neocon.

Sabedor disse...

''Moro num prédio multicultural. Tem branco, tem negro .... e tem até latino''

Sim, vc já disse que está morando em um prédio multicultural, ;)

Sorte a sua, se imigrar pra zeuropa o estado zunindos, me confundirão com um aiatolá abortado.

Anônimo disse...

Você está definitivamente deixando o blog? Não vai mais fazer postagens?

Mr X disse...

Anônimo disse...

"Você está definitivamente deixando o blog? Não vai mais fazer postagens?"

Não. Quer dizer, sim. Não ao não. Continuarei escrevendo, mas procurarei melhorar um pouco a qualidade dos posts.

Abs.

Mr X disse...

Era só mau humor temporário, já passou.

Abs.

CENSURADO AGAIN disse...

QUANTO AS FOTOS PREFIRO AS DO LESTE NA BURCA AS DE CIMA SÃO PUTAS OCIDENTAIS LIXOS POR ISSO MESMO TRAEM A TRIBO EM ATHENAS E MOHAMED JA SE DIZIA COMO SE LIDA COM GENEROS BURROS